Cidadania

Que questões importantes estavam faltando na AGNU? — Quartzo

A Assembleia Geral das Nações Unidas foi concluída em Nova York na semana passada, e houve mais uma ausência notável: a covid.

Máscaras foram exigidas ao entrar na sede da ONU (embora o mandato não fosse necessariamente amplamente respeitado), e as delegações tiveram que reduzir o tamanho para evitar locais superlotados. Mas nas muitas reuniões de alto nível e reuniões paralelas que lotaram a maior conferência de desenvolvimento do ano, o Covid foi muitas vezes falado no passado, como um desafio que havia sido superado que causou grandes contratempos, mas não como um problema. principal preocupação atual.

Mas enquanto a nova vacina específica da omicron é administrada no norte global, a quarta ou até quinta vacina contra a covid para muitos, apenas 16% das populações em países de baixa renda completaram a primeira rodada de imunização contra o vírus.

Isso é em grande parte uma consequência da desigualdade das vacinas e, no entanto, o tópico estava amplamente ausente da agenda.

Quem já passou de covid?

É apropriado que as reuniões tenham ocorrido nos EUA, onde o presidente Joe Biden declarou o fim da pandemia, mesmo que o país continue a ver cerca de 500 mortes por Covid por dia. A ausência de conversas sobre igualdade de vacinas sinaliza um “avanço” coletivo de covid que reflete a maneira como a comunidade internacional lidou com a pandemia, concentrando-se desproporcionalmente na realidade das nações ricas e ignorando a situação em outras partes do mundo.

A única exceção foi um evento sobre acesso equitativo a vacinas organizado pelo Secretário-Geral da ONU na tarde de sexta-feira, 23 de setembro (ou quando a atenção à AGNU já estiver diminuindo); mas sem dúvida a ONU já fez o possível para incentivar a igualdade de vacinas, e o evento não contou com países ou organizações, como membros da UE que se opõem à isenção de patentes em tecnologias covid, que poderiam implementar as recomendações da ONU. .

De resto, ao longo da semana, a menção ocasional da igualdade de vacinas contra a covid nos eventos da semana deveu-se apenas a participantes abertos, como o enviado especial da Organização Mundial de Saúde (OMS). Ayoade Alakijadiretor do UNAIDS Winnie Byanyimaou Maria Elena Bottazzi, a pesquisadora que co-desenvolveu a vacina contra a Covid Corbevax, de baixo custo e sem patente.

Muitos painéis discutiram a preparação para pandemias ou a necessidade de os países africanos fabricarem seus próprios tratamentos e medicamentos; uma das estatísticas mais ouvidas da conferência foi que menos de 1% das vacinas da África são fabricadas localmente. Mas essas conversas pareciam prematuras e um pouco vazias, pois as potências globais pareciam ter se antecipado à crise atual, mostrando pouco interesse em preencher a lacuna de vacinação ou preparar o campo para a cooperação internacional para tornar a próxima pandemia menos desigual do que a atual. 1. o real.



Source link

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo