Cidadania

Quanto dinheiro você precisaria para viver sua vida ideal? — Quartzo

Imagine sua vida ideal: tudo, desde onde você moraria e quais projetos seguiria até as férias que faria, os hobbies em que investiria, a comida que comeria e o tipo de roupa que usaria. .

Quanto dinheiro seria necessário para satisfazer todos os seus desejos?

Essa é a questão central de um estudo recente publicado na revista Nature Sustainability, que entrevistou cerca de 220 pessoas em cada um dos 33 países sobre quanta riqueza eles precisariam para viver sua versão de uma vida ideal. Com base nesse número, os participantes foram solicitados a escolher o prêmio que esperavam ganhar em uma loteria, com opções que variam de US$ 10.000 no limite inferior a US$ 100 bilhões no limite superior, uma quantia tão grande, diz o autor. é equivalente a riqueza ilimitada.

Pode-se esperar que a maioria das pessoas escolha a opção de riqueza ilimitada de US$ 100 bilhões. Afinal, o campo da economia tende a sustentar que as pessoas são basicamente insaciáveis ​​quando se trata de seu desejo de consumir bens e serviços, uma suposição que ajuda a justificar a busca do crescimento econômico perpétuo. Pessoas muito ricas como Elon Musk e Jeff Bezos certamente parecem interessadas em ganhar mais dinheiro, mesmo quando já possuem bilhões de dólares. Além disso, quanto mais dinheiro você tem, mais opções você tem, então presumivelmente com riqueza ilimitada, as possibilidades são infinitas.

Mas este estudo sugere que a maioria das pessoas não acredita que precisa de riqueza ilimitada para levar a vida dos seus sonhos. No geral, a maioria dos participantes do estudo optou pelas opções de prêmios comparativamente modestas (e puramente hipotéticas) de US$ 1 milhão ou US$ 10 milhões. Para uma pessoa de 38 anos com expectativa de vida de 78 anos, observa o estudo, US$ 1 milhão equivale a apenas US$ 25.000 por ano.

Os pesquisadores psicológicos Paul Bain e Renata Bongiorno, coautores do artigo, dizem que essa descoberta tem implicações importantes quando se trata de como as culturas normalizam o consumismo excessivo.

“A ideologia de desejos ilimitados, quando apresentada como natureza humana, pode criar pressão social para que as pessoas comprem mais do que realmente desejam”, disse Bain, principal autor do estudo e leitor da Universidade de Bath, no Reino Unido. um artigo recente. Comunicado de imprensa. “Descobrir que a vida ideal da maioria das pessoas é, na verdade, bastante moderada pode tornar socialmente mais fácil para as pessoas se comportarem mais de acordo com o que as torna verdadeiramente felizes e apoiar políticas mais fortes para ajudar a proteger o planeta. ”.

Dinheiro compra felicidade?

Para ter certeza, algum as pessoas em todos os países queriam tanto dinheiro quanto possível para satisfazer seus desejos. Em uma das duas pesquisas realizadas para o experimento, 32% dos americanos escolheram a opção de US$ 100 bilhões, em comparação com apenas 8% das pessoas na China.

Na segunda pesquisa, a Indonésia foi o país com a maior proporção de pessoas que escolheram a opção máxima em 39%, enquanto apenas 8% das pessoas na Rússia escolheram US$ 100 bilhões.

As pessoas que escolheram a riqueza ilimitada não foram necessariamente motivadas por egoísmo ou ganância. O estudo não ofereceu perímetros sobre como seria uma vida ideal, deixando aos participantes a decisão de interpretar a pergunta para abranger objetivos altruístas ou focar em sua realização individual. De fato, os autores observam que as pessoas que escolheram a opção ilimitada eram mais propensas do que outras a mencionar a ação em questões sociais, embora, no geral, tanto os grupos ilimitados quanto os limitados tenham dito que usariam o dinheiro em si mesmos e em seus amigos e parentes.

O estudo baseia-se em pesquisas anteriores que exploraram as conexões entre dinheiro e felicidade. Pesquisas sugerem que, até certo ponto, maior riqueza está associada a maior felicidade. Mas os estudos também mostraram que existe um ponto de corte após o qual, para a pessoa média, mais dinheiro não parece mais aumentar a satisfação com a vida. (Nos EUA, esse ponto de corte é uma renda familiar anual de US$ 105.000.)

Não há dúvida de que ter dinheiro suficiente para suprir necessidades como comida, abrigo e segurança financeira básica faz uma enorme diferença para a felicidade das pessoas. Uma vez que essas necessidades básicas sejam atendidas, o dinheiro também pode aumentar a felicidade, ajudando-nos a alcançar nossas maiores aspirações.

O que este novo estudo sugere é que, para a maioria de nós, alcançar até mesmo a vida dos nossos sonhos mais loucos não exigiria o tipo de soma que as pessoas mais ricas do mundo acumularam. Em vez disso, escrevem os autores, a maioria das pessoas aspira a ser “confortável, mas não extravagante”.

Source link

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo