Cidadania

Quando saberemos se as vacinas Covid-19 interrompem a transmissão? – quartzo


Esta semana, os Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA divulgaram recomendações provisórias de saúde pública para pessoas que foram vacinadas contra Covid-19. Eles foram um alívio bem-vindo. Atividades como visitar uma casa de baixo risco, não vacinado em ambientes fechados sem máscaras agora estão de volta à mesa.

Embora a agência de saúde tenha tomado uma nota cautelosamente otimista, ela enfatizou que a vacinação não significa abandonar todas as medidas de segurança da Covid (grandes reuniões e viagens internacionais ainda são desencorajadas). A principal razão é que os cientistas continuam lutando com a questão de saber se as vacinas podem interromper a transmissão. “É uma questão estatística complicada, mas enquanto houver os recursos que você esperaria, seria possível obter uma resposta nos próximos meses”, diz Luke Davis, epidemiologista e pneumologista da Escola de Saúde Pública de Yale.

Existem muitas razões para pensar que as pessoas vacinadas não deveriam ser capazes de transmitir o vírus a outras pessoas. No passado, as vacinas foram fundamentais para retardar a propagação de outras doenças infecciosas. “Não consigo imaginar como a vacina poderia prevenir a infecção sintomática tão eficazmente quanto [companies] informado e ter Não impacto na transmissão ”, disse Matthew Woodruff, imunologista da Emory University, anteriormente ao Quartz.

Mas em um campo tão complexo como a imunologia, “deveria” não é suficiente. Para chegar ao fundo do problema, os cientistas devem coletar dados de mais estudos observacionais sobre pessoas que foram vacinadas, o que obviamente leva tempo. Felizmente, vários desses estudos já estão em andamento.

Um dos mais promissores, diz Davis, é um estudo que rastreia a transmissão de Covid-19 entre famílias de trabalhadores essenciais chamado RECOVER (abreviação de “Pesquisa sobre a epidemiologia do SARS-CoV-2 em respondentes essenciais; os cientistas adoram um bom acrônimo). Para este estudo, os pesquisadores esperam ter uma ideia de como o Covid-19 se espalha nas casas e como as vacinas protegem contra essa disseminação. Inclui todos os trabalhadores essenciais que apresentam resultados positivos para SARS-CoV-2 com um teste PCR (e concordam em participar do trabalho) e aqueles que vivem com eles por 10 dias. Dado que algumas vacinas parecem prevenir até 95% dos casos sintomáticos de Covid-19, esperaríamos que uma em cada 20 pessoas vacinadas ficasse doente, diz Davis. Depois do primeiro teste positivo, toda a família dessa pessoa receberá outro teste PCR para determinar se ela também contraiu o vírus. Se vacinas posso parar a transmissão, os cientistas devem ser capazes de ver uma grande diferença entre as casas onde uma pessoa foi vacinada e aquelas onde ninguém esteve.

RECOVER não é o único estudo que monitora as sequelas das vacinas Covid-19 em nível populacional. O CDC está monitorando sete outros projetos de pesquisa em andamento, alguns dos quais buscam proteção contra as variantes do SARS-CoV-2, taxas de hospitalização entre pessoas que foram vacinadas e proteção de longo prazo com a vacina. Os cientistas conduzem rotineiramente esses estudos observacionais com outros tipos de vacinas, como a vacina anual contra a gripe, mas eles tendem a receber menos atenção do que os testes iniciais de segurança e eficácia.

Dependendo do resultado desses estudos, o CDC pode atualizar suas diretrizes para dizer que as pessoas que foram vacinadas não precisam usar máscaras, especialmente depois que uma proporção substancial da população recebeu suas vacinas.

Além disso, eles informarão o desenvolvimento de novas inoculações baseadas em material genético, como mRNA ou DNA, assim como algumas novas vacinas Covid-19. “São novos tipos de vacinas”, diz Davis. As vacinas Pfizer-BioNTech e Moderna usam nanopartículas lipídicas para transportar mRNA para instruir nossas células a produzir a proteína spike SARS-CoV-2, enquanto as vacinas AstraZeneca e Johnson & Johnson usam DNA para realizar um feito semelhante.

Os cientistas sem dúvida vão querer usar DNA e mRNA para fazer vacinas contra outros patógenos no futuro. Quanto mais cedo os cientistas puderem entender as capacidades das vacinas, mais cedo eles poderão orientar os funcionários de saúde pública na tomada de decisões políticas que podem nos levar a um novo normal pós-Covid 19.



Fonte da Matéria

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar