Cidadania

Qual é o colapso do ethereum? — Quartzo

Ethereum, a blockchain que permitiu o surgimento de tokens não fungíveis (NFTs), está prestes a ser lançada um dos experimentos mais assistidos no mundo das criptomoedas.

Por volta de 15 de setembro, o processo de validação de transação criptográfica mudará do que é conhecido como teste de trabalho uma prova de aposta. “A fusão”, como é chamada, reduzirá instantaneamente 99% das emissões de carbono da Ethereum, de acordo com a Ethereum Foundation.

Christine Kim, pesquisadora de criptomoedas da empresa Galaxy Digital, chama isso de “a atualização mais esperada na história do ethereum”, prometida aos usuários antes mesmo do blockchain ser lançado em 2015. Mas mudar para um consenso mais sustentável e seguro tem implicações além do universo do ethereum.

A fusão testará se a prova de participação pode funcionar na escala massiva do Ethereum: sua criptomoeda ether (ETH) atualmente responde por um quinto da capitalização total do mercado de criptomoedas de US$ 1,12 trilhão, de acordo com a CoinMarketCap. Se funcionar, pode tornar o Ethereum mais palatável para os investidores tradicionais.

Em agosto, as notícias da data de lançamento da fusão viram o ETH ultrapassar US$ 2.000 pela primeira vez desde maio. Desde então, o preço recuou para menos de US $ 1.700 no momento em que este artigo foi escrito.

O que é prova de participação?

A prova de trabalho é o mecanismo de consenso original do blockchain. Sob esse sistema, iniciado pelo bitcoin e atualmente usado pelo ethereum, as criptomoedas são criadas, ou “extraídas”, por computadores que competem entre si para resolver problemas algorítmicos complexos. Isso faz com que o ato de mineração e validação de transações no blockchain consuma muita energia, impedindo alguns investidores tradicionais de colocar seu dinheiro em criptomoedas.

A prova de participação, por outro lado, registra transações sem uso de eletricidade ou outros recursos econômicos reais. Em vez disso, os usuários que validam as transações, chamados validadores, stake ou stake, ganham o direito de registrar novos dados de transação no blockchain.

“Na prova de trabalho, você precisa executar esse cálculo para obter os pagamentos desse papel”, diz Joshua Gans, economista da Universidade de Toronto. “Na prova de participação, é mais como se você estivesse comprando bilhetes de loteria.” Continuando com a analogia de Gans, quanto mais bilhetes de loteria um usuário comprar, maiores serão as chances de ganhar e ganhar ETH recém-cunhado.

Em uma nota de pesquisa de agosto, os analistas do JP Morgan escreveram que a fusão poderia ajudar a impulsionar a criptomoeda para o mainstream, não apenas por causa do processo de prova de participação mais verde, mas também por causa dos incentivos financeiros que os usuários têm para apostar seu ETH e obter um retorno.

Hackear o Ethereum está prestes a ficar mais difícil

Além de aumentar a credibilidade ecológica do ethereum e fornecer aos usuários incentivos financeiros adicionais, fusão promete tornar o sistema mais resistente a ataques.

A maioria das redes blockchain corre o risco de sofrer o que é conhecido como um ataque de 51%. É quando um mau ator ganha o controle de mais de 50% do poder de computação (ou 50% dos ativos em jogo no caso de comprovante de participação) necessário para confirmar as transações.

Como já existem cerca de US$ 25 bilhões apostados na cadeia que se fundirá com o Ethereum e o transformará em uma blockchain de prova de participação, um invasor precisaria de US$ 25 bilhões para poder sobrecarregar a rede, diz o pesquisador da Ethereum Foundation, Justin Drake.

Em comparação, Para comprar plataformas de mineração suficientes para sobrecarregar a atual rede de prova de trabalho, seriam necessários apenas US $ 5 bilhões, de acordo com as estimativas de Drake.

“Cinco bilhões de dólares é muito, mas para um estado-nação são amendoins”, diz Drake. (Um dos objetivos da indústria de criptomoedas é criar criptomoedas que nenhum governo pode manipular.)

Muitas outras blockchains, incluindo Cardano, Avalanche e Polkadot, já funcionam com prova de participação, mas quando a fusão acontecer, o ethereum se tornará a maior rede blockchain até agora. correr com prova de participação.

Quem é prejudicado pela fusão?

No dia da fusão, a maioria dos usuários do Ethereum usará o novo mecanismo de consenso sem precisar fazer nada. Mas os mineradores que desejam ser validadores precisarão começar a apostar pelo menos 32 ETH para garantir que possam validar as transações na nova cadeia. As exchanges pausarão os depósitos e saques ETH até que a transição seja concluída.

Aqueles que investiram milhares de dólares em máquinas de mineração (chamadas plataformas) terão que descobrir como vendê-las ou reaproveitá-las, já que as plataformas não serão necessárias na rede atualizada.

Algumas pessoas podem optar por continuar minerando em vez de apostar, e os fundadores do ethereum não podem impedi-los de fazê-lo. Portanto, o Ethereum provavelmente se dividirá em dois, ou garfo.

Mas a mineração antiquada As negociações provavelmente serão menos lucrativas. Por alternativas ethereum Com base em provas de trabalho, como o Ethereum Classic (ETC), o resultado de um fork anterior e um fork proposto chamado ETHW, as margens representam uma “fração da lucratividade da mineração de ETH”, diz Kim.

Source link

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo