Cidadania

Por que a Adobe desperdiçou US$ 20 bilhões na startup de design Figma? — Quartzo

Uma startup de design florescente agora será de propriedade do mesmo gigante para o qual nasceu.

Desde que o Figma foi lançado em 2016, ele foi apontado como um assassino da Adobe por ser mais eficiente, colaborativo e acessível. Em 15 de setembro, a Adobe anunciou que compraria a empresa com sede em São Francisco em um acordo metade em dinheiro e metade em ações por US$ 20 bilhões.

Este preço de compra é o dobro do valor da Figma durante sua última rodada de financiamento no ano passado.

Um começo anti-Adobe

Quando o Figma foi lançado pela primeira vez, seu CEO, Dylan Field, apresentou o produto como David to Goliath, da Adobe.

Na época, ele disse ao TechCrunch que a gigante de 40 anos “não entende de colaboração” e que sua oferta da Creative Cloud é “realmente nuvem apenas no nome”.

Enquanto isso, o Figma se tornou um sucesso por ser uma ferramenta orientada ao design focada na colaboração perfeita.

Citável

“Nosso objetivo é ser Figma, não Adobe” tweet do campo a partir de 29 de janeiro de 2021

parceiros de nuvem

Um ano e meio depois, as coisas parecem ter mudado, pois Figma está a caminho de se tornar “Instagram da Adobe.”

Para Figma, a grande quantidade de dinheiro apresenta uma grande oportunidade de crescimento. O acordo vem “com acesso à tecnologia, experiência e recursos da Adobe no espaço criativo”, escreveu o CEO Dylan Field em um post no blog de 15 de setembro.

“Por exemplo, teremos a oportunidade de trazer sua experiência em imagem, fotografia, ilustração, vídeo, 3D e tecnologia de fontes para a plataforma Figma”, explicou.

A Adobe vai matar o Figma?

Por enquanto, a Adobe está “profundamente comprometida” em manter a Figma operando de forma autônoma, escreveu Fields, que continuará como CEO.

Atualmente, a empresa não tem planos de alterar o preço do Figma e o produto continuará sendo gratuito para educação.

Design Twitter, no entanto, tem suas dúvidas sobre quanto tempo isso vai durar, dada a notória reputação da Adobe por sendo inacessível S desajeitado.

O curioso caso da Adobe

Wall Street não ficou empolgada com o anúncio da aquisição. O preço das ações da Adobe caiu 16% com as notícias, assim como seus resultados mistos.

Especialistas do setor, no entanto, não entendem de dumping. O acordo parece agregar valor à empresa de software legado.

“Eu diria que a Adobe sem o Figma era um ativo muito mais arriscado, já que o Figma acabaria consumindo grandes quantidades de receita da Adobe”, Amal Dorai, sócio da empresa de capital de risco de tecnologia emergente Anorak Ventures, tuitou. “Se você fosse vendê-lo após o anúncio da aquisição, deveria tê-lo vendido muito antes.”

Além do ceticismo dos usuários, há um aviso óbvio para os investidores: e se surgirem questões antitruste e o negócio não for concretizado?

“Então a oferta de aquisição acabou de revelar que a própria Adobe não acha que pode competir com a Figma”, a pesquisadora e investidora Vaska Atta-Darkua. ele apontou.

fato engraçado

O acordo Adobe-Figma marca a maior aquisição de uma empresa privada de software, segundo a Bloomberg.

Histórias relacionadas

🆘 Designers com desafios tecnológicos se reúnem para um cara que chamam de “Adobe Jesus”

📸 Criador do Photoshop diz que as fotos estão desatualizadas

💸 Por que a Adobe oferece aos designers seu software de design UX gratuitamente



Source link

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo