Cidadania

Podemos confiar nas pesquisas eleitorais de Trump-Biden? – quartzo


A eleição presidencial dos Estados Unidos é daqui a três meses, e pesquisas e previsões estão chegando. De acordo com pesquisas e indicadores econômicos disponíveis em 3 de agosto, o The Economist prevê que Joe Biden receberá 54% do voto popular e Donald Trump 46%, o que significa que eles dão a Biden 91% de chance de ganhar a presidência. O site FiveThirtyEight eleva Trump de 50% para 42% nas pesquisas nacionais. Uma pesquisa do New York Times mostra Biden em pelo menos seis pontos em seis principais estados do campo de batalha.

Mas já estivemos aqui antes, não estamos? Em 2016, pesquisas e previsões presidenciais mostraram que Hillary Clinton derrotaria Donald Trump, e nós sabemos o que realmente aconteceu. O número de criadores interpretou mal o clima do público. O apoio de Trump foi mais profundo do que qualquer um deles entendeu. Pesquisas não podem ser confiáveis.

Essa é a narrativa que muitas pessoas ainda têm sobre as pesquisas e eleições de 2016 e, embora exista alguma verdade, falta muitas nuances. A maioria dos pesquisadores acreditava que Clinton venceria e havia erros metodológicos. Mas a ideia de que as pesquisas são inúteis por causa do que aconteceu em 2016 está simplesmente errada. Se você deseja prestar atenção às pesquisas durante o ciclo presidencial de 2020, deve seguir em frente.

De certa forma, as pesquisas de 2016 foram realmente extremamente precisas. O New York Times e o FiveThirtyEight usaram pesquisas para projetar que Hillary Clinton ganharia o voto popular em três pontos percentuais. No final, Clinton venceu por cerca de dois pontos. Não é ruim. De fato, a precisão das pesquisas nacionais em 2016 não foi pior que a média em comparação com as últimas décadas.

Mas, além de projetar a votação nacional, os analistas também ofereceram a chance de Clinton vencer. É aqui que, em vários graus, as coisas deram errado. O FiveThirtyEight deu a Clinton uma chance de 71%, o New York Times 85% e o Huffington Post 98%.

Essas projeções foram desfeitas não por pesquisas nacionais, mas por pesquisas imprecisas em alguns estados-chave. Embora Clinton tenha sido altamente favorecida por vencer em Michigan, Pensilvânia e Wisconsin, ela perdeu para todos os três estados, enquanto teve um desempenho inferior no resto do país. Parece haver duas razões principais pelas quais os pesquisadores estavam errados nesses estados, de acordo com o especialista em pesquisas do New York Times Nate Cohn. Um, os eleitores que tomaram as decisões tardias foram para Trump com margens surpreendentemente grandes. Segundo, Trump conseguiu fazer com que algumas pessoas votassem em pesquisadores que não esperavam fazer o esforço, principalmente em pessoas que nunca haviam frequentado a faculdade.

As eleições presidenciais de 2016 foram próximas o suficiente para que esses erros de sondagem fizessem com que os analistas de dados tivessem a previsão “errada”. As citações estão incorretas porque todos os analistas deram a Trump alguma chance de ganhar, por isso é provavelmente mais preciso dizer que eles estavam certos demais.

É certo que 2016 iniciou uma tendência de queda na precisão da pesquisa, porque agora menos pessoas atendem seus telefones quando solicitadas a participar de pesquisas. Mas mesmo isso não parece ser um problema. Para as eleições parlamentares de 2018, as pesquisas foram verdadeiramente precisas, com estimativas quase 20% mais próximas da votação final do que o habitual. Pode ser mais difícil convencer as pessoas a telefonarem, mas os pesquisadores conseguiram ajustar sua metodologia para esse problema.

Então, qual é a lição para 2020? A principal conclusão é que, se as pesquisas nacionais estiverem próximas, digamos que dentro de cinco pontos, tudo pode realmente acontecer. Embora os pesquisadores não cometam exatamente os mesmos erros que cometeram em 2016, eles podem cometer novos. Portanto, é melhor não supor que seu candidato favorito ganhe ou perca com base nesses números. Se, no final, a maioria dos estatísticos diz que Trump aumentou quatro pontos e tem 90% de chance de ganhar, que outros 10% devem ser levados muito a sério.

Porém, considerando que as pesquisas historicamente têm sido bastante precisas e não parecem estar piorando, os resultados de 2016 não devem afetar a aparência desses dados. Ainda é razoável pensar que quem está à frente nas pesquisas realmente está na liderança. Simplesmente não é uma certeza.



Fonte da Matéria

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar