Cidadania

Planeta pede ao governo dos EUA que pare de voar satélites — Quartz

Testar armas é um negócio perigoso. Quando a Força Aérea dos EUA quer praticar explodir coisas, usa lugares como o Campo de Testes e Treinamento de Nevada, uma enorme faixa de deserto onde pode lançar bombas longe dos civis.

Mas quando os militares querem testar mísseis projetados para destruir satélites, eles derrubam naves espaciais em órbita, espalhando pedaços quebrados no caminho de outros satélites. É o equivalente aproximado de testar mísseis ar-terra explodindo caminhões em vias públicas. Em novembro de 2021, por exemplo, a Rússia testou um míssil antissatélite destruindo um de seus satélites desativados. A explosão criou milhares de detritos em órbita e forçou os astronautas na Estação Espacial Internacional a procurar abrigos de emergência.

Uma empresa que rastreia objetos em órbita cunhou o termo “turbulência conjuncional” para descrever o que acontece quando uma nuvem de detritos de espaçonaves cruza com satélites ativos, criando um número recorde de passagens próximas. Os operadores são forçados a manobrar seus satélites fora de perigo, se puderem, ou simplesmente cruzar os dedos e esperar pelo melhor.

A Planet, uma empresa com centenas de satélites de observação da Terra afetados por essas tempestades de detritos, já está farta. Esta semana, ele fez um apelo formal aos EUA para interromper unilateralmente os testes de armas antissatélites “cinéticas” (em oposição aos testes de armas que atacam satélites interferindo ou queimando seus componentes eletrônicos, sem destruí-los fisicamente).

A primeira empresa a pedir uma proibição de teste cinético ASAT

A Planet é a primeira operadora de satélite a pedir tal moratória, embora empresas espaciais mais estabelecidas operem bilhões de dólares em hardware em órbita que também está em risco. A Satellite Industry Association, um grupo comercial dos EUA que representa dezenas de empresas, não comentou o pedido da Planet para encerrar os testes de armas de satélite dos EUA. Um porta-voz observou que a organização condenou o teste da Rússia, mas sua lista de princípios de sustentabilidade não menciona o assunto.

Embora as fontes não especulem publicamente por que as empresas não adotaram uma linha mais dura em relação às armas antissatélites, está claro que os laços tradicionais entre os militares dos EUA e os empreiteiros espaciais os tornam relutantes em promover uma política de controle de armas. Outra razão para a complacência é que o risco de uma colisão definitiva permanece bastante baixo por enquanto. Mas com mais e mais satélites sendo lançados e mais detritos sendo criados, o medo é que o perigo possa aumentar exponencialmente.

“Se eu estivesse no setor comercial, estaria gritando sobre isso”, diz Victoria Samson, especialista em espaço militar da Secure World Foundation. “Estou surpreso que eles não sejam. Espero fervorosamente que eles sigam o Planet, ou se o governo dos EUA emitir uma moratória, eles a apoiarão.”

A importância econômica do espaço está ligada à segurança nacional

Os fundadores do Planet não são novos neste problema. Em 2003, o CEO Will Marshall e o diretor de estratégia Robbie Schingler trabalharam no primeiro Índice de Segurança Espacial, um relatório projetado para avaliar se as nações estavam cumprindo as obrigações do tratado para manter o acesso livre e seguro ao espaço. Na época, a redução nos testes de armas anti-satélite pelos EUA e pela Rússia após a Guerra Fria foi citada como uma redução de detritos no espaço.

Mas as mesmas tendências que ajudaram Marshall e Schingler a lançar o Planet em 2010 – a crescente importância do espaço para as forças armadas e a economia global – também aumentaram o interesse pela guerra espacial, o que está documentado neste relatório da Safe World Foundation, publicado recentemente. O primeiro teste antissatélite da China em 2007 foi igualado pelos EUA em 2008. Em 2019, a Índia se tornou a quarta nação a destruir um satélite – um movimento Planeta condenado mesmo quando lançou satélites em um foguete do governo indiano semanas depois. O último teste da Rússia em 2021 só atraiu mais críticas globais.

Há indícios de que a ligação do Planet pode ter algum acompanhamento do governo. Kathleen Hicks, uma alta autoridade de defesa, disse no outono passado que os EUA “gostariam que todas as nações concordassem em se abster de testar armas antissatélite geradoras de detritos”. Se o governo Biden seguir essa política, pode ser um passo em direção às novas normas e regras para o espaço sobre as quais ouvimos tanto.

Uma versão desta história foi publicada originalmente no boletim informativo Space Business da Quartz.



Source link

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo