Cidadania

Os vaga-lumes da Índia lutam para sobreviver em meio às luzes brilhantes das cidades – Quartz India

Os insetos agem em coordenação com os regimes de luz natural e são sensíveis a mudanças na intensidade da luz, comprimentos de onda, fontes e outros fatores.

Insetos noturnos realizam várias atividades, como procurar comida, reagir a predadores ou navegar usando as estrelas e a lua. Para insetos da família LampiridaeComumente conhecidos como vaga-lumes, pouca luz é necessária para sua reprodução.

O mês de junho é considerado a melhor época para observar essas criaturas bioluminescentes, pois é uma importante época de reprodução. Maharashtra recebe festivais de vaga-lumes em maio e junho, que são celebrados por comunidades locais e entusiastas da vida selvagem, além de fotógrafos de diferentes partes do país. No entanto, esta congregação de Lampiridae é afetado pelo aumento da iluminação urbana, impactando seu número.

Vagalumes vs luz artificial

Os vaga-lumes usam sua bioluminescência, uma reação química que produz luz, para a comunicação de acasalamento. Adultos de um ou ambos os sexos (dependendo da espécie) emitem padrões de flash específicos que são recebidos pelo outro sexo. Durante a época de acasalamento, os vaga-lumes piscam no final do dia, logo após o pôr do sol, quando os níveis de luz são baixos. Altos níveis de luz artificial podem inibir essa atividade de sinalização.

Na presença de luz artificial, os vaga-lumes são forçados a gastar mais energia para tentar brilhar mais e fazer com que seus sinais sejam percebidos por parceiros em potencial, embora os efeitos variem entre as espécies que são receptivas a diferentes comprimentos de onda.

De acordo com um estudo de 2018 sobre Aquatica ficta vaga-lumes, que são comumente encontrados em Taiwan e partes da China, os intervalos entre os flashes tornam-se muito mais longos, pois os vaga-lumes tentam piscar mais para competir com a luz artificial. Isso reduz suas chances de encontrar um companheiro e afeta negativamente as taxas reprodutivas.

Os vaga-lumes são muito sensíveis aos sinais de luz ambiente., como suas atividades de namoro são restritas a horários específicos do dia. Os insetos noturnos são geralmente adaptados aos regimes de luz natural, por isso são extremamente sensíveis à luz artificial que pode desorientá-los, atraí-los, repeli-los ou cegá-los. Embora haja dados limitados disponíveis sobre populações de insetos noturnos e bioluminescentes, pesquisadores de todo o mundo observaram declínios na presença de insetos como vaga-lumes. A poluição luminosa, então, torna-se uma questão de preocupação ecológica.

Os vaga-lumes são encontrados em regiões temperadas e tropicais em zonas úmidas e pântanos perto de áreas florestais. Os adultos vaga-lume têm vida curta, com uma vida útil que varia de uma semana a alguns meses.

Em comparação com outros países, os vaga-lumes não foram bem estudados na Índia. Há muito poucos dados sobre as ocorrências exatas na população. Em um estudo, um pesquisador, Ramesh Charagadda, do Centro Nacional de Pesquisa Costeira tentou registrar a população de Abscondita chinensis espécies de vaga-lumes em uma área específica em Andhra Pradesh.

Na cidade de estudo de Barrankula, os vaga-lumes em uma área de 10 metros caíram de 500 em 1996 para 10-20 em 2019. As razões exatas para esse declínio são difíceis de determinar, considerando que apenas duas contagens foram registradas, com 23 anos de idade. velhos da diferença. As comunidades locais, no entanto, confirmam que testemunharam um declínio acentuado na população de vaga-lumes.

Shreya Sharma/Mongabay-Índia

De acordo com outra pesquisa realizada em 2020, que tentou entender a perspectiva global sobre as ameaças de extinção dos vaga-lumes, as ameaças mais graves (pdf) aos vaga-lumes observadas pelos especialistas são a perda de habitat, poluição luminosa por luz artificial durante a noite e pesticidas, nessa ordem. Os pesquisadores entrevistaram especialistas de várias regiões geográficas para identificar as ameaças percebidas mais proeminentes, e apenas dois dos 49 especialistas que responderam eram do sul da Ásia; mas admitiram que a perda de habitat e os pesticidas são as maiores ameaças.

Embora os pesticidas sejam considerados um fator central na diminuição da ocorrência de vaga-lumes, a poluição luminosa é um dos principais contribuintes, como mostra um estudo separado (pdf) sobre a espécie. Fotino sp1, feito no Brasil. Os pesquisadores deste estudo descobriram que as ocorrências de vaga-lumes (observadas por seus padrões de flash) dependem da proximidade da luz. Eles estudaram três diferentes transectos de área, a 60, 150 e 280 metros da principal fonte de luz artificial: quatro holofotes com três lâmpadas de vapor multimetálicas cada. Eles observaram uma diferença significativa no número de vaga-lumes. Quanto mais se aproximava de uma fonte de luz, menos vaga-lumes havia.

Shreya Sharma/Mongabay-Índia

Esses achados do estudo do Brasil são significativos, pois mostram a correlação direta entre o número de vaga-lumes ativos e a distância da luz artificial. Com a redução das áreas escuras no mundo, os vaga-lumes enfrentam uma crescente perda de habitat, tornando a poluição luminosa uma grande ameaça para sua população.

À medida que as populações de vaga-lumes estão diminuindo, eles podem estar em perigo de extinção, com várias espécies à beira da extinção, se não já extintas. Estudos e esforços de monitoramento têm sido escassos, especialmente na Índia. Uma das principais razões para essa falta de pesquisa é que a fotopoluição ou poluição luminosa é difícil de medir. As maneiras precisas em que afeta diferentes populações, especialmente espécies noturnas e bioluminescentes, também são difíceis de estudar. Mais pesquisas são necessárias para documentar a espécie e suas mudanças comportamentais em luz artificial.

Shreya Sharma/Mongabay-Índia

Qual é o papel dos vaga-lumes em um ecossistema?

Os genes luminescentes de vaga-lumes têm várias aplicações na medicina, testes de segurança alimentar e forense. Mais importante, no entanto, um ecossistema é composto de partes interconectadas. Cada elo da cadeia depende do outro, e a perda de cada espécie enfraquece os elos.

Plantas e animais realizam diferentes processos que afetam direta ou indiretamente outras espécies. As larvas do vaga-lume se alimentam de caracóis, lesmas, ácaros e minhocas, mantendo sua população sob controle. Um excesso desses invertebrados prejudica o crescimento da vegetação. Isso afeta a fauna que se alimenta dessa vegetação. O efeito bola de neve é ​​um grande dano ambiental. Os vaga-lumes, como outras espécies, mantêm um equilíbrio delicado no ecossistema.

Este post apareceu pela primeira vez em Mongabay-India.

Source link

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo