Cidadania

Os mercados responsabilizam as empresas por violações dos direitos humanos – Quartz

[ad_1]

As empresas que violam os direitos humanos podem ser responsabilizadas? Historicamente, a resposta costuma ser não. Apesar de muitas acusações e até acusações, muito poucas empresas multinacionais, da mineração à indústria, foram condenadas por violar os direitos humanos.

Mas as empresas operam com uma licença social implícita, juntamente com seu status corporativo legal. As violações flagrantes de direitos humanos, mesmo quando os tribunais não estão presentes para impor punições, podem ameaçar sua capacidade de fazer negócios, interrompendo o acesso das empresas aos mercados, afastando investidores, fornecedores ou clientes ou destruindo seus negócios. reputação.

Em um artigo de trabalho recente, o economista da Universidade de Oxford Nathan Lane e seus co-autores da Universidade Monash examinaram o uso desse poder na sociedade civil, avaliando como as mortes de ativistas de mineração afetaram as fortunas financeiras das empresas parceiras. com esses assassinatos. Eles mostram que é surpreendentemente poderoso.

“É realmente terrível estar publicamente ligado à morte de ativistas”, disse Lane. Esses assassinatos estão aumentando: depois de quase nenhum registro por ano no final da década de 1990, cerca de 60 assassinatos documentados de ativistas de mineração foram registrados anualmente nos últimos anos, um terço dos quais estão ligados a empresas públicas de mineração. Dez dias depois de um assassinato, Lane e seus colegas descobriram que o valor de mercado das empresas associadas caiu em uma média de cerca de US $ 100 milhões. O padrão geral de declínio persistiu por pelo menos 90 dias após o evento.

Os pesquisadores propõem que a atenção da mídia foi a principal força que puxou os preços das ações das empresas. “O padrão é robusto”, diz Lane. “A imprensa de direitos humanos mordeu … mesmo quando a probabilidade de ser formalmente responsável por atos ilegais é muito pequena.” Os autores observam que as empresas públicas estudadas podem não ter orquestrado a violência, já que muitas vezes tinham controle limitado sobre os atores locais, mas estavam publicamente vinculadas às mortes na imprensa popular e em documentos públicos.

Os pesquisadores descobriram um atraso na queda do preço das ações se a atenção da mídia fosse desviada por outras notícias, mas o efeito surgia durante os ciclos de notícias subsequentes. Lane observou os padrões de perda “surpreendentemente semelhantes” ao olhar para o preço esperado das ações de uma empresa, bem como para empresas semelhantes que não foram afetadas pelo evento.

No entanto, a questão permanece: isso realmente muda o comportamento dos negócios no longo prazo? Isso é difícil de rastrear. As empresas (e investidores) mudam seu comportamento após esses eventos, diz Lane. Os investidores institucionais sensíveis ao risco de reputação tendem a reduzir suas participações em empresas vinculadas a mudanças éticas e legais. Algumas corporações mudam de formas menos significativas, como uma mudança de nome: a mineradora agora conhecida como BHP mudou seu nome para “BHP Billiton” depois que 19 pessoas morreram quando uma barragem explodiu em uma de suas joint ventures no Brasil, dois anos antes. .

Mas Wesley Longhofer, sociólogo da Goizueta School of Business da Emory University, que não participou do estudo de Lane, afirma que ele reforça as descobertas de que a maior capacidade de influência da sociedade civil é restringir o acesso das empresas à tecnologia. mercado, ainda mais do que boicotes de clientes.

“É por isso que a cobertura da mídia se torna um mecanismo realmente importante e as questões negativas de direitos humanos afetam as empresas”, disse ele. Motins de investidores, queda no preço das ações e ameaças de litígios geram mudanças nas diretorias corporativas.

Longhofer apontou a Nike como um dos primeiros exemplos. A atenção negativa da mídia na década de 1990 levou a empresa a limpar sua cadeia de suprimentos (com resultados mistos). Mais recentemente, o trágico colapso do prédio da fábrica Rana Plaza de oito andares em 2013 matou mais de 1.000 trabalhadores, a maioria deles trabalhadores de roupas de marcas internacionais. Embora Longhofer tenha dito que a resposta não foi um sucesso retumbante – as marcas europeias e americanas estavam divididas quanto às sanções para as empresas que não adotaram as reformas – seguiu-se um esforço corporativo sem precedentes que levou a condições de trabalho mais seguras.

Mais importante, as empresas agora estão se tornando mais proativas. “As empresas têm a obrigação de respeitar os direitos humanos”, diz Longhofer. “Nos últimos 10 anos, mais empresas estão tentando desenvolver estruturas de recursos humanos que sigam os Princípios Orientadores da ONU”, uma estrutura internacional não vinculativa de 2011 que afirma que as empresas devem respeitar e proteger os direitos humanos e fornecer soluções para as partes se ocorrerem violações. Empresas como a Unilever, por exemplo, agora têm políticas extensas de direitos humanos e relatam sua conformidade com os princípios da ONU (pdf), embora com sucesso misto.

Esta “regulamentação voluntária privada” está agora se espalhando por toda a economia mundial. Em muitos países, provavelmente caberá à sociedade civil obter o efeito desejado.



[ad_2]

Fonte da Matéria

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo