Cidadania

Os hackers manipularam os resultados da pesquisa presidencial do Quênia? – Quartzo África

William Ruto pode não ter sido validamente eleito quinto presidente do Quênia porque, de acordo com petições judiciais apresentadas em Nairóbi, a tecnologia foi usada para manipular seu concorrente mais próximo, Raila Odinga.

Odinga e sua companheira de chapa Martha Karua, uma advogada experiente, alegam que o voto presidencial foi roubado cinco meses antes do dia da eleição com 19 estrangeiros e dois quenianos obtendo acesso não autorizado ao sistema de votação de TI da Comissão Eleitoral Independente e Limites (IEBC).

“Houve um esquema premeditado elaborado e fraudulento para interferir, minar e derrotar a integridade, credibilidade e segurança da eleição presidencial”, diz o depoimento.

‘IEBC participou ativamente no aparelhamento’

Karua afirma que as impressões digitais do presidente do IEBC Wafula Chebukati podem ser vistas no sistema de verificação de eleitores até 15 de agosto após a declaração do presidente eleito. “Chebukati pessoalmente estava continuamente excluindo e carregando diferentes formulários de declaração de resultados.”

Houve caos no centro nacional de contagem em Nairobi em 13 de agosto, depois que os oficiais de Odinga descobriram um laptop suspeito. Karua diz que o laptop estava no epicentro da manipulação eleitoral coordenada, pois estava conectado a uma rede externa onde os formulários de verificação de votos presidenciais eram temporariamente armazenados, baixados e depois reenviados para o portal oficial do IEBC. O dispositivo é supostamente de propriedade de Koech Geoffrey Kipngosos, um agente da Ruto.

Um documento separado do ativista anticorrupção de longa data John Githongo, que foi observador nas pesquisas, afirma em uma declaração de 22 páginas que uma equipe de 56 hackers orquestrou a manipulação dos resultados presidenciais.

De acordo com Githongo, os supervisores do esquema de manipulação incluíam o guru de tecnologia e chefe de gabinete de Ruto, Davis Chirchir, e o estrategista digital Dennis Itumbi. “Depois de receber esses dados, eles editariam o referido formulário 34A de acordo com as instruções dadas a eles por seus líderes e, em seguida, enviariam o referido formulário 34A editado para o portal IEBC”, alega.

A política partidária gerou desconfiança na tecnologia

Embora o Quênia seja considerado um centro de inovação modelo na África, ainda não confia na tecnologia para realizar suas eleições gerais. Antes do anúncio dos resultados presidenciais, houve reivindicações que um algoritmo foi inserido no sistema de verificação de eleitores para manipular os resultados e que os portais de mídia que transmitem ao vivo os resultados das eleições presidenciais foram hackeados.

Em 2017, Odinga alegou que hackers roubaram seus votos e os resultados presidenciais foram anulados pela Suprema Corte. O diretor de TIC do IEBC na época, Chris Msando, desapareceu em circunstâncias pouco claras e mais tarde foi encontrado morto. Odinga alegou que Msando foi morto por se recusar a entregar uma senha que foi usada para manipulá-lo.



Source link

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo