Cidadania

Os Estados Unidos apóiam Hong Kong e prejudicam sua luta pela liberdade – Quartzo


Nos Estados Unidos, a luta contra o coronavírus não impediu que os negros morressem injustamente. Em 25 de maio, George Floyd foi morto em Minneapolis, implorando por sua vida com um joelho de policial no pescoço. Em 13 de março, policiais mataram a EMT Breonna Taylor, que invadiu o departamento errado. Em fevereiro, o corretor Ahmaud Arbery foi morto por dois vigilantes.

Nesta semana, manifestantes anti-racistas nos Estados Unidos foram às ruas e Minneapolis prendeu um dos homens responsáveis ​​pela morte de Floyd.

Enquanto isso, em Hong Kong, a brutalidade policial prevalece enquanto Pequim se move para acabar com a relativa autonomia da ilha em relação ao domínio comunista. Território relativamente liberal é um ponto crucial na economia global, onde o capital flui entre os EUA. EUA, Europa e China Continental. A importância desse relacionamento é uma razão importante pela qual a China não se moveu mais rapidamente para assumir o controle total de Hong Kong.

Os paralelos entre a luta dos EUA pela supremacia branca e a luta dos direitos políticos de Hong Kong estão na demanda pela dignidade humana e na responsabilização dos poderosos. De fato, os paralelos entre o governo chinês e o dos Estados Unidos podem perturbar aqueles que não estão prestando atenção.

Agora, a China está apostando que a distração pandêmica do mundo permitirá anexar efetivamente Hong Kong, e espera que o Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, não corra mais risco de desestabilizar o comércio ao encerrar o tratamento único de Hong Kong. Kong sob a lei americana, que o torna um importante porto comercial e financeiro.

Sem surpresa, Trump mostrou mais preocupação com os lucros do que as pessoas. Em uma entrevista coletiva em 29 de maio, que muitos previam enfrentar a luta racial dos EUA, ele prometeu uma retaliação vaga contra a China por sua ação em Hong Kong, mas nada que pudesse impedir Pequim de desacelerar o comércio.

Na mesma semana, Trump invocou o espectro sulista de Jim Crow em tweets sobre Minneapolis, declarando que “quando a pilhagem começa, a filmagem começa”. Isso já seria ruim o suficiente em seu próprio país, mas também é um sinal para o presidente chinês Xi Jinping e para os autocratas de todo o mundo que o presidente americano aprova suas táticas brutais.

Os Estados Unidos freqüentemente ignoram as lutas sociais para buscar o crescimento econômico, seja a desigualdade nas comunidades negras ou a repressão no exterior. Mas a verdadeira globalização é baseada na ideia de que não se deve negar aos seres humanos o acesso mútuo por fronteiras artificiais. Não é uma desculpa para os líderes desviarem os olhos da opressão no exterior apenas para manter o fluxo do comércio, ou uma distração prática da discriminação estrutural contra seus próprios cidadãos.



Fonte da Matéria

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar