Cidadania

Os crimes de guerra russos contra a Ucrânia desencadearão novas sanções? — Quartzo

Novos detalhes dos crimes de guerra russos contra civis ucranianos estão pressionando a comunidade internacional a intensificar as sanções contra a Rússia.

Quase 300 civis foram enterrados em valas comuns em Bucha após a retirada das tropas russas do subúrbio de Kiev na semana passada, segundo o Wall Street Journal. No domingo, o Ministério da Defesa ucraniano também lançou um vídeo mostrando os corpos de civis na beira da estrada em Bucha. “Civis locais estavam sendo executados arbitrariamente, alguns com as mãos amarradas nas costas, seus corpos espalhados pelas ruas da cidade”, escreveu o ministério no Twitter.

O Ministério da Defesa russo chamou a evidência fotográfica e em vídeo da violência contra civis em Bucha “outro ato do regime de Kiev para a mídia ocidental”.

Um relatório da Human Rights Watch, também publicado no domingo, inclui depoimentos de soldados russos em regiões ocupadas da Ucrânia executando e estuprando civis e cometendo outros atos de violência.

Como os países ocidentais estão respondendo aos crimes de guerra russos

Crimes de guerra, como estupro, assassinato e tortura de civis, são proibidos pelas Convenções de Genebra de 1949, que se aplicam tanto à Rússia quanto à Ucrânia. A União Europeia, assim como os EUA, Reino Unido e outros países, acusaram a Rússia de cometer crimes de guerra no mês passado. Mas as últimas revelações provocaram uma nova rodada de condenações de governos que prometeram mais sanções contra a Rússia.

No domingo, a ministra alemã das Relações Exteriores, Annalena Baerbock, escreveu em Twitter“Os responsáveis ​​por esses crimes de guerra devem ser responsabilizados. Vamos reforçar as sanções contra a Rússia e ajudar ainda mais a Ucrânia a se defender.”

A secretária de Relações Exteriores do Reino Unido, Liz Truss, disse em um comunicado no domingo que os “ataques indiscriminados contra civis inocentes durante a invasão ilegal e injustificada da Ucrânia pela Rússia devem ser investigados como crimes de guerra”. treliça também postado no Twitter no domingo que ele conversou com sua colega canadense, a ministra das Relações Exteriores, Melanie Joy, sobre a necessidade de sanções mais duras contra a Rússia. “A dependência energética da Rússia deve acabar para cortar o financiamento da máquina de guerra de Putin”, escreveu ele.

Muitos governos internacionais, incluindo o Países Baixos e Finlândia, também expressou apoio ao Tribunal Penal Internacional, que já está investigando crimes de guerra russos contra a Ucrânia, coletando novas evidências de atrocidades no terreno. O secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, disse em entrevista à CNN no domingo que a Rússia deve ser responsabilizada, um sentimento ecoado pelo presidente francês Emmanuel Macron.

A UE vai aderir ao embargo petrolífero da Rússia?

Uma questão iminente é como serão as sanções mais duras contra a Rússia. Países como os EUA e o Reino Unido já impuseram embargos ao petróleo, gás e carvão russos. A Polônia anunciou planos de parar de importar petróleo bruto russo até o final de 2022. E a Lituânia no domingo se tornou o primeiro país membro da UE a interromper as importações domésticas de petróleo russo. “Se podemos fazer isso, o resto da Europa também pode”, disse o presidente lituano Gitanas Nauseda no sábado.

Conseguir a adesão de toda a Europa com esse tipo de proibição imediata tem sido difícil, dada a forte dependência da região da energia russa. O comissário econômico da UE disse no sábado que, enquanto o bloco está trabalhando em novas sanções, “quaisquer medidas adicionais não afetarão o setor de energia”, segundo a Reuters. O chanceler alemão Olaf Scholz disse no final de março que um embargo imediato ao petróleo russo “de um dia para o outro significaria mergulhar nosso país e toda a Europa em uma recessão”.

A Alemanha também disse que está trabalhando para reduzir rapidamente sua dependência das importações russas de petróleo. Isso não é rápido o suficiente, de acordo com o prefeito de Kiev, Vitali Klitschko. “Nenhum centavo a mais deve ir para a Rússia”, disse Klitschko em entrevista ao tablóide alemão Bild, informou o Journal. “Isso é dinheiro de sangue que está sendo usado para massacrar pessoas.”

Agora a maré pode estar mudando, tanto para a Alemanha quanto para a UE em geral. A ministra da Defesa alemã, Christine Lambrecht disse no domingo que o bloco deve agora levantar novamente a questão de parar as importações de petróleo russo, dada a notícia de Bucha. “Esses crimes não podem ficar sem resposta”, disse ele.



Source link

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo