Cidadania

Os banqueiros podem resolver seu problema climático de dentro? — Quartzo

Os grandes bancos têm um problema de mudança climática. Embora a maioria tenha metas de descarbonização de longo prazo, muito poucos estão dispostos a restringir seus negócios com clientes de alto carbono. Globalmente, os bancos emprestaram US$ 4,6 trilhões para a indústria de combustíveis fósseis desde 2016.

Mas há banqueiros tentando orientar seus empregadores para um futuro com menos carbono.

Uma delas é Carlotta Giacche. Como Diretora de Financiamento de Projetos do NORD/LB Bank em Londres, seu trabalho é avaliar propostas de empréstimos para projetos de infraestrutura, incluindo a construção de escolas, hospitais e data centers. No ano passado, ela começou a pedir a clientes em potencial que compartilhassem dados relacionados aos impactos ambientais das propostas e conseguiu usar essas solicitações para fazer com que os clientes medissem e considerassem os impactos que poderiam ter deixado de lado.

Parecia progresso, mas havia um problema. Cada um dos diferentes escritórios de crédito NORD/LB tinha sua própria abordagem para solicitar e avaliar dados ambientais, sociais e de governança (ESG) de clientes, criando o risco de inconsistências, redundâncias e pontos cegos. Então, Giacché apresentou a seus chefes uma solução: liderar uma equipe de voluntários ESG com representantes de todo o banco que poderiam treinar colegas sobre questões ESG, resolver casos complicados e desenvolver protocolos padrão.

“Acho que as pessoas não percebem como estamos ferrados, e se você não está comprometido com o clima e o ESG e não os discute diariamente, é fácil olhar para o outro lado”, diz ele.

Depois que a equipe foi formada em maio, Giacché percebeu que muitos de seus colegas não queriam olhar para o outro lado. A demanda pelos serviços do esquadrão já é alta, diz ele: “Muita gente entra em contato conosco”.

Um bootcamp para banqueiros socialmente conscientes

Giacché foi recentemente um dos 23 funcionários de diferentes bancos dos EUA, Europa, Índia e África que participaram da primeira sessão de um curso intensivo de seis meses sobre clima para banqueiros, organizado pela organização sem fins lucrativos Finance Innovation Lab (FIL). do Reino Unido. O programa, que terminou em março, tinha como objetivo nutrir um corpo de defensores do clima nas fileiras intermediárias dos principais bancos. Os bolsistas participantes incluíram funcionários dos principais financiadores de combustíveis fósseis, como Citi, Barclays e HSBC, que juntos aprenderam sobre o risco climático para o setor financeiro e discutiram maneiras de acelerar e melhorar a forma como os bancos o gerenciam.

“Há muita gente pressionando os bancos do exterior para se livrar dos combustíveis fósseis e investir na transição energética, incluindo reguladores, ativistas e investidores”, diz Lydia Hascott, especialista em estratégia organizacional da FIL que liderou o programa. “Mas não há tantas pessoas olhando para os funcionários lá dentro. Em última análise, são eles que devem definir uma meta de zero líquido e alcançá-la.”

Há sinais de que em algumas empresas será uma batalha difícil

O público teve uma visão rara e não filtrada do pensamento de curto prazo e das prioridades equivocadas de alguns líderes bancários em maio, quando um executivo sênior do HSBC disse que “a mudança climática não é um risco financeiro com o qual precisamos nos preocupar”. além do prazo de um empréstimo típico. O executivo foi suspenso, embora sua visão sobre o risco climático não seja incomum em Wall Street.

O antídoto, diz Hascott, é mudar a cultura corporativa espalhando a ação climática entre os funcionários do banco, de modo que não seja um mandato misterioso da diretoria ou uma questão de marketing, mas algo que todos na organização se sintam equipados. e com poderes para trabalhar e lucrar.

Em entrevistas, seis ex-alunos do programa da FIL descreveram uma combinação de aula universitária, brainstorming gratuito e sessão de terapia em grupo, em que o obstáculo mais comum, como o que Giacché enfrentou, é uma sensação de isolamento dos colegas. conhecimento institucional sobre como usar uma lente climática para encontrar oportunidades de negócios impactantes escondidas em cantos escuros.

“O primordial [bankers in the program] querem que estranhos saibam é: ‘Nós existimos’. Não somos todos banqueiros famintos por dinheiro e caçadores de bônus que querem aumentar os lucros a todo custo’”, diz Hascott.

Treinando os céticos

Clare Martin do NatWest já estava transmitindo essa mensagem quando começou o show da FIL. Desde abril de 2021, ele é responsável por elaborar um currículo interno de treinamento climático. Leva a equipe através da ciência climática básica, como isso se traduz em risco para um banco, como medir e analisar dados relacionados a ESG e como a meta climática de alto nível do banco (reduzir as emissões financiadas pela metade até 2030) se aplica. diferentes departamentos Em abril de 2022, contratou um grupo de professores de negócios sustentáveis ​​da Universidade de Edimburgo, com o objetivo de treinar 16.000 funcionários do NatWest até 2025.

Quando os professores apareceram pela primeira vez, ele diz, eles “realmente notaram os céticos e a descrença de que os bancos realmente fariam qualquer coisa” sobre as mudanças climáticas. Mas muitas mentes mudaram rapidamente, mesmo com um nível introdutório de treinamento, diz ela.

Um dos principais projetos de Martin agora é identificar quem mais no banco deve fazer o treinamento, essencialmente criando uma lista de funções relacionadas ao clima. “Trata-se de construir a confiança das pessoas para fazer as perguntas certas e agir”, diz ele.

Lucy Ellis-Keeler, funcionária em início de carreira no Citi que trabalha em conformidade regulatória, diz que a ascensão do clima como um tema quente dentro dos bancos abriu oportunidades para funcionários mais jovens falarem diretamente com funcionários seniores. .

“Os bancos estão ficando muito mais lisos. Definitivamente, há espaço para discutir o que você está fazendo sobre o clima”, diz ela. “E há vontade de colaborar, porque não é algo que possamos resolver individualmente.”

“O risco de greenwashing está muito presente no radar”

Um dos principais benefícios do programa FIL, segundo vários participantes, foi a garantia de que nenhum banco desvendou a fórmula secreta da ambição climática, e que a maioria ainda está numa fase inicial de cálculo dos riscos e oportunidades que apresenta. clima. impactos e a transição para energias limpas.

“Tudo é novo”, diz Sophie Dupré-Echeverria, diretora de risco da A ala de gestão de ativos do Gulf International Bank. “As pessoas estão se tornando mais conscientes do risco climático, mas ainda há muitas preocupações sobre o que podemos realmente prever e quão boas são nossas estimativas”.

Deficiências crônicas em dados meteorológicos confiáveis ​​de clientes, limitações sobre o que os bancos podem fazer para pressionar seus clientes mais intensivos em carbono antes de romper completamente os laços (e correr o risco de perder negócios significativos no curto prazo) e A incerteza inerente à previsão do tempo levou muitos bancos a seja cauteloso, talvez em excesso, ao estabelecer metas climáticas ousadas, para que não fiquem aquém.

“O risco de greenwashing está muito presente no radar de instituições como a nossa”, diz Dupré-Echeverria. “Precisamos ser capazes de respaldar isso.”

Aguardando novas regras sobre divulgação do clima de negócios

Os bancos devem aproveitar a questão dos dados assim que os reguladores dos EUA finalizarem novas regras para divulgações climáticas corporativas. Alguns economistas argumentam que os reguladores deveriam exigir que os bancos mantenham mais dinheiro em reserva cada vez que fizerem um empréstimo de alto carbono, o que poderia incentivar banqueiros individuais a favorecer investimentos de baixo carbono. Os bancos também podem adotar preços internos de carbono (pdf) para obter um resultado semelhante.

Enquanto isso, a mudança cultural está lentamente se infiltrando nas fileiras. Dupré-Echeverria diz que recentemente convidou um grupo de ativistas climáticos para se reunir com os gestores de ativos de seu banco para discutir a votação por procuração de “opinião climática”. Os ativistas argumentaram que os gestores de ativos deveriam apoiar todos os planos climáticos corporativos colocados em votação, diz ela, mas os gestores de ativos queriam estabelecer um padrão mais alto. “Não queremos colocar nosso nome em uma transição climática na qual realmente não acreditamos”, explica ele.

A disseminação dessa atitude em mais bancos pode ser uma das mudanças mais importantes necessárias para descarbonizar a economia global.

“Há quatro anos, eu não pensaria que o setor bancário tivesse alguma solução para as mudanças climáticas”, diz Steve Hamilton, participante do programa FIL, que dirige design gráfico no Ponce Bank em Nova York e é novo no setor. “Agora, como especialista, acho que o setor bancário pode ser uma das maiores alavancas de mudança.”

Source link

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo