Cidadania

Onde está a lacuna no financiamento para start-ups africanas? – Quartzo África

O maior avanço tecnológico africano de 2021 foi que está ficando mais fácil para as startups fecharem rodadas de financiamento de US$ 100 milhões, como Wave, MFS Africa, TradeDepot e cerca de oito outras fizeram. A tendência continuou este ano com InstaDeep, PalmPay, Flutterwave, Moove e Wasoko (anteriormente chamado Sokowatch).

Em meio a conversas sobre uma desaceleração global na atividade de capital de risco, as startups africanas arrecadaram mais em cada um dos primeiros cinco meses deste ano do que nos mesmos meses dos últimos quatro anos (graças às mega rodadas de Wasoko e outros). Os EUA e a Ásia experimentaram quedas no primeiro trimestre deste ano em relação ao anterior.

Mas um novo relatório sugere que, apesar do boom no financiamento para startups de rápido crescimento, os investidores de olho na África devem tentar preencher a lacuna entre a semente e os estágios posteriores.

O meio suave no financiamento de start-ups africanas

Produzido pela Endeavor Nigéria (uma ramificação da Endeavour, a organização global de apoio ao empreendedorismo) em colaboração com a McKinsey and Company, o relatório (pdf) argumenta que o forte crescimento nos gastos do consumidor, migração rural-urbana e penetração digital estão atuando como fortes pilares para A nascente economia digital da África.

O investimento de capital de risco na África também cresceu, de US$ 277 milhões em 2015 para US$ 5,2 bilhões no ano passado. A colaboração entre empresas estrangeiras (Y Combinator, Tiger Global, Softbank, Visa) e investidores locais (TLcom Capital, CRE Ventures, Future Africa, Kepple Africa Ventures) impulsionou esse crescimento.

Mas não basta que o dinheiro flua para o continente. Também importa para onde você está indo.

A atividade de investimento em 2021 reforçou dois padrões. Primeiro, 80% dos 681 negócios foram para startups em estágio inicial que levantaram entre US$ 200.000 e US$ 5 milhões. Então, na última etapa da escala (mais de US$ 50 milhões), houve menos investimentos (21), mas aqueles receberam cheques de uma média de US$ 140 milhões. O resultado é que em algum lugar no meio está um meio-termo de startups carentes cujas necessidades variam de US$ 5 milhões a US$ 50 milhões, mostra o relatório da Endeavor Nigeria.

Da fase seed à série A, o número de investimentos em startups africanas caiu 84% no ano passado, mostra o relatório (citando dados da Crunchbase). A diferença de investimentos entre as duas etapas em outras regiões é menor: 37% nos EUA, 70% no Sudeste Asiático e 66% na Europa.

Gap pode conter oportunidades ‘não consensuais’

Certamente, os investidores tendem a evitar as startups mezanino porque estão em um estágio marcado pela incerteza sobre o ajuste do produto e do mercado. É mais fácil para um investidor apostar pequenos cheques em startups em estágio inicial (ou mesmo ideias) ou apostar alto em empresas estáveis ​​e de rápido crescimento.

Mas o meio é “onde vemos uma oportunidade, porque muitas vezes é onde você pode encontrar uma grande empresa a um ótimo preço antes que ela se acelere e se torne óbvia”, disse Derin Adebayo, que lidera a unidade de Acesso ao Capital da equipe. Citando um princípio de inversão, ele diz que a chave é não ter consenso e estar certo.

E o argumento para que os investidores arrisquem é que a economia digital da África, que deve atingir US$ 712 bilhões em 2050, está em um ponto de inflexão, acelerado pelo impacto da covid-19 no mundo. oferta. de desenvolvedores de software e outros talentos de tecnologia na Nigéria, Quênia, Egito e África do Sul.

Parte do que o relatório defende já está acontecendo. Por exemplo, cada uma das 4 rodadas que a Tiger Global liderou para negócios de startups africanas este ano (Float (Gana), Bamboo (Nigéria), Union54 (Zâmbia), JABU (Namíbia)) foi de cerca de US$ 15 milhões.

Mas Tosin Faniro-Dada, CEO da Endeavor Nigéria, diz que isso não precisa ser deixado para grandes investidores como a Tiger Global. “Sentei-me com pessoas que nunca estiveram na África, mas têm fundos para investir. Muitos ainda não têm contexto na África.”

Source link

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo