Cidadania

O que vem a seguir para cidades inteligentes — A previsão — Quartz

Davos retorna no final deste mês. Acompanhe nosso e-mail pop-up Necessário saber: Davos.

Olá membros do quartzo,

Quando você viajou para o trabalho esta semana, é provável que não tenha chegado em um carro voador. Quando você pediu um café em sua cafeteria local, o barista que anotou seu pedido não era um andróide hiper-realista.

Grande parte da tecnologia prometida nas descrições de ficção científica de “cidades futuras” ainda não foi realizada, mas as paisagens urbanas continuam a ser telas para a inovação tecnológica e transformaram fundamentalmente nossas paisagens urbanas. As caronas compartilhadas revolucionaram a forma como nos locomovemos; A internet pública 5G está tornando as cidades mais conectadas do que nunca; No mês passado, a Coreia do Sul divulgou um plano para uma cidade flutuante inteira, construída para resistir ao aumento do nível do mar.

Nos últimos anos, planejadores urbanos e líderes governamentais adotaram novas tecnologias por meio do conceito de “cidade inteligente”, a ideia de que uma ampla gama de ferramentas digitais pode ser usada para coletar dados e conectar os sistemas da cidade, permitindo que funcionem com mais eficiência. Mais de uma década depois, no entanto, o movimento da cidade inteligente ficou aquém de muitas de suas promessas e foi criticado pela forma como compromete a privacidade.

Dado o rápido ritmo de mudança que as cidades já experimentaram, como serão as cidades de amanhã de forma realista? É claro que nem todas as cidades avançarão na mesma proporção. Lugares que já fazem parte de economias ricas e desenvolvidas estarão mais bem posicionados para aproveitar a tecnologia emergente, enquanto outros serão deixados para trás. Ainda assim, a tecnologia sem dúvida mudará a aparência e o funcionamento das cidades. Aqui estão quatro áreas a serem observadas.

🔮 #1: Um tipo melhor de construção

Os ambientes urbanos construídos cobrem apenas 3% da superfície da Terra, mas respondem por quase 40% das emissões globais de gases de efeito estufa. No futuro, terão de ser muito mais sustentáveis ​​e, ao mesmo tempo, mais acessíveis e versáteis do que são hoje.

Tomemos, por exemplo, a icônica torre de escritórios de vidro e aço que pontilha os horizontes das cidades ao redor do mundo hoje. No futuro, esse edifício poderá ser feito de um material mais ecológico, como madeira maciça, em vez de aço e concreto. Talvez, além de ter painéis solares no telhado, fachadas inteiras também capturem energia solar. Todos os seus sistemas de aquecimento e refrigeração serão alimentados por eletricidade conectada a uma rede de energia renovável, e toda a eletricidade do edifício será gerenciada por um sistema de controle central que mudará automaticamente o uso de energia para ser o mais eficiente possível. E talvez essa torre não apenas abrigue escritórios, mas também inclua espaços residenciais e imobiliários. Talvez permitir que o mesmo grupo de moradores da cidade viva, trabalhe e se divirta no mesmo espaço.

A criação de edifícios tão complexos e dinâmicos exigirá uma reformulação completa do processo de construção nas cidades, do projeto à construção e operação, explica Bill Ruh, CEO da Lendlease Digital. A empresa faz parte de uma empresa imobiliária internacional que cria software digital para agilizar a cadeia de fornecimento de imóveis.

“Teremos que encontrar maneiras de avançar para uma construção mais eficiente, porque simplesmente não teremos a mão de obra para fazê-lo do jeito que estamos fazendo. Acho que o risco de desacelerar é grande.”

Ruh vê um papel para as tecnologias digitais, como aprendizado de máquina e construção modular, desempenharem um papel na automação do projeto e da operação de edifícios, para que edifícios “mais inteligentes” possam ser construídos mais rapidamente e com menor custo.

“Veremos ferramentas de análise e IA muito mais avançadas no front-end para desenvolvedores, e veremos fornecedores migrando para uma abordagem de construção de ‘Lego brick’. Eles terão que descobrir como as diferentes peças se encaixam para que possam ser construídas de maneira mais rápida e sustentável”, diz Ruh.

🔮 #2: Sensores em tudo, não em todos

No centro da ideia de uma cidade inteligente está uma rede de sensores, câmeras e dispositivos interconectados que coletam e analisam constantemente dados em uma série de métricas – uma Internet das Coisas, se você preferir.

A tecnologia IoT é usada nas cidades há anos, mas as pessoas começaram a se perguntar quais dados estavam sendo coletados e para quais finalidades. Tecnologias como monitoramento de tráfego, software de reconhecimento facial e rastreamento de localização foram criticadas por serem usadas como ferramentas de vigilância e violar direitos de privacidade.

Mas agora está em andamento uma mudança entre os estudiosos de planejamento urbano para incentivar as cidades a passar do monitoramento de pessoas para sistemas de monitoramento. As cidades começaram a usar sensores e robótica para medir e controlar coisas como qualidade do ar, esgoto, inundações e iluminação pública.

No futuro, os sensores terão um papel ainda maior no monitoramento do ambiente construído. As cidades usarão cada vez mais a visão computacional e a inteligência artificial para avaliar a condição de estradas, pontes e bueiros para acelerar os reparos. Os sensores serão usados ​​para gerenciamento de resíduos, controle de poluição sonora e até prevenção de colisões de trens.

“O que você mede importa”, diz Mike Bloomberg, pesquisador de tecnologia urbana da Cornell Tech, parte da Cornell University (sem relação com o ex-prefeito de Nova York). “Estamos muito focados em coletar dados sobre pessoas e, em vez disso, devemos reduzir a quantidade de dados sobre pessoas e aumentar massivamente a quantidade de dados que coletamos na infraestrutura física”.

Interlúdio de classificações

Onde estão as cidades “mais inteligentes” hoje? Pesquisadores da Universidade de Tecnologia e Design de Cingapura e do Instituto Internacional de Desenvolvimento Gerencial se uniram para criar um índice de 118 “cidades inteligentes” em todo o mundo. Usando dados de pesquisas de moradores, os pesquisadores classificaram as cidades com base na força de suas instituições e estruturas, como mobilidade, segurança e governança, bem como no grau em que as tecnologias foram integradas a todas essas áreas para torná-las mais acessíveis e eficiente de usar. residentes. Aqui estão as 10 cidades mais inteligentes para 2021:

Um ranking de cidades inteligentes coloca Sinapur em primeiro lugar, seguida por Zurique e Oslo.

Direitos autorais da imagem: Quartzo

🔮 #3: Entrega autônoma

Um robô de entrega faz uma viagem em Cingapura.

Direitos autorais da imagem: REUTERS/Edgar Su

Um robô de entrega faz uma viagem em Cingapura em 2021.

A forma como as pessoas se locomovem nas cidades continuará mudando, incluindo mais veículos elétricos, menos veículos nos centros das cidades, mais serviços de compartilhamento de viagens e mais opções de “micromobilidade”, como scooters.

Mas a maior mudança no transporte urbano se concentrará no movimento de mercadorias, não de pessoas. Se o boom do comércio eletrônico continuar, como esperam os analistas do setor de varejo, cidades e empresas precisarão criar novas soluções para armazenamento, atendimento e entrega em espaços urbanos. As cidades precisarão adotar veículos de entrega de última milha que não queimam combustíveis fósseis, como drones e bicicletas elétricas de carga. Anthony Townsend, urbanista e autor do livro Cidades inteligentes acredita que a entrega de pacotes é um dos melhores candidatos para veículos autônomos.

“A automação é mais fácil de fazer quando as pessoas não estão envolvidas. Ele não precisa manter os passageiros seguros, pode operar em velocidades muito mais baixas e pode operar em uma parte menor da rede rodoviária”, diz Townsend.

A Fujisawa Smart Sustainable Town, uma área designada de cidade inteligente na cidade de Fujisawa, no Japão, já experimentou robôs de entrega autônomos. Em uma escala maior, as transportadoras de carga estão explorando a tecnologia AV para caminhões autônomos para transportar grandes quantidades de carga por longas distâncias.

🔮 #4: A cidade virtual

Mais e mais funções da cidade serão movidas para o online e para a gama de tecnologias virtuais conhecidas como metaverso. Seul, na Coreia do Sul, tornou-se o primeiro governo municipal a desenvolver sua própria plataforma metaverso em 2021, onde planeja sediar uma variedade de funções municipais, incluindo uma prefeitura virtual e uma série de eventos culturais. O governo da Catalunha, na Espanha, também anunciou seu próprio metaverso, para ser usado principalmente por empresas.

Como seus equivalentes de alta tecnologia, esses “metaversos municipais” ainda não têm muitas aplicações e provavelmente nunca substituirão totalmente as cidades físicas para a maioria das pessoas. Neste ponto, eles são mais uma ferramenta de divulgação para os governos municipais, para se conectar com os moradores e atrair turismo e negócios.

Uma ferramenta virtual mais funcional para muitas outras cidades é a tecnologia de gêmeos digitais. É um software que cria uma réplica digital da geografia de uma cidade inteira, incluindo edifícios, estradas e infraestrutura subterrânea, como esgotos e metrôs, recriados com precisão nos mínimos detalhes e atualizados com mudanças em tempo real.

Mesmo que seja algo que o morador típico da cidade nunca vê, os gêmeos digitais podem ser inestimáveis ​​para os planejadores urbanos porque permitem que as cidades modelem projetos de infraestrutura, construção de edifícios e outras mudanças no ambiente construído. S avalie seus impactos no mundo real, tudo antes de começar a construir. Vai mudar a forma como as cidades são construídas, de acordo com Mike Bloomberg.

“Os gêmeos digitais não se tratam apenas de visualizar objetos no espaço virtual, mas de entender os pontos de dados associados a ele, o que é muito mais difícil de fazer”, diz Bloomberg. “Pode economizar trilhões de dólares em custos de infraestrutura e ajudar a evitar catástrofes como desmoronamentos de prédios.”

Continue aprendendo

O que espera os prédios de escritórios vazios no centro da cidade? (Quartzo)

Tendências de conectividade para cidades inteligentes (Smart Cities World)

A proibição do gás natural na cidade de Nova York é um marco importante para a política climática da cidade (Quartz)

Como as cidades usam gêmeos digitais como um SimCity para formuladores de políticas (Bloomberg CityLab)

O prêmio mais prestigiado da arquitetura homenageia o gênio dos edifícios sustentáveis ​​na África (Quartz)

O futuro da entrega de última milha inclui drones (FreightWaves)

📣 desligue o som

Qual tendência na tecnologia da cidade você está mais animado?

edifícios autônomos

entrega autônoma

sensores em tudo

cidades virtuais

Na semana passada, 41% de vocês disseram que mais pesquisas eram necessárias antes de liberar insetos geneticamente modificados. Melhor prevenir do que remediar.

Que tenha uma boa semana,

Camille Squires, repórter de cidades (ainda esperando por hoverboards)

UMA 💸 COISA

O prefeito de Miami, Francis Suarez, está otimista em relação a uma tecnologia diferente: blockchain. Está apoiando uma criptomoeda específica da cidade chamada MiamiCoin. Especialistas em tecnologia da cidade acreditam que há uma série de possibilidades interessantes para o blockchain melhorar a segurança e a transparência da tecnologia de cidade inteligente, redes IoT e cartões de identificação digitais. Mas criptomoedas? Não tanto. “Toda a energia agora está indo para a criptomoeda”, diz Anthony Townsend. “O que é lamentável, porque é apenas uma aposta.”

Source link

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo