Cidadania

O novo esquema de pay-per-stream do Spotify é complicado? – quartzo


Spotify tem uma nova política polêmica.

Ontem, a gigante sueca de streaming de música anunciou que permitiria que artistas e gravadoras pagassem para dar a uma música um impulso em seu algoritmo de recomendação. Mas, em vez de pagar em dinheiro diretamente por essa amplificação, os criadores de música receberiam menos dinheiro pelas transmissões da música promovida, ou o que a empresa chama de “taxa de royalties da gravação promocional”.

O Spotify diz que o novo show é um experimento e não especificou exatamente o quanto mais baixo a taxa de transmissão seria para as músicas promovidas. A empresa observa que a promoção será apenas um dos muitos fatores que levarão à recomendação de uma música, e o programa fará parte apenas dos formatos de rádio e reprodução automática (ou seja, músicas que tocam automaticamente após o término de um álbum ou lista de reprodução, como “RapCaviar” e “Maiores sucessos do dia”). Ainda não fará parte do “Discover Weekly” ou do “Daily Mix” do Spotify, as listas de reprodução individualizadas mais desejáveis. Todos que ouvirem as músicas promovidas no rádio e na reprodução automática receberão a taxa de pagamento normal. Se uma música promovida não tiver sucesso com os ouvintes, o algoritmo irá parar de recomendá-la.

Spotify afirma que a dependência do novo programa de royalties reduzidos, ao invés de pagamentos diretos, o torna “acessível aos artistas em qualquer estágio de suas carreiras”. Em outras palavras, não beneficiará apenas os artistas com mais dinheiro.

Muitos músicos não acreditam, chamando o show de uma nova versão de “payola”, a prática ilegal de pagar o dinheiro das rádios para tocar certas músicas a fim de transformá-las em sucessos. “Esta é uma forma de pagamento ou postagem patrocinada nas redes sociais”, disse o cantor, compositor e defensor dos direitos dos músicos, David Lowery. “Não é necessariamente ilegal, mas as faixas devem ser rotuladas.”

O YouTuber e o compositor Adam Neely chama o programa de “payola, mas muito pior”. (O Spotify não respondeu imediatamente às perguntas sobre se as músicas promovidas seriam marcadas. Esta história será atualizada se o Spotify responder.)

A maneira como você vê esse programa, de certa forma, se resume em como você vê a publicidade.

Do ponto de vista do economista, a propaganda é, mais importante, uma forma de expor as pessoas a um novo produto. Por exemplo, um novo artista pode sentir que tem uma ótima música nova, mas não foi capaz de mostrá-la a muitos ouvintes. Infelizmente para o artista, o algoritmo do Spotify não recomendou a música com muita frequência porque poucas pessoas a ouviram e ela não compartilha características sonoras com muitas outras músicas (dois fatores importantes que influenciam a recomendação). O novo show dá ao artista uma chance melhor de conseguir um público. Se o artista estiver certo sobre o apelo de sua música, ele terá conquistado novos fãs e as pessoas escolherão ouvi-lo de forma independente. O Spotify ganha mais dinheiro e o artista se beneficia. Uma win-win.

Um crítico do programa pode perguntar: se o Spotify realmente quer ajudar os artistas, por que eles não perguntam quais músicas são prioritárias e as promovem, em vez de fazê-los pagar por esse privilégio? Novamente, a teoria econômica sugere que o pagamento pode não ser uma ferramenta irracional para identificar canções promissoras. Pagar por publicidade é, na verdade, um sinal de que um produto é de alta qualidade, de acordo com alguns modelos baratos. Se alguém está disposto a desistir de dinheiro para convencê-lo a experimentar o novo produto, esse vendedor provavelmente pensa que tem um produto que vai adorar e que pode transformá-lo em um cliente recorrente. No caso do novo programa Spotify, aceitar um pagamento de streaming menor para a promoção é um sinal de que um artista realmente acredita em uma música e que algo está faltando no algoritmo.

No entanto, essa é a imagem mais otimista possível. O programa também pode ser visto como uma forma de o Spotify lucrar com o desejo das grandes gravadoras de absorver todas as transmissões e consolidar seu status no mercado. Sabemos que empresas como a Coca-Cola e a Pepsi, que vendem produtos familiares, gastam bilhões em publicidade a cada ano. Esse gasto visa garantir que os gigantes mantenham seu domínio sobre os recém-chegados. Grandes gravadoras como a Sony e a Universal podem se dar ao luxo de aumentar as canções de seus artistas, enquanto os independentes mal conseguem sobreviver com os insignificantes royalties que o Spotify paga atualmente; os artistas recebem entre US $ 0,003 e US $ 0,005 por transmissão, de acordo com a Digital Music News.





Fonte da Matéria

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar