Cidadania

O mercado global de petróleo ignora o engarrafamento do Canal de Suez, por enquanto – Quartzo

[ad_1]

Quando o Sempre dado, um navio porta-contêineres de 400 pés encalhou no Canal de Suez em 23 de março, obstruindo uma movimentada rota de transporte para o comércio global de petróleo e gás. Dez por cento do comércio mundial de petróleo por via marítima, mais um grande volume de gás natural liquefeito (GNL) e petróleo, navegam pelo canal diariamente, principalmente entregando derivados do Oriente Médio para refinarias e distribuidores na Europa. Agora, pelo menos 16 caminhões-tanque de combustível fóssil estão presos no congestionamento, de acordo com a empresa de análise de mercado de energia Wood Mackenzie.

Em tempos normais, esse tipo de suporte faria os preços do petróleo dispararem. Mas, na maior parte da semana, o efeito foi silenciado. As restrições de viagens relacionadas à pandemia e ao lento lançamento de vacinas na Europa diminuíram a demanda por petróleo e provaram ser um fator maior do que o congestionamento do canal. Mas, à medida que o atraso se arrastava, a pressão aumentava: no final de 25 de março, os preços do petróleo estavam subindo lentamente.

“Hoje o mercado voltou a subir, pois os comerciantes, com uma mudança de atitude, decidiram que o bloqueio do Canal de Suez está se tornando mais importante para os fluxos de petróleo e entregas de abastecimento do que haviam concluído”, disse Paola Rodríguez Masiu, vice-presidente da mercados de petróleo na empresa de pesquisa Rystad. Energia, escreveu em uma nota de 26 de março.

Alguns vencedores estão saindo da reserva. A principal delas é a Rússia, que poderia atrair clientes para suas operações de petróleo e gás no Mar Negro entre as refinarias de petróleo europeias e importadores de GNL (embora com temperaturas mais quentes no hemisfério norte, os próximos meses são a baixa temporada para GNL). “A Rússia é definitivamente o país que não tem pressa em ver o bloqueio resolvido”, disse Carlos Torres Díaz, chefe de mercados de gás da Rystad, em nota.

Mas outros estão sentindo pressa. Os fabricantes de plásticos na Ásia poderão em breve ver um aumento no preço das matérias-primas petroquímicas, como a nafta, disse o analista da Wood Mackenzie, Mark Williams, em uma nota. 20% da nafta da Ásia, um precursor do benzeno e de outros produtos químicos plásticos importantes, é proveniente do Canal de Suez.

Pode demorar semanas antes Sempre dado ele é liberado e o tráfego é restaurado, disse um funcionário da empresa de salvamento que trabalhava no incidente em 25 de março. No dia seguinte, uma autoridade egípcia disse que o canal poderia ser aberto até o final do fim de semana. Se o gargalo for eliminado em breve, o mercado mundial de petróleo não enfrentará grandes faltas ou interrupções. Alguns navios já estão optando pela rota mais longa, arriscada e cara ao redor do Cabo da Boa Esperança, no extremo sul da África, estendendo viagens de 10 a 12 dias. Outra opção é movimentar o petróleo pelo gasoduto Sumed, que corre adjacente ao canal e tem espaço de sobra, embora essa opção também acarrete custos adicionais.

É uma aposta arriscada para as companhias de navegação, como escolher a pista certa em uma rodovia congestionada – se o congestionamento puder ser eliminado na próxima semana, faria mais sentido esperar.

[ad_2]

Fonte da Matéria

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo