Cidadania

O Kwacha da Zâmbia é o melhor jogador do mundo contra o dólar — Quartz Africa

Quando assumiu o cargo há quase um ano, o novo presidente da Zâmbia foi ridicularizado por céticos que o chamavam de “o cara da calculadora” por seu forte foco na economia e sua formação como contador.

Olhando para trás agora, fica claro que essas eram as habilidades exatas que a Zâmbia precisava para sair do caos econômico em que se encontrava na época, tornando-se o primeiro país africano a entrar em default durante a pandemia. Desde que assumiu a presidência em agosto do ano passado, Hakainde Hichilema conduziu a economia para a estabilidade.

O kwacha da Zâmbia é a moeda com melhor desempenho do mundo em relação ao dólar americano, subindo mais de 18,5% de 22 de janeiro a 1º de setembro.

Enquanto seus pares continentais África do Sul, Zimbábue, Nigéria, Gana e Quênia não conseguiram controlar o aumento da inflação e a queda das moedas, o governo de Hichilema conseguiu reduzir a taxa de inflação de 24,4% em agosto de 2021 para 9,7% em junho deste ano.

economia zambiana

Qual poderia ser o segredo da Zâmbia para brilhar em áreas econômicas onde quase todos os países do mundo estão lutando? Uma série de medidas monetárias e fiscais, de acordo com o Centro de Monitoramento e Pesquisa de Políticas em Lusaka, a capital.

Quando o comitê de política monetária do governo se reuniu em novembro passado, decidiu “aumentar a taxa de política monetária em 50 pontos base para 9%”. A taxa permanece inalterada até agora. O objetivo final é reduzir a inflação para entre 6% e 8% até meados de 2023 e um declínio na inflação foi alcançado quando ela se reuniu novamente em maio de 2022.

Para apoiar a agricultura e a pecuária, o governo também eliminou a taxa alfandegária de 5% sobre a pecuária importada e a criação de frangos. A taxa de aumento dos preços dos alimentos passou de 12% em julho para 11,3% em agosto.

No entanto, os desafios ainda prevalecem no setor de mineração, que contribui com 10% do PIB do país.

Reestruturação da dívida da Zâmbia

Um acordo com o Fundo Monetário Internacional (FMI) para reestruturar a dívida da Zâmbia, um pacote de resgate de US$ 1,4 bilhão tornou o kwacha mais forte em relação ao dólar americano e ajudou a conter a taxa em que os preços estavam subindo devido a interrupções na cadeia de suprimentos decorrentes da guerra na Ucrânia e os estragos causados ​​pela pandemia de covid-19. O conselho do FMI aprovou um empréstimo de US$ 1,3 bilhão em 38 meses para a Zâmbia em 31 de agosto, além de outra alocação de US$ 1,3 bilhão em direitos de saque especiais do fundo que recebeu em agosto de 2021.

O economista Patrick Chileshe diz que a outra razão pela qual o Kwacha vem ganhando em relação ao dólar americano é o aumento da oferta de divisas. Para se proteger contra a volatilidade da taxa de câmbio, o banco central descarregou uma média de US$ 13 milhões por dia em junho.

“Vimos o Kwacha ganhar força, e isso foi impulsionado pela maior oferta de divisas ao mercado pelo Banco da Zâmbia, que se manteve estável no mercado, enquanto a procura de dólares americanos tem sido baixa e isso levou a uma valorização. o Kwacha da Zâmbia”, explica Chileshe.



Source link

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo