Cidadania

O Glassdoor obrigou o compartilhamento de identidades de revisores anônimos do Zuru — Quartz

As pessoas leem o Glassdoor, site de avaliação de empregadores para saber como é realmente trabalhar em uma determinada empresa. Mas o Glassdoor é tão útil quanto sua capacidade de preservar o anonimato de funcionários atuais e ex-funcionários que compartilham suas impressões.

Uma nova decisão do tribunal da Califórnia lembra que esse anonimato, seja no Glassdoor ou em qualquer outro lugar, nem sempre pode ser garantido.

O juiz Alex Tse, do Tribunal Distrital dos EUA para o Distrito Norte da Califórnia, ordenou que a Glassdoor divulgasse as identidades de pessoas que deixaram comentários negativos anônimos sobre seu trabalho na empresa de brinquedos da Nova Zelândia Zuru. Zuru solicitou essa informação porque a empresa, cofundada pelos irmãos Mat, Nick e Anna Mowbray, planeja abrir processos por difamação na Nova Zelândia contra as pessoas que deixaram as avaliações.

“Estamos profundamente decepcionados com a [c]nossa decisão, que foi efetivamente decidida sob a lei da Nova Zelândia”, disse a Glassdoor em comunicado.

Na verdade, a lei dos EUA normalmente protege o direito à expressão anônima sob a Primeira Emenda. O caso Zuru-Glassdoor é incomum, pois é um exemplo de como as proteções dos EUA à liberdade de expressão entram em conflito com as normas legais de outros países. E pode abrir um precedente preocupante.

A lei dos EUA protege a postagem anônima online?

É bastante comum que as empresas tentem descobrir as identidades das pessoas que as criticam anonimamente online, de acordo com Jeff Kosseff, professor associado de segurança cibernética da Academia Naval dos EUA e autor de Os Estados Unidos do Anonymous: Como a Primeira Emenda Moldou o Discurso Online.

“Todo esse mecanismo de empresas chateadas com o que as pessoas estão escrevendo sobre elas e, em seguida, entrar com uma ação judicial e usar o processo de intimação para desmascarar [people] está acontecendo desde o início da Internet comercial”, diz Kosseff.

Na década de 1990, diz ele, muitas empresas entraram com ações judiciais contra anunciantes anônimos no Yahoo Finance. Na época, o Yahoo Finance era “um tanto revolucionário porque tinha quadros de avisos para todas as empresas públicas, e muitas vezes havia funcionários atacando os executivos”.

Eventualmente, diz Kosseff, grupos de defesa como o Public Citizen e a Electronic Frontier Foundation convenceram os tribunais dos EUA a desenvolver proteções mais fortes para o anonimato online. Por exemplo, se uma empresa deseja desmascarar a identidade online de alguém, ela deve mostrar que tem uma reivindicação viável.

Kosseff diz que o Glassdoor e o Twitter estão entre os mais fortes defensores corporativos do anonimato online.

A Glassdoor “envolve-se ativamente em litígios em seu próprio nome para defender o direito de seus usuários à expressão anônima”, diz Kosseff. Há uma boa razão comercial para isso: presumivelmente, “os funcionários se sentem mais à vontade para falar em uma plataforma que os defenderá”.

Até agora, o Glassdoor teve bastante sucesso em recusar as demandas de outras empresas por informações de identificação pessoal sobre seus usuários. “Conseguimos proteger o anonimato de nossos usuários em mais de 100 casos movidos contra nossos usuários”, disse a empresa em comunicado.

Por que Zuru citou o Glassdoor?

O caso Zuru foi uma exceção. Estas são seis avaliações do Glassdoor que Zuru diz serem difamatórias. Uma revisão refere-se a “cultura tóxica, liderança hostil, estratégia errática e rotatividade extremamente alta”. Outra revisão, que (com precisão) previu que a liderança da empresa “tentará [to] identifique-me”, descreve essa liderança como exploradora e “incompetente”. Ainda outro chama a empresa de “[b]fábrica de urnas

Coletivamente, eles fazem Zuru “soar como um lugar horrível para se trabalhar”, escreve o juiz Tse na ordem judicial emitida em 11 de julho.

Zuru afirma que essas críticas negativas, todas publicadas no outono de 2021, podem ter sido escritas ou encomendadas pela mesma pessoa. Em um comunicado, a Glassdoor disse que “ao contrário das alegações de Zuru, as avaliações de experiência de trabalho pouco lisonjeiras que descrevem o trabalho na Zuru foram escritas por vários ex-funcionários da Zuru”.

Depois que a Zuru pediu à Glassdoor para remover as avaliações, a Glassdoor removeu quatro das seis, mas deixou outras duas sem explicar o motivo, de acordo com documentos judiciais da Zuru. A Glassdoor também se recusou a divulgar informações de identificação sobre os usuários que criaram as postagens.

Agora, Zuru diz que quer processar quem postou as críticas negativas por difamação, alegando que suas postagens prejudicaram a reputação da empresa e prejudicaram seus negócios. Zuru afirma que um candidato a gerente recusou uma oferta de emprego devido a críticas online, o que significava que Zuru teve que gastar “dinheiro e recursos para recrutar candidatos adicionais para o cargo”, de acordo com documentos judiciais.

Revisões negativas não são uma ocorrência rara no Glassdoor; há até críticas negativas no site do Glassdoor. No geral, o Zuru é classificado com 4,3 estrelas de 5, com 86% dos funcionários atuais e ex-funcionários dizendo que recomendariam trabalhar lá a um amigo.

Quando a lei de liberdade de expressão dos EUA não se aplica?

Na ordem judicial dizendo ao Glassdoor para desmascarar revisores anônimos, Tse explica que seu anonimato não é protegido pela Primeira Emenda porque não há razão para acreditar que sejam cidadãos dos EUA. (A Zuru está sediada em Shenzhen, China, e tem escritórios na América do Norte, Europa, Ásia, Austrália e Nova Zelândia.) Tse também aponta que, sob a lei da Nova Zelândia, Zuru pode apoiar (se não necessariamente provar) uma alegação de difamação. A Nova Zelândia, juntamente com muitos outros países, tem leis de difamação que são mais favoráveis ​​aos queixosos do que as dos EUA.

“Existem boas razões para agir com cuidado na aplicação dos princípios americanos de liberdade de expressão no exterior”, acrescenta Tse. “O compromisso de nosso país com a liberdade de expressão não é universalmente compartilhado; e mesmo em outros países que protegem a liberdade de expressão, um equilíbrio diferente é frequentemente alcançado entre o direito à liberdade de expressão e o direito de proteger a própria reputação.

A decisão não abre um precedente legal. Mas Kosseff diz estar preocupado com o que pode acontecer se o caso chegar ao tribunal do 9º Circuito em apelação.

“Seria bom ter um precedente que diga que vamos estabelecer um alto padrão substantivo para essas intimações”, diz Kosseff. Mas sempre existe o perigo de que, se o 9º Circuito confirmar a decisão, “isso possa abrir um precedente que deve ser seguido em todo o oeste dos EUA”, onde muitas empresas de tecnologia estão sediadas. O risco, diz ele, é um cenário legal em que “apesar das proteções da Primeira Emenda para o discurso anônimo, ainda estamos permitindo que leis de difamação muito mais opressivas em outros países sejam usadas para desmascarar as pessoas”.

A Glassdoor não respondeu a uma pergunta sobre se planeja apelar da decisão. Zuru se recusou a dizer ao New Zealand Herald se ele ainda planeja lançar processos por difamação na Nova Zelândia. Zuru ainda não havia respondido ao pedido de comentário de Quartz no momento da publicação.

Anonimato não garantido

Kosseff diz que a decisão ressalta que as pessoas devem ter cuidado ao postar online, mesmo em sites que se orgulham de preservar o anonimato dos usuários. “É uma situação assustadora porque há muitas pessoas, especialmente no Glassdoor, que têm motivos realmente válidos para postar coisas”, diz ele.

Por enquanto, o Glassdoor postou um aviso na página de avaliação de Zuru, observando que a empresa tomou medidas legais contra o site e aconselhando os revisores a “exercer seu melhor julgamento ao avaliar este empregador”.

Source link

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo