Cidadania

O fim da globalização foi muito exagerado — The Forecast — Quartz

Olá membros do quartzo,

Em Davos recentemente, as elites mundiais tinham uma única pergunta em seus lábios: a globalização está morrendo? Resumindo: Não. Mas certamente agora que nos reunimos gravemente em torno de seu leito de doente, podemos identificar melhor suas fraquezas e diagnosticar suas doenças.

Durante décadas, assumimos que mercados abertos e tecnologias digitais tornariam a globalização uma força progressivamente benéfica e autocorretiva, a maré que finalmente levantou todos os barcos. Para os campeões da globalização, escreveu um jornalista sobre esse período, “rejeitar a globalização era como rejeitar o amanhecer”. Mas mesmo assumir que nos anos 1990 e início dos anos 2000, o auge da globalização, era ignorar a perda de empregos, a deterioração do clima e o aumento das desigualdades.

Então vieram os sinais que eram mais difíceis de ignorar. Primeiro, as reações inspiradas pelos piores efeitos da globalização levaram a nacionalismos estreitos: Brexit, a ascensão de líderes como Donald Trump, atritos entre o Ocidente e a China. Assim, o golpe duplo da pandemia e da guerra na Ucrânia quebrou o uma A globalização deveria garantir: o movimento fácil e confiável das coisas através das fronteiras nacionais. (De forma reveladora, apenas ameaças ao consumo ocidental estão causando essas ansiedades urgentes.)

No entanto, mesmo neste ponto, um obituário parece prematuro e derrotista. É impossível forçar alguns gênios de volta às suas garrafas, para reverter, por exemplo, a influência da Internet. Mas também, renunciar à globalização é, como escreveu o economista Joseph Stiglitz, perder uma rara oportunidade de reconhecer e resolver seus problemas.

A globalização oferecia a brilhante perspectiva de um mundo sem atritos. De fato, na economia global como na física, o atrito zero é quase impossível. Portanto, é melhor começar a planejar para aliviar os novos atritos criados pela globalização, bem como aqueles que sempre estiveram presentes.

Os rumores de seu desaparecimento foram muito exagerados.

Esta não é a primeira vez que os defensores da globalização se preocupam com seu fim. Só nos últimos seis anos, as buscas no Google por “fim da globalização” dispararam várias vezes.

Em 2016, depois que os britânicos votaram pela saída da UE, muitos consideraram isso um sinal do desmoronamento da globalização. O alarme soou novamente em 2018, quando o então presidente Donald Trump lançou uma guerra comercial em várias frentes. Em 2020, o Covid desencadeou uma nova onda de previsões sobre o colapso da integração econômica global, com pedidos de morte da globalização atingindo um pico febril depois que a Rússia invadiu a Ucrânia no início deste ano.

Procurar "fim da globalização"  continue clicando.

Direitos autorais da imagem: Quartzo

Que desaceleração?

Enquanto muitos apontam para o declínio da participação do comércio no PIB mundial como um indicador seguro do declínio da globalização, muitos outros dados apontam para o fortalecimento dos laços entre as economias do mundo:

O comércio de bens intermediários aumenta. O aumento das exportações de peças e materiais para fabricar produtos acabados significa que os países não estão apenas comercializando produtos, mas também os fabricando além-fronteiras.

As exportações de bens intermediários continuam a aumentar.

Direitos autorais da imagem: Quartzo

A mudança para o digital está impulsionando o comércio internacional. As exportações dos tipos de serviços de comunicação que sustentam a economia global estão aumentando.

As exportações de serviços de tecnologia da informação e comunicação estão aumentando.

Direitos autorais da imagem: Quartzo

Enquanto isso, o tráfego global de dados aumentou quase 30% em 2020, para 230 exabytes por mês, e deve mais que triplicar até 2026.

🔮 Previsões

Então, o que vem a seguir para o comércio mundial?

  • O comércio é mais uma vez (geo)político. Depois de recuar para segundo plano no final da Guerra Fria, a geopolítica se tornará uma consideração mais importante no comércio global de algumas commodities importantes, como petróleo e semicondutores.
  • Friendshoring torna-se popular. Governos e empresas reconfigurarão as cadeias de suprimentos nos países aliados para evitar problemas políticos.
  • O comércio digital está em expansão… O fluxo internacional de produtos e serviços digitais continuará crescendo.
  • …mas os governos estão se tornando mais cautelosos quanto a isso. Para proteger os dados e a privacidade dos cidadãos, os países erguerão ainda mais barreiras ao comércio digital, como exigir que os dados sejam armazenados localmente ou simplesmente bloqueá-los.
  • A pandemia estimula a ascensão de um mercado global de trabalho remoto. Isso poderia equalizar os salários dos trabalhadores remotos em diferentes países, mesmo que apenas ligeiramente.

📚 Continue aprendendo

📣 desligue o som

Qual será a característica definidora da próxima iteração da globalização?

Que tenha uma boa semana,

—Samanth Subramanian, Repórter Sênior (Davos Prowler)

—Ana Campoy, editora adjunta de economia e finanças (não se importaria de trabalhar em qualquer lugar)

Contribuições adicionais de Mary Hui

uma 🏭 coisa

Kaushik Basu, professor da Cornell e ex-economista-chefe do Banco Mundial, traçou paralelos com uma época anterior em que a economia mundial foi abalada por uma reação contra a globalização. Foi durante a Revolução Industrial e como resposta à fuligem das fábricas e das crianças trabalhadoras.

Superamos (alguns) os obstáculos dessa transformação por meio do que pareciam políticas radicais na época, como limitar as horas de trabalho e um salto em nossa compreensão de como a economia funciona. “Pode não ser inteiramente uma coincidência que a Revolução Industrial tenha coincidido com alguns dos avanços mais importantes na teoria econômica desde a Riqueza das Nações, de Adam Smith, em 1776”, escreve Basu em um relatório da Brookings. Pesquisadores e formuladores de políticas devem se envolver em um exercício de imaginação semelhante para garantir que a forma atual de globalização digitalizada não deixe o desconectado para trás, acrescenta.

Source link

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo