Cidadania

O ex-editor do FT Lionel Barber fala sobre Brexit e Fox News – Quartz


De 2005 a 2020, Lionel Barber atuou como editor-chefe do Financial Times, o jornal londrino lido por investidores, executivos e formuladores de políticas em todo o mundo.

Barber, de 66 anos, aproveitou sua posição no topo do FT para entrevistar uma gama estonteante de líderes mundiais, incluindo os presidentes americanos Barack Obama e Donald Trump, Vladimir Putin da Rússia, Mohammed bin Salman da Arábia Saudita e Narendra Modi da Índia. , bem como diretores executivos. em dezenas das maiores empresas do mundo. Um anotador dedicado, Barber baseou-se em suas memórias desses encontros para seu livro, Os poderosos e os amaldiçoados: diários privados em tempos difíceis, um relato enérgico e ironicamente engraçado de seus anos dirigindo o FT.

Junto com as descrições dos muitos almoços, jantares e coquetéis que Barber compartilhou com as celebridades, ele relembra detalhes reveladores e às vezes embaraçosos. Depois de jantar no Scott’s em Mayfair com Boris Johnson, agora primeiro-ministro do Reino Unido, Johnson era então prefeito de Londres e o orgulhoso iniciador do primeiro programa de compartilhamento de bicicletas da cidade, Johnson pula em uma bicicleta para dirigir para casa. Mas quando Barber e sua esposa saem do restaurante, “vemos o prefeito dobrando sua bicicleta e desaparecendo em um táxi que bebe muito”.

Como editor do FT, Barber também teve um assento no ringue por duas das histórias de negócios mais importantes de sua vida: a crise financeira de 2008 e suas longas consequências de austeridade na Europa, e a votação do Brexit de 2016. O FT cobriu ambos completamente , embora admita, não igualmente bem.

Wiley

Foi também um período tumultuado para o jornalismo britânico. Um escândalo de hackeamento de telefones no News of the World de Rupert Murdoch em 2011 levou a demissões, prisões e, por fim, à investigação de Leveson, uma série de audiências públicas nas quais Barber testemunhou. E em 2015, o conglomerado editorial Pearson vendeu a FT para a Nikkei, uma empresa de mídia japonesa, por US $ 1,3 bilhão, levando a mais de uma dúzia de viagens ao Japão para Barber nos próximos cinco anos.

Em uma ligação da Zoom com Quartz, Barber discutiu sua agitada agenda de viagens, as lições aprendidas com a crise financeira e o Brexit e como controlar as teorias da conspiração online. Esta entrevista foi editada em sua extensão e clareza.

Quartzo: Uma coisa que me impressionou ao ler seu livro é como teria sido diferente durante a pandemia. Você conversava interminavelmente com as pessoas pessoalmente, sentando-se para tomar cafés, drinques e almoços que engordavam muito. Este livro poderia ter sido escrito se tudo isso tivesse sido feito remotamente?

Lionel Barber: Estes eram os adolescentes agitados de viagens sem atrito, circulando o mundo sem se preocupar com doenças. Você não pode ter virtualmente o mesmo tipo de relacionamento. Este livro é sobre como olhar o branco dos olhos. É sobre cheirar carne de cavalo, para expandir a metáfora. Acho que sou incrivelmente sortudo e Roula [Barber’s successor as editor of the FT, Roula Khalaf] Ele mal saiu do escritório. Ela teve que entrevistar [French president Emmanuel] Macron na tela, de onde voaria para Washington em um piscar de olhos para a entrevista de Trump. Fiquei lá apenas 24 horas, depois em um avião para a China.

Eu queria perguntar a você sobre seus relacionamentos com os poderosos e os condenados, ou os grandes e os bons, ou como você deseja caracterizá-los. Seu acesso colocou o FT em muito boa forma no prelúdio da crise financeira. Você viu as nuvens de tempestade chegando e colocou o jornal em posição para relatar sobre isso.

O outro lado da moeda também era verdadeiro, pois suas relações com os poderosos não o ajudaram muito a antecipar o Brexit. Quando você se encontra com CEOs, promotores e agitadores, não está se encontrando com pessoas comuns que poderiam ter feito a diferença na votação do Brexit. O FT poderia ter feito algo diferente ao antecipar o Brexit?

Acho que é uma crítica legítima. Francamente, no Brexit éramos muito metropolitanos, muito cosmopolitas. Eu me culpo muito por não ver o que estava por vir. A defesa é que simplesmente presumimos que os britânicos tomariam decisões econômicas racionais. Eles literalmente não iriam para algo onde, na frase de Tony Blair, você basicamente compra uma casa que nunca visitou e depois vende sua casa. Quer dizer, nós simplesmente não vimos isso. Onde eu acho que esta é uma crítica perfeitamente legítima é que não relatamos com profundidade suficiente fora de Londres. Existe uma ressalva. Meu sucessor, Roula Khalaf, teve a idéia de que correspondentes estrangeiros deixassem Londres e fizessem uma reportagem. E todos relataram que íamos embora. Mas ainda não conseguimos distinguir o sinal do ruído.

Eu poderia ter feito mais, como um documento que realmente entendia essas questões, para explicá-las? Porque houve muita desinformação na campanha de licenciamento, apenas, eu diria, falsidades gritantes. Você poderia ter feito a diferença?

Não, honestamente, acho que fizemos um ótimo trabalho ao expor as mentiras. A ideia ridícula de que a Turquia ingressaria na UE em 2020, a ideia de que acordos de livre comércio serão assinados da noite para o dia. A noção de que a nova relação seria facilmente feita com a UE. Tudo isso, francamente, é uma merda. Nós expusemos tudo isso.

O outro lado da moeda é: teria feito alguma diferença, vindo do FT, para o público que precisava ouvir?

Você sabe, eu não faria. Você sempre deve ter cuidado ao medir a influência. Mas se temos influência, é com quem toma as decisões: os bancos centrais, os governadores, os tesouros. Acho que com pessoas comuns, menos.

Durante os 15 anos em que dirigiu o FT, e principalmente nos últimos dois anos desde então, a conversa sobre dívidas e gastos como forma de resolver problemas financeiros realmente mudou drasticamente. Passamos de medidas de austeridade bastante drásticas na Europa há uma década para agora, onde a resposta a uma crise financeira nos Estados Unidos está aprovando uma conta de estímulo de US $ 2 trilhões. A austeridade foi um erro para a Europa e o Reino Unido? Estamos vivendo agora em uma era totalmente diferente, em que a dívida não é mais considerada?

O mundo virou de cabeça para baixo. Quando digo mundo, quero dizer ortodoxia econômica. Acho que a austeridade foi exagerada. Nossos principais comentaristas, aliás, eram muito mais céticos em relação à austeridade. Eu, com alguns outros, considerei que, em 2010, o [UK] o déficit era tão alto que precisávamos de uma maneira de reduzi-lo. Penso que, em retrospectiva, poderíamos ter sido mais duros com o governo pelos danos aos serviços públicos. Discutimos isso, mas acho que poderíamos ter feito relatórios melhores.

Na Europa, sim, a Ortodoxia Alemã foi longe demais. Eu tive horas de conversas com [former European Central bank president Mario] Draghi de vez em quando por sete ou oito anos, fez um trabalho brilhante de manobrar os alemães. Talvez tenha havido muita ênfase no pilar da política monetária, muito peso, mas no final, foi isso que salvou o euro.

O tremendo dano causado pela austeridade na Europa lançou as bases para o populismo e o profundo ceticismo europeu. Agora, tudo mudou completamente? Eu me pergunto se o Reflation Pack de Biden é a marca mais alta. Só não acho que a inflação acabou para sempre. Parece terrível que a dívida não importa, todos nós temos a securitização em segredo, está tudo bem, os preços dos imóveis continuarão subindo. Eu me preocupo um pouco. Eu acho que haverá um aumento acentuado nas taxas de juros ou um aumento acentuado na inflação? Não. Eu acho que um aumento modesto da inflação poderia ter um impacto sério sobre os mercados e avaliações e empresas que estão sobrecarregadas com dívidas? sim. Pode haver uma reação desproporcional. Então eu acho que é uma história que eu estaria assistindo.

Como jornalista, achei muito interessante a maneira como ele conduziu a investigação de Leveson. Houve muitas discussões aqui sobre o que fazer com a Fox News e o poder que ela tem sobre nosso discurso político. Como alguém que está no meio de algo como a investigação de Leveson e alguém que observa os Estados Unidos de longe, qual seria sua solução para resolver o Fox News?

Bem, isso pressupõe que você tem que resolver um problema da Fox. Acho que havia uma lacuna no mercado, que [Rupert] Murdoch e Roger Ailes descobriram e explodiram de forma brilhante. A doutrina da equidade foi jogada pela janela e há consequências. Eles fizeram um trabalho brilhante de pensar, ‘nós informamos, você decide’. Mas, francamente, alguns dos comentaristas estão envolvidos com notícias falsas e devem ser chamados.

Por quem?

Por outras organizações de mídia. E os próprios Fox. Você pode ver o que [former Fox executive]James Murdoch disse, não explicitamente, mas implicitamente, que está claramente infeliz. Mas eu acho que a Fox News deveria ser banida? Não não acredito. Eu acho que há outras coisas piores acontecendo neste sistema de eco da mídia? sim. O porão, teorias da conspiração.

Como uma sociedade pode neutralizar o tipo de toxicidade que estamos vendo? E você está certo, não é apenas a Fox. Há um estoque infinito de conspirações online que levaram aos eventos de 6 de janeiro. Como uma espécie de figura sábia neste campo, você tem alguma idéia de como nos salvar?

Escrevi um ensaio para persuasão intitulado In Defense of Both Sides. É uma tentativa séria de dizer qual é o problema e como lidar com os fatos. Relata os dois lados da história à esquerda e agora é denunciado como covardia moral. É horrível. Eu ofereço uma ideia ou duas sobre isso. Modelos de negócios online agora são estimulados, basicamente falando para seu próprio público e fortalecendo-o. Acho que apenas começamos a entender como a mídia social afetou não apenas o jornalismo, mas também o discurso civil e cívico e nossa política.

Você pode eliminar a teoria da conspiração? Sempre existiu. O problema é o meio, a maioria silenciosa, para usar a frase de Nixon, são eles que me preocupam. Eles realmente acreditam que a eleição foi roubada. Então eu acho que é preciso falar sobre como chegar a um cidadão melhor e informado, e isso tem menos a ver com a mídia e mais com o sistema educacional, francamente.



Fonte da Matéria

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar