Cidadania

O conflito Rússia-Ucrânia contado através das músicas do Eurovision — Quartz

Quando a final do Festival Eurovisão da Canção começar em 14 de maio em Turim, a Orquestra Kalush da Ucrânia será a grande favorita. A entrada da banda, uma música chamada “Stefania”, evoca a tristeza da guerra em curso (“Sempre encontrarei minha casa, mesmo que todas as estradas sejam destruídas”). Só por estar lá, a Kalush Orchestra terá o benefício da boa vontade do público para a Ucrânia, e isso provavelmente se traduzirá em uma onda de votos do público, que determina o vencedor do Eurovision todos os anos.

A Rússia, por outro lado, não está à vista. Um dia depois que as tropas de Vladimir Putin invadiram a Ucrânia, a Eurovisão proibiu a Rússia de competir este ano.

O concurso de canções Eurovisão começou em 1956, mas a Rússia e a Ucrânia começaram a competir apenas após o fim da Guerra Fria, em 1994 e 2003, respectivamente. Ao longo da última década e meia, seu relacionamento tenso vazou com frequência para a Eurovisão. As inscrições da Ucrânia, em particular, estão impregnadas de política, disse Vaughan Staples, presidente do capítulo britânico do OGAE, um fã-clube internacional do Eurovision. “A Rússia tem muitos caminhos para mostrar sua proeminência: as Olimpíadas, por exemplo, ou o futebol”, disse Staples, que participou de todas as finais da Eurovisão desde 2013. “A Ucrânia geralmente não os tem. A Eurovisão é o único lugar onde você pode mostrar uma mensagem.”

Aqui, então, está uma linha do tempo das relações russo-ucranianas nos últimos 15 anos, como exemplificado pela política das músicas do Eurovision:

2005

Depois de estrear no Eurovision em 2003 e ganhar o título no ano seguinte, a Ucrânia se saiu mal em 2005. Mas sua música, um hino do hip-hop ucraniano que se traduz como “Juntos somos muitos”, foi originalmente escrita sobre a disputada edição de 2004. do país. eleições presidenciais. Um candidato apoiado pela Rússia, Viktor Yanukovych, primeiro reivindicou a vitória, provocando protestos da Revolução Laranja, e depois um segundo turno de votação, no qual Yanukovych perdeu para o pró-europeu Viktor Yushchenko. Para limpar a música de referências políticas abertas, conforme exigido pelo Eurovision, a banda GreenJolly teve que remover linhas que mencionavam Yushchenko diretamente. “Desde então”, disse Staples, “houve um movimento nessa direção política. Isso não é uma coisa nova.”

2007

Na final, a cantora Verka Serduchka ficou em segundo lugar com uma música chamada “Dancing Lasha Tumbai”. Serduchka sustentou que as palavras “Lasha Tumbai” eram mongóis para “chantilly”, mas isso acabou sendo uma manobra para contrabandear um pouco de política na música. Não só o mongol não tinha essa frase, mas as palavras também soavam notavelmente como o ucraniano para “Adeus Rússia”.

2014

A Rússia anexou a Crimeia no início da primavera de 2014, talvez tarde demais para a Ucrânia apresentar um hino politicamente carregado antes do prazo de submissão de meados de março daquele ano. Mas Staples, que chegou à final, lembrou-se de muitas vaias pelo ato russo chamado Tolmachevy Sisters. (Eles terminaram em sétimo lugar, apenas um lugar abaixo da Ucrânia.) Não é que os espectadores não tenham gostado da música russa, disse Staples. A vaia foi motivada por uma lei russa que criminaliza a “propaganda gay”, aprovada em 2013. “O público era muito amigável aos LGBTQ, muito inclusivo”, disse Staples. “A hostilidade contra a Rússia era muito forte..”

2016

Em 2015, a Ucrânia não participou da Eurovisão. “Não queremos fazer algo errado e não temos dinheiro para fazer algo certo”, disse um representante da emissora estatal à BBC naquele ano. No entanto, em 2016, a Ucrânia voltou com tudo e venceu o concurso com uma música lenta e triste chamada “1944”. Não poderia ter sido uma entrada mais nítida. A cantora Jamala contou a história da deportação de sua bisavó da Crimeia como parte de uma limpeza étnica da península ordenada por Joseph Stalin em 1944. Uma Rússia furiosa ameaçou boicotar o concurso. Se a política se infiltrou na Eurovisão, escreveu um porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da Rússia em seu mural no Facebook, o próximo vencedor pode muito bem ser a guerra em curso na Síria, um país que não participa da Eurovisão, mas foi acusado de se beneficiar da ajuda russa em seus ataques. sobre seus cidadãos. Sarcasticamente, o porta-voz sugeriu a letra da música: “O sangue de Assad, o pior de Assad. Dê-me um prêmio, que possamos hospedar.”

2017

Quando a Ucrânia sediou o concurso Eurovisão de 2017, a Rússia apresentou uma música vazia chamada “Flame is Burning” para ser interpretada por Yuliya Samoylova, uma cantora em cadeira de rodas. “Era como se a Rússia estivesse tentando ver o que eles poderiam fazer ao escolhê-la”, disse Staples. Samoylova, descobriu-se, era uma ardente defensora da presença russa na Crimeia. Além disso, o Serviço de Segurança da Ucrânia descobriu que ele havia entrado na Crimeia pela Rússia, a maneira mais fácil de entrar na região, já que é controlada pela Rússia, mas que a Ucrânia considera uma violação ilegal da fronteira entre a Crimeia e a Rússia que legitimamente deveria existir. Como resultado, Samoylova foi proibida de participar. As autoridades da Eurovisão se ofereceram para transmitir sua performance remotamente, mas a Rússia recusou e se retirou oficialmente da edição daquele ano. A CEO do concurso, Ingrid Deltenre, chamou o comportamento da Ucrânia de “absolutamente inaceitável”.

2018

“A Rússia enviou o mesmo cantor que teria ido em 2017”, lembrou Staples. Ele nem conseguiu se classificar para a semifinal. “Isso foi triste. A música era ruim e ela realmente não conseguia tocá-la. Era como se essa jovem estivesse sendo usada como um peão político.”

2019

Maruv, uma cantora ucraniana, venceu a seleção nacional do Eurovision 2019, mas seus inúmeros shows na Rússia a impediram de passar para a competição principal em Tel Aviv. “O representante da Ucrânia não pode ser um artista que visita o Estado agressor, planeja fazê-lo no futuro e não vê nada de inaceitável nisso”, escreveu Vyacheslav Kyrylenko, vice-primeiro-ministro da Ucrânia, no Twitter. A emissora nacional da Ucrânia decidiu que Maruv poderia representar seu país apenas se ele desistisse de todos os seus compromissos russos. “Ela não estava disposta a comprometer sua base de fãs na Rússia, então desistiu”, disse Staples. Para surpresa da Ucrânia, o primeiro e o segundo vice-campeões também recusaram essas cláusulas. A Ucrânia terminou sem enviar nenhuma inscrição para a Eurovisão 2019.

2022

Este ano, a política havia se levantado antes mesmo da Rússia invadir a Ucrânia. Depois de 2019, a Ucrânia determinou que nenhum músico que tivesse visitado a Crimeia vindo da Rússia seria elegível para sua seleção nacional. Em 2022, alguns dias depois que a cantora Alina Pash ganhou um concurso de seleção em toda a Ucrânia, um blogueiro alegou que Pash falsificou a documentação de uma viagem à Crimeia que ela havia feito em 2015. No escândalo que se seguiu, ela se retirou. O vice-campeão Kalush Orchestra, um grupo que funde hip-hop e música folclórica, tornou-se a entrada oficial da Ucrânia no Eurovision 2022 e, potencialmente, no sábado, uma entrada triunfal.

Source link

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo