Cidadania

O argumento econômico contra o trabalho doméstico não remunerado — Quartz

A vida diária é muito trabalho, e o mundo depende do trabalho não remunerado das mulheres para manter as famílias funcionando. Mulheres Eles gastam uma média de três a seis horas por dia cozinhando, limpando, cuidando de crianças pequenas e familiares doentes, e qualquer número de outras tarefas domésticas, em comparação com a média masculina entre 30 minutos e duas horas.

Quantos minutos de cada tipo de trabalho você faz por dia?

No geral, o trabalho não remunerado de mulheres e meninas em todo o mundo contribui com cerca de US$ 10,8 trilhões para a economia global a cada ano, de acordo com um relatório de janeiro de 2020 da Oxfam.

A pandemia apenas sublinhou ainda mais a profunda lacuna de gênero na divisão do trabalho doméstico e o quão necessário esse trabalho é. “Este é um trabalho incrivelmente valioso para a sociedade”, diz Kristen Ghodsee, etnógrafa da Universidade da Pensilvânia especializada em estudos de gênero. “Os pais primários estão criando a próxima geração de contribuintes, consumidores e trabalhadores, e estão fazendo isso de graça.”

Dado o quanto todos se beneficiam do trabalho não remunerado das mulheres, compensar as pessoas por tarefas como tarefas domésticas e cuidar dos filhos poderia tornar a sociedade mais justa, para não dizer mais rica? Quartz conversou com economistas para entender melhor o caso de compensar as pessoas por trabalho não remunerado.

A carga desigual do trabalho não remunerado

Embora as mulheres assumam consistentemente mais tarefas domésticas do que os homens em todo o mundo, em países com serviços sociais fortes, elas tendem a gastar menos tempo fazendo isso. Países escandinavos como Suécia, Noruega e Dinamarca, bem como outros países europeus e lugares como Nova Zelândia e Canadá, oferecem alguma forma de atendimento infantil universal, bem como serviços médicos socializados que pagam enfermeiros profissionais para fazer visitas domiciliares para cuidar de crianças .crianças. e os idosos “Sempre que houver provisão social para determinados tipos de trabalho de cuidado, que está sendo feito pelo estado ou município, a carga de cuidados não remunerados para as mulheres da família será reduzida”, diz Ghodsee.

Ajuda que, em muitos desses lugares, os homens também façam mais trabalho não remunerado.

Os dados também mostram que, mesmo nos países ricos, a distribuição do trabalho continua altamente desigual. Na Coréia, por exemplo, as mulheres gastam menos tempo em trabalho não remunerado do que na maioria dos outros países. Mas eles recebem a maior parte do que precisa ser feito. Os homens coreanos fazem apenas 18,6% do trabalho.

A maioria das pessoas que se preocupam com a igualdade de gênero concorda que a distribuição desigual do trabalho doméstico é um problema, não apenas pelo estresse de trabalhar a “dupla jornada”, mas porque o desequilíbrio pode impedir que as mulheres desenvolvam seu pleno potencial profissional e econômico. . Ao mesmo tempo, preocupam-se com as possíveis repercussões da compensação pelo trabalho doméstico.

O mundo está disposto a pagar por trabalho não remunerado?

Alguns economistas alertam que pagar as mulheres pelo trabalho doméstico pode acabar incentivando-as a abandonar o mercado de trabalho. Um estudo de 2021 da economista Yulya Truskinovsky, publicado no Journal of Human Resources, apoia essa preocupação. O estudo analisou os resultados dos programas estatais dos EUA que permitiram que famílias de baixa renda usassem subsídios para pagar parentes (geralmente avós) para cuidar das crianças. Constatou-se que os subsídios não aumentavam muito a probabilidade de as avós começarem a cuidar das crianças se ainda não o tivessem feito. Mas a renda extra incentivou as avós que anteriormente tinham empregos e cuidavam dos netos a reduzir o trabalho.

Por um lado, essa pode ser uma mudança que vale a pena comemorar: por que as avós sobrecarregadas não deveriam trabalhar menos? Mas do ponto de vista financeiro, diz Truskinovsky, há desvantagens. Se as avós trabalharem menos, elas podem não receber seguro de saúde ou outros benefícios. Presumivelmente, eles economizarão menos dinheiro e reduzirão o tamanho de seus pagamentos à Previdência Social mais tarde.

“Muitas vezes pensamos que preferiríamos que um membro da família cuidasse de [relatives] em vez de um estranho ou um profissional. Mas, ao mesmo tempo, compensar as pessoas por prestarem cuidados as está expulsando do mercado de trabalho formal”, diz Truskinovsky, professor assistente de economia da Wayne State University. “Se não projetarmos a remuneração de uma forma que imite o mercado de trabalho formal, acho que há muitos custos.”

Compensar o trabalho não remunerado seria ruim para a igualdade de gênero?

Um temor relacionado é que oferecer compensação por trabalho não remunerado possa acabar reforçando os papéis convencionais de gênero, diminuindo a presença das mulheres no mercado de trabalho. “Isso não é necessariamente desejável de uma perspectiva social ou de uma perspectiva de igualdade”, diz Anne Boring, economista da Erasmus University Rotterdam.

A história mostra que o sexismo pode sustentar políticas aparentemente generosas. Na Alemanha Oriental socialista durante a segunda metade do século 20, diz Ghodsee, as mulheres recebiam uma variedade de benefícios, de um ano de licença-maternidade remunerada a um dia de folga por mês para cuidar das tarefas domésticas. Por um lado, tais políticas reconheceram a realidade de que a maioria das mulheres fazia a maior parte do trabalho doméstico em suas casas. Mas de uma perspectiva de igualdade de gênero, Ghodsee diz: “As feministas americanas sempre não gostaram dessas políticas, pois também não gostam de coisas como licença maternidade. [as opposed to the broader parental leave]porque enfatiza que esse trabalho deve ser feito por mulheres.”

Claro, é possível que, se o trabalho doméstico e o cuidado dos filhos fossem compensados, essas atividades estariam menos associadas ao gênero e os homens estariam mais dispostos a assumi-las. Mas, dado que os homens ainda ganham mais do que as mulheres, essa pode ser uma expectativa muito otimista. “Enquanto houver uma disparidade salarial entre homens e mulheres, ainda faz mais sentido que as mulheres sejam as únicas a desacelerar suas carreiras e começar a cuidar mais dos filhos”, diz Boring. De fato, no auge da pandemia, muitas famílias foram obrigadas a fazer esse mesmo cálculo, com as mulheres reduzindo o trabalho para cuidar de crianças que não podiam mais ir à creche ou à escola.

Quanto vale o trabalho não remunerado?

Descobrir quanto vale o trabalho não remunerado também é uma tarefa complicada. De acordo com a economia neoclássica, os salários para diferentes tipos de trabalho normalmente refletem a produtividade marginal dos trabalhadores, ou seja, as empresas pagam aos funcionários com base na quantidade de dinheiro que suas contribuições geram para o empregador.

Mas Boring diz que os salários para o trabalho doméstico e de cuidados costumam ser baixos por um motivo diferente: porque essas tarefas historicamente foram em grande parte desempenhadas por mulheres. É um fenômeno que se manifesta também nos salários de enfermeiros, professores e outras profissões de “trabalho assistencial”.

Boring também aponta que o valor do trabalho de cuidado é altamente subjetivo. “Uma babá particular pode ser muito bem remunerada”, diz ela. E, do ponto de vista prático, seria difícil atribuir um sistema de salário por hora a atividades privadas que ocorrem dentro do domicílio e podem variar muito em natureza e execução. “Eu não quero pagar a alguém o mesmo salário para cozinhar uma refeição gourmet como para amamentar um bebê, onde um tem enormes implicações sociais e de saúde e o outro é uma espécie de hobby”, diz Nancy Folbre, professora. emérito em economia na Universidade de Massachusetts Amherst, cuja pesquisa se concentra no trabalho de cuidado não remunerado.

Diante de todas essas complicações, os especialistas tendem a favorecer a ideia de compensar o trabalho não remunerado por meio de outros canais que não os salários diretos, como abono de família e créditos fiscais. Estes têm a vantagem adicional de serem menos controversos do que fornecer salários diretos para o trabalho doméstico e, portanto, são mais propensos a serem apoiados por eleitores e políticos.

“Muitos de nós gostariam que nosso dinheiro de impostos fosse usado para tirar as crianças da pobreza”, diz Claudia Goldin, professora de economia Henry Lee na Universidade de Harvard. “Temos muito trabalho mostrando que, se você tirar as crianças da pobreza, então, como adultos, elas não são pobres e são cidadãos contribuintes.”

A pandemia forneceu ampla evidência disso. Usando um programa expandido de crédito fiscal para crianças, os EUA forneceram pagamentos mensais em dinheiro (geralmente US$ 250 ou US$ 300 por mês) para famílias de baixa renda em 2021. Esse programa não pretendia compensar diretamente os pais pelo trabalho não remunerado. Mas, na prática, a política do governo ainda coloca mais dinheiro no bolso das famílias. Por seis meses em 2021, os pesquisadores descobriram que os pagamentos reduziram a pobreza infantil nos EUA em 30%. Tais descobertas ajudam a demonstrar que os pagamentos governamentais para cuidadores são benéficos não apenas para pais e filhos, mas para a sociedade como um todo.

Pague por cuidados infantis em vez de pagar cuidadores

Outra opção é fornecer mais serviços sociais, como creches universais, o que daria às mulheres maiores oportunidades de participação na força de trabalho.

Há evidências de que essa abordagem funciona. Escrevendo em um relatório de 2018 encomendado pelo Centro Internacional de Pesquisa de Desenvolvimento, Folbre descreve opções, incluindo o programa Crece Contigo do Chile, que oferece atendimento domiciliar para crianças pequenas em creches financiadas pelo governo, e o programa Estancias do México, que paga até 90% dos custos de cuidados infantis. . custos de cuidados. “Entre as mulheres que se beneficiam do [Estancias] No programa, 18% a mais estão empregados, trabalhando em média seis horas adicionais por semana”, diz Folbre.

Quer os governos forneçam alguma forma de compensação por trabalho não remunerado ou ofereçam serviços sociais acessíveis, os economistas dizem que o objetivo deve ser dar às mulheres mais controle sobre como elas gastam seu tempo.

Nem todo país pode ser a Suécia, mas todo país pode tomar medidas para dar às mulheres a liberdade de escolher se farão a maior parte de seu trabalho dentro ou fora de casa. Diz Truskinovsky: “Acho que devemos sempre nos esforçar para dar escolhas às pessoas”.

Source link

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo