Saúde

Novo tratamento para AIDS estimula as células a entrar em apoptose

Com a supressão bem-sucedida do vírus da AIDS (HIV) por meio de medicação, o foco se volta para sua erradicação. Pesquisadores da Universidade de Kumamoto, no Japão, desenvolveram um novo composto que é fundamental para a destruição do HIV. Quando o composto é introduzido em células infectadas, o brotamento viral (libertação) é suprimido, confinando-o assim nas células hospedeiras. As células morrem naturalmente por apoptose (morte celular). Espera-se que este tratamento leve à completa recuperação da AIDS no futuro próximo.

 Nos últimos anos, a terapia com múltiplas drogas tornou possível suprimir a multiplicação do HIV no corpo quando tomada adequadamente. Este método, no entanto, não pode remover as partículas virais do reservatório latente do HIV – partículas virais não replicantes que permanecem dormentes nas células do corpo. Assim que a administração do medicamento for interrompida, a carga viral aumentará novamente no organismo. A remoção do reservatório viral é atualmente o principal objetivo na pesquisa sobre a AIDS.

Em várias cidades do Brasil, as secretarias municipais tem alertado que a maior parte do portadores do vírus da AIDS são heterossexuais

A abordagem “chutar e matar”, desenvolvida há vários anos, é uma estratégia para matar as células do reservatório. Essa técnica usa uma droga que atinge as células do reservatório e ativa o vírus, o que permite que o sistema imunológico encontre essas células usando o vírus ativado como um marco. Embora esta abordagem tenha sido clinicamente testada, ainda existe o problema de não ser capaz de desativar eficientemente o vírus após a ativação bem-sucedida.

Pesquisadores da Universidade de Kumamoto desenvolveram uma nova abordagem que eles chamam de “aprisionamento e apoptose”. Primeiro, eles sintetizaram o composto L-HIPPO, que se liga fortemente à proteína Pr55Gag do HIV e suprime o brotamento viral. Quando o L-HIPPO foi adicionado às células infectadas pelo vírus através de um transportador chamado α-CDE, o vírus ficou confinado dentro da célula e a célula morreria por apoptose natural.

“Infelizmente, essa abordagem não está imediatamente disponível para pessoas infectadas pelo HIV”, disse o professor associado Mikako Fujita, da Universidade de Kumamoto, um dos líderes do estudo. “Primeiro, temos que melhorar os medicamentos que ativam o vírus e combiná-los com o L-HIPPO para direcionar eficientemente o reservatório viral. Isso seria um grande passo para uma recuperação completa do HIV. Acreditamos que nossa pesquisa ajudará a erradicar a AIDS “.

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar