Cidadania

No confronto de notícias da Austrália, é Facebook e Google vs News Corp – Quartz


Em um nível, o confronto da mídia nesta semana na Austrália opôs o governo, lutando pelo jornalismo, contra os guardiões da era da internet. Em outro, foi uma batalha entre velhos e novos gigantes corporativos.

Em um canto estavam Google e Facebook, os gigantes da mídia social que se definem como os campeões de uma Internet livre e aberta, e cujas plataformas se beneficiam exibindo e compartilhando links para sites de notícias.

Do outro lado estava a News Corp, um grande império de mídia dirigido pelo titã Rupert Murdoch, com o apoio do establishment político de Canberra. Os editores de notícias querem uma compensação por seu trabalho que o Google e o Facebook compartilham em suas plataformas; A lei de negociação da mídia proposta pelo governo deve ajudá-los a conseguir isso.

O poder da News Corp é quase insignificante: Medidas como receita e média de leitores por número mostram que ela tem mais de 50% do mercado australiano de notícias impressas e 27% do público de notícias online. Sua influência vai muito além da Austrália, é claro, com sua propriedade da Fox News e do Wall Street Journal. Sin embargo, es improbable que un imperio de las noticias acusado durante mucho tiempo de difundir desinformación y avivar la política tóxica a través de su “Foxificación” de las noticias logró presentarse como un desvalido que necesitaba la protección del gobierno de los gigantes tecnológicos que distribuían seu trabalho.

Já em 2009, Robert Thomson, então editor-gerente do Journal e agora CEO da News Corp, descreveu as plataformas como parasitas em organizações de notícias, as “tênias da Internet”. Enquanto a Austrália avançava com a lei, o Google basicamente deu à News Corp o que ela vinha pedindo por todos esses anos, um acordo de pagamento por suas notícias. (De acordo com o Sydney Morning Herald, o modelo de arbitragem que será invocado se as plataformas e os editores não conseguirem criar um será baseado em um proposto pela News Corp.)

Tomando a direção oposta, o Facebook deu um tiro no próprio pé com seu apagão desajeitado de links de notícias, recebendo fortes reprimendas por cortar o acesso a informações vitais durante a pandemia, incluindo páginas administradas pelo governo.

É verdade que o domínio dos anúncios online do Google e do Facebook prejudicou a receita de notícias de grandes e pequenos veículos de mídia, enviando as organizações de notícias na direção de modelos de assinatura em vez de anúncios inconstantes. O boom da plataforma veio ao mesmo tempo que centenas, senão milhares, de pequenos meios de comunicação morreram.

Mas, embora o Google tenha assinado acordos para pagar à News Corp. e outras editoras pelo direito de vincular e exibir pequenos trechos de seus artigos, os críticos dizem que o acordo faz pouco para ajudar a construir um ecossistema de notícias mais diversificado e resiliente. Em vez disso, os críticos argumentam que os negócios vão apenas encher o bolso de pessoas como Murdoch e continuar a deixar pequenos meios de comunicação locais.

Alguns (incluindo o inventor da Internet) apontaram que a lei funciona essencialmente tornando a vinculação (o oxigênio da Internet) exigível se ocorrer em uma plataforma com um determinado nível de renda. Nem faz distinção entre o compartilhamento feito por usuários ou por plataformas ou por editores.

Mesmo assim, muitos líderes mundiais, talvez cansados ​​de serem derrotados de maneiras diferentes por gigantes da tecnologia, expressaram apoio ao que a Austrália está fazendo, de acordo com comentários feitos pelo primeiro-ministro Scott Morrison na sexta-feira. O Canadá, criticando a “remoção” do país pelo Facebook, disse ontem que em breve revelará disposições de conteúdo de notícias semelhantes.

Em um momento em que a News Corp enfrentou uma reação negativa por causa de sua cobertura – o ex-primeiro-ministro australiano Kevin Rudd recentemente chamou isso de “câncer na democracia” – um descendente de Murdoch se distanciou do império da família por causa de sua cobertura climática, e um recorde de meio-ano. milhões de australianos assinaram uma petição exigindo uma investigação oficial sobre suas operações: o império da mídia de Murdoch conseguiu parecer menos ameaçador do que o difamado Facebook.

Jeff Jarvis, professor de jornalismo da Escola de Jornalismo Craig Newmark da CUNY, resumiu sua decepção: “Dia de más notícias. Um dia ruim para a rede “.





Fonte da Matéria

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar