Cidadania

Mulheres estão reconsiderando ter bebês durante a pandemia – Quartzo


Os empregos são escassos, grandes setores da economia estão fechados e um vírus mortal continua a se espalhar pelo mundo. Diante dessas condições decididamente desfavoráveis ​​para a família, as mulheres americanas estão reconsiderando seus planos de ter filhos.

Cerca de um terço das mulheres decidiu ter menos filhos ou adiar a gravidez por causa do coronavírus, de acordo com uma pesquisa com mais de 2.000 mulheres do Instituto Guttmacher, uma organização de pesquisa voltada para a saúde reprodutiva. Essa mudança de planos é significativamente mais comum entre grupos minoritários e aqueles que são economicamente mais vulneráveis.

Essas decisões seguem um padrão consistente na história americana: durante tempos de estresse econômico, a taxa de natalidade cai. Tanto a Grande Depressão de 1929 quanto a recessão de 2008 foram tempos de nascimento relativamente baixos; cerca de 2,3 milhões de crianças nasceram a menos entre 2008 e 2013 do que se os nascimentos tivessem continuado nas taxas anteriores à recessão.

Uma queda na taxa de fertilidade é uma indicação de falta de confiança no futuro, diz Kasey Buckles, professor de economia da Universidade de Notre Dame que pesquisou a fertilidade como um indicador econômico. “Considerando que as dificuldades econômicas e a incerteza afetam negativamente as intenções de fertilidade, também não é surpreendente que mulheres negras, hispânicas e de baixa renda tenham maior probabilidade de relatar essas mudanças, já que esses grupos foram os mais atingidos pela pandemia. “, disse. Ele diz. Durante a pandemia, afro-americanos e hispano-americanos enfrentaram taxas de desemprego mais altas do que os brancos.

As mulheres queer também tinham uma probabilidade significativamente maior de adiar ou ter menos filhos. Isso pode refletir diferentes níveis de acesso: Lésbicas podem ter dificuldade em obter os serviços de fertilidade necessários para ter um bebê durante a pandemia, diz Lee Badgett, economista da Universidade de Massachusetts Amherst.

Mas a estabilidade econômica também desempenha um papel. Ambos os serviços de fertilidade e adoção são uma despesa significativa. E para aquelas mulheres queer cujos parceiros são homens, a pesquisa de Badgett mostra que as mulheres bissexuais têm maior probabilidade de serem pobres do que as mulheres heterossexuais ou lésbicas. “Essas amplas comparações por orientação sexual podem estar escondendo o fato de que os desafios econômicos também tornam certas partes da comunidade queer menos propensas a ter filhos porque não têm dinheiro para engravidar ou criar filhos”, acrescenta ela.

Em meio a tantas dificuldades econômicas e incertezas na vida, estima-se que o número de novos nascimentos possa diminuir em meio milhão no próximo ano. Mas nem todos responderam à pandemia adiando os planos familiares: a pesquisa de Guttmacher descobriu que 17% das mulheres queriam ter mais filhos ou ter um filho antes devido à pandemia.



Fonte da Matéria

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar