Cidadania

Mídia estatal chinesa também é censurada no WeChat – Quartz


A mídia estatal chinesa, como todo mundo no país, está sentindo a mão forte dos censores.

De acordo com um relatório publicado hoje (16 de julho) sobre filtragem em tempo real no WeChat by Citizen Lab, um grupo de pesquisa baseado na Universidade de Toronto, o escopo da censura do aplicativo de chat agora é tão difundido que até cobre a mídia estatal. estar apenas relatando notícias que já passaram no teste de censura, destacando a crescente gravidade da repressão chinesa à liberdade de expressão na Internet.

O Citizen Lab informou que suas descobertas mostram que a TenCent, a gigante de tecnologia que possui o WeChat, agora censura muito mais do que apenas "informações governamentais negativas", mesmo com "referências neutras a políticas governamentais e capturas de tela de anúncios oficiais acessíveis por meio de Sites governamentais. "Considerado muito sensível. Ele disse que o Tencent provavelmente "super censurou imagens".

Os pesquisadores estudaram 220 imagens fornecidas em um banco de dados compilado pelo WeChatscope, um projeto de monitoramento da censura liderado pela Universidade de Hong Kong. Os resultados mostraram que as imagens mais censuradas no WeChat, entre as da amostra, se referiam ao que os pesquisadores chamavam de "questões relacionadas ao governo", como cartuns que zombam do sistema de justiça da China e um retrato do presidente Xi Jinping. criado por um artista italiano antes de Xi visitar o país em março. A segunda categoria de imagens mais censuradas foram aquelas relacionadas a "eventos" como a Revolução Cultural, a repressão da Praça Tiananmen, a Huawei, o escândalo de evasão fiscal da atriz Fan Bingbing e até as eleições de 2018 nos Estados Unidos.

Entre as 220 mensagens censuradas, o Citizen Lab descobriu que o Global Times publicou cinco imagens, conhecidas por suas visões nacionalistas. Essas imagens, publicadas em janeiro na conta pública do WeChat do jornal, eram relacionadas à saga da Huawei e foram removidas da plataforma. A publicação em questão criticava os chineses de etnia no Canadá que protestavam contra a Huawei, cujo vice-presidente financeiro, Meng Wanzhou, foi preso em Vancouver no ano passado, a pedido das autoridades norte-americanas. Em uma imagem, duas mulheres foram mostradas segurando faixas exigindo a extradição de Meng para os Estados Unidos, enquanto outra mostrava uma foto de Guo Baosheng, um dissidente político chinês quem o Global Times apontou como o organizador dos protestos contra Meng.

Além da publicação ligada à Huawei, que foi destacada no relatório do Citizen Lab, outras publicações do Global Times compiladas no banco de dados WeChatscope também foram removidas, disse Quartz, que inclui uma publicação de fevereiro sobre os problemas políticos do primeiro-ministro. O canadense Justin Trudeau, e um artigo sobre países que estavam considerando proibir a gigante chinesa de telefones inteligentes ZTE.

Em outros casos, o conteúdo da agência de notícias estatal Xinhua também foi censurado, incluindo um artigo sobre uma investigação oficial sobre um escândalo de vacina que foi censurado em julho do ano passado. A publicação de um show de fogos de artifício também foi censurada durante uma conferência internacional que contou com a presença dos líderes do país em junho de 2018. Não ficou claro em todos esses casos o que causou a censura.

Jeff Knockel, co-autor do relatório, disse que é difícil especular sobre como o mecanismo de censura do WeChat realmente funciona. Ele observou, no entanto, que a censura só funciona em contas chinesas registradas com um número de telefone chinês. "Se uma conta que não é da China envia uma imagem para outra conta que não é da China, ela não recebe o tipo de censura política e social que estudamos neste relatório", disse Knockel.



Fonte da Matéria

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar