Cidadania

Marcas chinesas lideram o mercado de smartphones 5G da África — Quartz Africa

À medida que mais países na África continuam testando as redes 5G, seus cidadãos estão atualizando seus smartphones 4G para os habilitados para 5G, para que possam fazer parte do que a Big Tech prevê que será o ponto de ignição da economia digital global.

Apesar do ritmo lento do desenvolvimento da infraestrutura de rede 5G na África, o entusiasmo por fazer parte da próxima geração da era da Internet continua alto.

Para atender a essa demanda, os fabricantes de smartphones 5G estão competindo nesse mercado com marcas chinesas liderando o caminho, de acordo com dados do segundo trimestre divulgados pela International Data Corporation (IDC), uma empresa de pesquisa de tecnologia com sede nos EUA.

“As remessas de dispositivos 5G aumentaram 26,9% no segundo trimestre de 2022 e sua participação geral no mercado está crescendo à medida que as principais marcas trazem mais dispositivos 5G emblemáticos para o mercado”, disse George Mbuthia, analista, no relatório.

Smartphones 5G estão se tornando mais acessíveis na África

O lançamento de dispositivos mais acessíveis de vários fornecedores está impulsionando essa alta adoção, e a IDC acredita que, à medida que a concorrência aumentar, os preços continuarão caindo. Quando alguns países lançaram redes 5G no ano passado, foi considerado um salto de fé, pois havia uma falta generalizada de smartphones habilitados para 5G. Mas agora é a hora da recompensa, dados os enormes investimentos necessários para configurar a infraestrutura 5G.

Em março passado, as vendas globais de smartphones 5G ultrapassaram o 4G pela primeira vez, atingindo 51%. “Os três principais mercados de smartphones na África por participação unitária no segundo trimestre foram África do Sul (16,6%), Nigéria (13,8%) e Quênia (7,7%)”, diz a IDC.

O relatório indica que o preço médio de venda de smartphones na África diminuiu 3% devido a uma queda acentuada de 22,3% nos volumes de remessa de dispositivos de médio porte que custam entre US$ 200 e US$ 450. No entanto, com 73,9%, os telefones 4G ainda representam a maior parcela do total de remessas, com 3G e 5G representando uma participação de 18,5% e 7,6%, respectivamente.

O mercado de smartphones da China caiu 14,7% no mesmo trimestre devido aos bloqueios da covid-19, enquanto o mercado global encolheu 8,7% no quarto trimestre consecutivo, para 286 milhões de unidades.

Mas mesmo com essa queda, a demanda por smartphones chineses continua crescendo, com a fabricante de smartphones Transsion Holdings, que fabrica as marcas Tecno, Infinix e Itel, ultrapassando a Samsung para se tornar a nova líder de mercado no segundo trimestre com 48%, ante 25,8% para Samsung. % após seus embarques caíram 11,3%.

Até a fabricante em terceiro lugar, Xiaomi, é chinesa. Ela tem uma participação unitária de 6,6% na África, já que a Apple, que cobra mais caro por smartphones, continua lutando para penetrar no mercado devido ao seu sistema operacional de código fechado. O sistema operativo Android domina em África com 84% do mercado, deixando o iOS com apenas 16%.

No entanto, o aumento da inflação, a guerra na Ucrânia e a escassez global de semicondutores causaram uma queda de 7,9% nas remessas de smartphones no segundo trimestre, mas a IDC projeta um crescimento no terceiro e quarto trimestres, 16,9% e 9,5%, respectivamente.

Source link

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo