Cidadania

Lagarde do BCE tem um trabalho ainda mais difícil do que Powell do Fed – Quartz

O Banco Central Europeu foi um dos últimos grandes bancos centrais a conter aumentos de juros, até esta semana.

Na quinta-feira, o BCE elevou as taxas em 0,50 ponto percentual, marcando sua primeira alta em 11 anos. O tamanho do aumento foi uma surpresa: os economistas esperavam que o banco central aumentasse as taxas em apenas 0,25 ponto percentual.

A alta ainda coloca o BCE bem atrás do Federal Reserve dos EUA, que elevou as taxas em 1,5 ponto percentual desde o início do ano e pode aumentá-las mais 0,75 ponto percentual no final de julho. Mas Lagarde e seus colegas têm boas razões para agir mais devagar. A economia da Europa está em um estado frágil, pois absorve os choques da invasão russa da Ucrânia. Já estava no meio de uma crise de energia antes que a recente onda de calor paralisante colocasse mais restrições nos suprimentos.

Também há uma preocupação crescente de que o presidente russo, Vladimir Putin, pare de enviar gás natural para a Europa, embora esses temores tenham sido um pouco dissipados depois que a Rússia restaurou o fluxo de um importante oleoduto na quinta-feira. O Fundo Monetário Internacional alertou que isso levaria vários estados da UE à recessão, com Hungria, Eslováquia e República Tcheca sendo os mais atingidos. Enquanto isso, os riscos de seca estão contribuindo para os já altos preços dos alimentos.

Inflação na UE vs. EUA

A inflação da UE ultrapassou 2% em meados de 2021, como nos EUA, mas ficou abaixo dos níveis dos EUA até recentemente. Os preços ao consumidor subiram 8,6% em junho em relação ao ano anterior.

O BCE está agora também a lidar com a queda do valor do euro face ao dólar americano. Com o dólar sendo a moeda de escolha para o comércio global, isso aumentará os preços de importação europeus de mercadorias ao mesmo tempo em que os preços do gás disparam, disse Greg Fuzesi, economista da zona do euro do JPMorgan Chase, em comunicado.

O BCE também tem que ir mais longe do que o Fed para tornar os empréstimos mais caros porque sua taxa alvo é menor do que a do Fed quando começou a apertar. Dados os crescentes desafios da economia europeia, o banco central pode ter que acelerar ainda mais o ritmo de suas altas nos próximos meses.

Source link

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo