Cidadania

Janet Yellen apóia um imposto sobre o carbono, mas o que isso significa? – quartzo


A eleição do presidente eleito dos EUA, Joe Biden, para secretário do Tesouro, economista e ex-presidente do Federal Reserve, Janet Yellen, expressou apoio aos impostos sobre o carbono.

Yellen é membro fundador do Climate Leadership Council, um instituto de política internacional com a missão declarada de taxar o carbono como forma de reduzir as emissões de gases de efeito estufa. O grupo é apoiado por empresas de energia como BP, ExxonMobil e Shell.

“Vejo o apoio republicano, e não apenas o apoio democrata, a uma abordagem que envolveria um imposto sobre o carbono com redistribuição. Não é politicamente impossível ”, disse Yellen à Reuters em uma entrevista em outubro.

O plano apoiado por Yellen (pdf) propõe um imposto inicial sobre o carbono de US $ 40 por tonelada métrica, com um aumento anual de 5%. Se implementado em 2021, poderia cortar as emissões de dióxido de carbono dos Estados Unidos pela metade até 2035. A iniciativa canalizaria a receita de volta para as famílias por meio de dividendos iguais no valor de aproximadamente US $ 2.000 por ano para uma família de quatro.

A precificação do carbono está ganhando popularidade em todo o mundo e provavelmente logo se tornará um ponto de discussão em Washington. Aqui está uma rápida atualização sobre o que é e quais países já estão a bordo.

O que é um imposto sobre o carbono?

O imposto sobre o carbono é uma política que impõe uma taxa sobre as emissões de dióxido de carbono, geralmente por tonelada métrica. A estratégia visa reduzir as emissões que aquecem o planeta, tornando-as caras.

Normalmente existem duas formas de impostos sobre o carbono: os que tributam a quantidade de emissões produzidas e os que tributam bens e serviços intensivos em gases de efeito estufa, como a gasolina.

Os impostos sobre o carbono são uma das duas principais estratégias políticas para definir o preço do carbono. O outro é denominado Emissions Trading Schemes (ETS), também conhecido como “limite e comércio”. Freqüentemente, há confusão em torno desses termos e é comum encontrar o ETS como um imposto de carbono.

Como funcionam os impostos de carbono?

O estabelecimento de um imposto sobre o carbono requer a consideração de vários fatores:

⛽️ Quem pagará os impostos? O imposto pode ser cobrado em qualquer parte da cadeia de fornecimento de energia. O imposto será aplicado a fornecedores ou ao consumidor?

💰 Qual será o valor? Qual será o imposto e essa taxa aumentará com o tempo? Um aumento de preço pode sinalizar urgência e encorajar aqueles que são tributados a fazer mudanças mais agressivas para reduzir as emissões.

⚡️ Quem será afetado? As famílias de baixa renda tendem a gastar uma proporção maior de sua renda em energia, o que significa que um imposto sobre o carbono que aumenta os custos de energia afetaria desproporcionalmente os pobres.

🌍 Para onde irá a renda? O dinheiro arrecadado com o imposto pode ser usado de várias maneiras. Uma opção é devolver a totalidade ou parte dos fundos ao público. Alternativamente, o dinheiro pode ser investido em fundos climáticos ou esquemas de resiliência.

Quais países têm preços de carbono?

Quarenta e seis países têm algum tipo de plano nacional de precificação de carbono, de acordo com o Banco Mundial. Essas iniciativas cobrem quase 20% das emissões globais de gases de efeito estufa.

Os Estados Unidos não têm um plano federal de precificação de carbono, mas há um punhado de iniciativas em nível estadual. Nenhuma das iniciativas regionais são impostos sobre o carbono; todos são esquemas de comércio de emissões.

Qual país tem o imposto de carbono mais alto?

A Suécia tributa as emissões de carbono em US $ 119 por tonelada métrica, o maior valor do mundo, de acordo com o Banco Mundial (pdf). O limite inferior para o México, Polônia e Ucrânia são os impostos mais baixos sobre o carbono, menos de US $ 1.

Embora seja informativo comparar a distribuição de preços entre países e políticas, deve-se notar que fazer comparações diretas pode ser difícil. Os planos podem ser diferentes com base nas indústrias e setores que cobrem, como as taxas são atribuídas e se há ou não isenções específicas.

Os impostos sobre o carbono são eficazes?

Os economistas têm apoiado com entusiasmo a ideia de precificar o carbono por anos. Se você der às empresas um incentivo monetário para cortar suas emissões, elas o farão. Ou assim vai a teoria. E os modelos de pesquisadores e exemplos do mundo real confirmam sua eficácia. No entanto, na prática, os impostos sobre o carbono são um ator de apoio e outras políticas além da precificação do carbono continuam a impulsionar a maioria das reduções de emissões. Por que é isso?

🛢 Cobertura limitada. Apenas 20% das emissões globais são cobertas por algum tipo de preço do carbono.

📉 Preços baixos. Dos países que implementam a precificação do carbono, a maioria tem tarifas muito baixas para ter um impacto significativo na redução de emissões.

🗳 Popularidade política. A precificação do carbono não é popular entre os eleitores, já que as taxas muitas vezes acabam refletindo em seus próprios gastos diários por meio do aumento das contas de serviços públicos ou dos preços da gasolina. Isso mantém as taxas baixas ou impede que os impostos sobre o carbono se transformem em lei.

Em última análise, a precificação do carbono, seja na forma de um imposto ou como um esquema de limite e comércio, é uma ferramenta útil para os formuladores de políticas que buscam reduzir os gases de efeito estufa prejudiciais. No entanto, ele não se mostrou suficiente por si só.



Fonte da Matéria

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar