Cidadania

Igualdade de acesso, líderes empáticos – Quartz India


“Quando as mulheres apóiam outras mulheres, coisas incríveis acontecem.” Parece inspirador, certo? Se você é uma mulher lendo isto, não te culpo por dizer sim. Mas, se você é um homem e está balançando a cabeça ou apenas se sentindo indiferente, então, inconscientemente, você pode ser parte do problema. Como líder de RH, considero essa afirmação irritante. É um reflexo pobre dos homens e destaca o problema existente do “clube dos meninos” nos locais de trabalho, não apenas em toda a Índia, mas em todo o mundo.

Você pensaria que em 2021 estaríamos além da cultura do bando, mas aqui estamos!

Um estudo recente do LinkedIn mostrou que enquanto 66% dos indianos sentem que a igualdade de gênero melhorou em comparação com o tempo de trabalho dos pais, 85% das mulheres ainda acreditam que um aumento ou aumento foi perdido. Na verdade, uma em cada cinco trabalhadoras disse que suas empresas tendiam a favorecer os homens.

Existe também uma grande lacuna de percepção em relação às experiências de trabalho de ambos os sexos. Enquanto 37% das mulheres que trabalham na Índia dizem que têm menos oportunidades do que os homens, apenas 25% dos homens concordam que isso acontece. Da mesma forma, 37% das mulheres afirmam receber menos salário do que os homens, enquanto apenas 21% dos homens compartilham desse sentimento.

Dado que a maioria dos cargos de liderança ainda é ocupada por homens, essa disparidade de percepção representa um grande desafio. O status quo permanecerá a menos que os homens se juntem a esta luta para criar um equilíbrio em que ambos os sexos possam ter justiça.

Igualdade versus equidade

Os últimos dados disponíveis (pdf) da Organização Internacional do Trabalho mostram que a taxa de participação das mulheres na força de trabalho diminuiu para 27,2% em 2011-2012 de 34,1% em 1999-2000.

Além disso, de acordo com dados do National Statistical Office, mais de 90% das mulheres indianas realizavam trabalho doméstico não remunerado em casa em 2019, em comparação com 27% dos homens. E, apenas 22% das mulheres participavam do emprego e outras atividades relacionadas, em comparação com 71% dos homens.

Quando você olha para esses números juntos, eles indicam claramente o fato de que, embora tenhamos lutado pela igualdade no local de trabalho, a palavra parece ter perdido sua essência. Criar oportunidades iguais é importante, mas não significa nada sem igualdade de acesso. Não se trata mais de igualdade, mas de justiça para nivelar o campo de jogo.

Se operamos em um ambiente externo no qual a maioria da população recai sobre o fardo das responsabilidades domésticas exclusivamente sobre as mulheres, a cultura do local de trabalho deve alterar isso. Os líderes não podem mais fechar os olhos a esses fatos pertinentes e devem criar políticas que permitam às mulheres cumprir suas responsabilidades profissionais sem criar barreiras em casa. O fato é que, se suas condições de trabalho forem insustentáveis, as mulheres optarão por abandonar totalmente a força de trabalho.

Horários de trabalho flexíveis, contratos de trabalho e modelos de trabalho em casa têm sido benéficos para manter as mulheres na força de trabalho. Considere, por exemplo, o setor de seguros de vida, que tem um histórico comprovado de envolvimento significativo das mulheres no trabalho. Considerando que o negócio de aconselhamento oferece horários flexíveis de trabalho, mais mulheres podem cumprir com suas responsabilidades de cuidadoras e também ter independência financeira. Isso levou a um aumento gradual no número de mulheres conselheiras que trabalham no setor de seguros ao longo dos anos.

Os temidos anos sabáticos

A maternidade ou outras responsabilidades de cuidador (que geralmente recaem sobre as mulheres) fazem com que mais mulheres parem de trabalhar do que os homens. No entanto, quando essas mulheres desejam retomar o trabalho, muitas vezes é uma tarefa difícil. Tenho interagido pessoalmente com mães que desejam retomar o trabalho, mas descobrem que precisam se submeter a vários testes para isso.

A falta de uma rede dentro da profissão de sua escolha e a preocupação com a falta de habilidades relevantes são os principais desafios que enfrentam. Mesmo que uma mulher com um intervalo na carreira seja incluída como candidata a um emprego, ela frequentemente se preocupa em justificar seu compromisso com o empregador em potencial e em explicar por que a interrupção da carreira foi necessária. As mulheres em tais condições muitas vezes têm que se contentar com uma designação inferior e um salário mais baixo.

No entanto, à medida que o local de trabalho se torna mais fluido do que antes, devemos deixar esse pensamento tradicional para trás, pois ele contribui para uma cultura de disparidade entre os dois gêneros no trabalho. Em vez de punir uma lacuna em seu currículo, devemos apoiar o retorno ao trabalho não apenas para mulheres, mas também para homens.

Diversas empresas já estão percebendo a evolução dos tempos e criando políticas propícias para que as mulheres retornem ao trabalho após uma longa pausa. Eles também estão investindo pesadamente no treinamento desses funcionários para ajudá-los a recuperar o tempo perdido.

Liderança empática

A pandemia Covid-19 mostrou ao mundo como as mulheres podem administrar com eficácia uma empresa ou um país durante uma crise. Considere, por exemplo, países com liderança feminina, como Dinamarca, Alemanha e Nova Zelândia. Essas nações têm sido muito mais eficazes na gestão da pandemia em comparação com países com liderança masculina. Essas nações viram menos mortes relacionadas a Covid, menos dias com mortes confirmadas e um pico mais baixo de mortes diárias.

Um estudo mostrou que as mulheres líderes mudaram rapidamente seus modelos de negócios para alcançar maior relevância durante a pandemia, e a maioria estava confiante em superar essa crise.

As mulheres líderes demonstraram liderança autêntica, confiante, eficaz e empática durante a crise, e as organizações estão demonstrando uma preferência crescente por essa liderança.

A ideia de liderança e, portanto, os traços que um líder deve possuir mudaram significativamente no último ano. As líderes femininas frequentemente ouvem “como ser” e imitar os líderes masculinos costuma ser visto como o ideal. No entanto, a pandemia demonstrou a eficácia da liderança empática sobre a liderança agressiva e hiper-masculina.

Isso não quer dizer que os homens não tenham demonstrado o antigo tipo de liderança, mas as mulheres têm mais. À medida que as empresas continuam a enfrentar uma situação sem precedentes com a pandemia em andamento, o trabalho em equipe, a sensibilidade, a inclusão, a colaboração e a compreensão continuarão a aumentar a preferência.



Fonte da Matéria

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar