Cidadania

H&M enfrenta ação coletiva por conta de pontuação ambiental incorreta – Quartz

A marca de fast fashion H&M está sendo processada por marketing enganoso e falso de sustentabilidade. A ação coletiva proposta, que se baseia em grande parte na pesquisa Quartz recentemente publicada sobre o práticas de marketing de sustentabilidade do varejista, afirma que a publicidade da H&M é “projetada para enganar os consumidores sobre os atributos ambientais de seus produtos”.

O processo (pdf) foi aberto no tribunal federal de Nova York por Chelsea Commodore, uma moradora do estado de Nova York que comprou vários itens que a H&M vendia sob o rótulo “escolha consciente”. De acordo com os materiais de marketing da varejista, esses produtos são feitos com “pelo menos 50% mais materiais sustentáveis”.

A Commodore afirma que a H&M “deturpou a natureza de seus produtos, às custas dos consumidores pagarem um preço premium na crença de que estão comprando roupas verdadeiramente sustentáveis ​​e ecologicamente corretas”.

Um representante da H&M disse que a empresa leva As alegações de Commodore são levadas a sério e estão sendo “minuciosamente investigadas”. Eles acrescentaram que o varejista não tem mais comentários sobre o processo no momento.

Em junho, a Quartz publicou uma investigação que descobriu que a H&M mostrava aos clientes classificações ambientais para suas roupas que eram enganosas e, em vários casos, completamente erradas. Os scorecards foram feitos para dar aos clientes uma maneira de comparar o impacto ambiental de suas compras, com base em fatores como a quantidade de água e combustíveis fósseis usados ​​para criar os materiais em uma peça de vestuário.

Relatórios de quartzo mostraram que mais da metade dos scorecards afirmavam que uma roupa era melhor para o meio ambiente quando, na verdade, não era mais sustentável do que roupas comparáveis ​​feitas pela empresa. E em alguns casos, os dados exibidos estavam completamente errados. Esses painéis foram removidos de todos os sites da H&M.

Acusações de lavagem verde

As descobertas do Quartz apoiam a afirmação do Commodore, que também aponta para outras formas de alegada lavagem verde da H&M. O processo também contesta as alegações da empresa sobre o conteúdo sustentável de sua coleção de “escolha consciente” e argumenta que o programa de reciclagem da empresa é enganoso.

“Baseado em [H&M’s] extensa campanha de greenwashing, um consumidor razoável esperaria que os Produtos fossem sustentáveis”, afirma o documento, que afirma que as práticas da H&M violam a Lei Geral de Comércio de Nova York.

A Bursor & Fisher, empresa que representa a Commodore, não respondeu imediatamente a um pedido de comentário da Quartz.

Source link

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo