Cidadania

Google confiante de que seu cabo submarino de Internet será lançado este ano

As grandes empresas de tecnologia do Vale do Silício tendem a concentrar a maior parte de sua atenção nos EUA e na Europa, onde ganham mais dinheiro. Mas eles também estão cada vez mais de olho na África. A Amazon está construindo uma equipe Prime Video para desenvolver filmes e séries nigerianas originais, enquanto a Microsoft abriu escritórios multimilionários para suas equipes de engenharia africanas no Quênia e na Nigéria.

Mas os projetos de cabos submarinos de Internet da Meta e do Google podem ser o pico do atual pacote de investimentos focados na África do Vale do Silício. No caso do Google, o cabo de Portugal desembarcou no Togo e na Nigéria, e seguirá para Santa Helena, Namíbia e África do Sul. Espera-se que esteja online antes do final deste ano.

Juliet Ehimuan, diretora do Google para a África Ocidental, que esteve na vanguarda do processo de instalação de cabos de Internet ‘Equiano’ da empresa na África, explicou à Quartz o que a empresa espera ganhar com o projeto. A entrevista foi editada para maior extensão e clareza.

Quartz: Qual foi a diferença em desembarcar Equiano na Nigéria versus Togo?

Julieta Ehimuan: Precisamos de um parceiro de aterrissagem em cada país para aterrar o cabo. Para o Togo, o CSquared Woezon foi nosso parceiro de desembarque. Na Nigéria, foi a WIOCC (West Indian Ocean Cable Company). Essa é uma diferença: o parceiro de desembarque é único com base em cada local e cada um possui uma licença de operação do respectivo país.

Mas o objetivo geral é o mesmo. Nosso objetivo é fornecer capacidade adicional para impulsionar o crescimento da Internet e dar suporte à demanda futura. Estamos vendo essa demanda no consumo de nossos próprios serviços, que também serão construídos nessa infraestrutura. Nossa pesquisa (pdf) mostrou que este projeto pode melhorar a velocidade da Internet em seis vezes e reduzir os preços de dados da Internet no varejo para os consumidores em mais de 20%, e isso é significativo.

Quartz: Como você convence os governos de que este cabo é bom para eles?

Ehimuan: Os objetivos são os mesmos, mas é claro que a ordem de grandeza é diferente, dependendo apenas do tamanho da população de cada país e, portanto, da oportunidade. É importante mostrar o benefício para a economia em geral e como isso se alinha com sua agenda.

No Togo, a Ministra das Comunicações e Transformação Digital, Cina Lawson, e o Presidente viram Equiano como parte integrante do avanço de sua missão em torno do crescimento e transformação digital. Na Nigéria, tivemos o apoio do regulador do setor de comunicações e ministérios relevantes para fazer parceria com a WIOCC. A Nigéria tem uma estratégia digital e os benefícios que esperamos da Equiano estão alinhados com a política.

Quartzo: Ainda em parceria, o governo do estado de Lagos vem cavando o terreno e instalando dutos para cabos de fibra óptica ao redor da metrópole. O Google teve algum compromisso direto com eles sobre como a Equiano poderia se conectar ao projeto de fibra?

Ehimuan: Há alguns anos, fizemos parte do comitê de banda larga que criou o Plano de Banda Larga da Nigéria. Houve diferentes iterações disso desde então, mas expôs claramente alguns dos desafios que afetam a implantação da infraestrutura e a última milha: alto custo do direito de passagem, dupla tributação dos governos federal e estadual, cortes de cabos.

Este último é o que Lagos está abordando ao criar pipelines. Os cabos são danificados durante eventos como construção de estradas e o custo de reparo dos cabos é alto. O conduíte cria uma maneira mais estruturada e segura de passar cabos.

Quartz: Então, o que há para o Google?

Ehimuan: Nosso negócio é online. Nossos produtos e serviços são digitais. Para as pessoas acessá-los, eles precisam de conectividade. No entanto, nossa filosofia interna é ser centrada no cliente e tudo o mais seguirá. Portanto, estamos investindo antes do retorno financeiro. Em vez de esperar até algum momento no futuro, quando o mercado estiver totalmente pronto e vibrante, vamos fazer parte da construção do mercado. Se a Internet crescer, muitas organizações, incluindo o Google, serão beneficiadas.

É por isso que nossa estratégia nos últimos 10 anos tem sido nos comprometer com vários pilares que podem ajudar a acelerar a adoção digital. Isso inclui projetos de infraestrutura como Equiano, mas também parcerias com fabricantes de equipamentos originais (OEMs) e telcos para reduzir os custos de dispositivos e pacotes de dados. É tudo o que pode garantir uma comunidade digital viril.

Quartz: Só para ficar claro, o Google tem interesse financeiro em fazer o cabo funcionar na Nigéria?

Ehimuan: Eu certamente espero que sim! Isso significa que estamos levando a região a sério. Que é uma região que tem talento, potencial e oportunidade. E que este é um lugar onde você pode fazer negócios. Não é um caso de caridade onde sentimos pena das pessoas. Como nigeriano, prefiro a primeira narração. Mas queremos fazer negócios com responsabilidade para tornar a vida melhor.

Quartzo: Correto. O Google está na Nigéria há mais de uma década. Equiano é o mais importante de seus investimentos aqui?

Ehimuan: Se você tentar pensar sobre o que é preciso para atualizar o Google Maps, você usa o Google Maps?

Quartz: Minha vida é baseada no Google, então sim.

Ehimuan: Sim, as pessoas usam o Google Maps para obter informações de trânsito e, na maioria das vezes, são precisas. Agora imagine o que é preciso para colocar a informação cartográfica apenas de Lagos online, para obter informações de trânsito em tempo real, para obter o Street View usando fotografias reais. É um ótimo investimento, mas não necessariamente o anunciamos, desde que funcione. Tivemos todos os tipos de iniciativas, incluindo treinamento, subsídios para startups e suporte sem fins lucrativos.

Quartz: Onde os Grupos de desenvolvedores do Google nos campi universitários se encaixam em sua estratégia?

Ehimuan: Se você pensar nas diferentes partes necessárias para ter um cenário digital viril, precisará de desenvolvedores que possam criar ótimos aplicativos que resolvam problemas locais. Portanto, é importante investir no treinamento inicial do desenvolvedor; estamos aguçando o apetite entre os jovens para abraçar a tecnologia e criar oportunidades.

Quartz: Sobre a Equiano, qual será a relação comercial entre Google, WIOCC e provedores de serviços de internet na Nigéria?

Ehimuan: Este cabo tem 20 vezes mais capacidade do que os cabos anteriores, mas quero dar crédito aos projetos anteriores porque todo investimento é útil para nos trazer até aqui e onde queremos ir. Então eu reconheço MainOne, WACS (West African Cable System) e assim por diante. A intenção com a Equiano é poder fazer parcerias com provedores de serviços de internet para repassar a largura de banda adicional e disponibilizá-la aos usuários.

Quartz: E os ISPs vão pagar por isso, sim?

Ehimuan: Esses detalhes serão gerenciados pela WIOCC.

Quartzo: Está tudo bem. O que precisa ser feito para maximizar o valor da Equiano?

Ehimuan: Seria o mesmo conjunto de coisas que se aplicam geralmente à facilidade de operação, algumas das quais já mencionei: dupla tributação, taxas de direito de passagem, todos os fatores que tornariam mais fácil administrar um negócio.

Quartz: Existe um universo onde Equiano não cumpre sua promessa?

Ehimuan: Seria difícil para mim ver isso porque há investimentos comprometidos com o projeto. O cabo está a caminho de vir à tona antes do final deste ano. Muito trabalho foi feito para garantir que cumprimos essa linha do tempo. Tenho 100% de certeza de que será lançado. Isso faz parte da equação.

A outra parte é que, para o usuário final experimentar os benefícios, ele precisa obter esse recurso. É por isso que há conversas sobre associações. A WIOCC anunciou um acordo com a Phase 3 Telecom (uma empresa de transmissão de rede) no dia em que anunciamos o desembarque do cabo na Nigéria.

Source link

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo