Cidadania

Gigantes da mídia social admitem que não podem proteger mulheres online – Quartz

[ad_1]

Facebook, Twitter, TikTok e YouTube fizeram sua primeira promessa conjunta de conter o assédio que as mulheres enfrentam em suas plataformas, de acordo com a World Wide Web Foundation. Os gigantes da mídia social se comprometeram em 1º de julho a dar aos usuários um controle mais granular sobre quem interage com suas postagens e melhorar seus processos de relatório, por exemplo, dando aos usuários a capacidade de rastrear suas denúncias de assédio durante cada estágio de revisão..

As promessas são o culminar de uma campanha de defesa da World Wide Web Foundation, que escreveu uma carta aberta aos CEOs das quatro empresas assinada por 212 ativistas, acadêmicos, políticos, jornalistas e líderes da sociedade civil. “Quatro das maiores plataformas de tecnologia do mundo trabalharam com a Web Foundation para adotar um ousado conjunto de compromissos para lidar com o abuso online e melhorar a segurança das mulheres em suas plataformas, marcando a primeira vez que houve uma colaboração entre as indústrias sobre as formas que as empresas podem resolver o problema ”, disse ele em um comunicado.

Cada uma dessas empresas individualmente assumiu compromissos semelhantes no passado. O Facebook introduziu ferramentas anti-bullying projetadas para ajudar os usuários a evitar mensagens e pedidos de amizade indesejados em 2017. Naquele ano, o Twitter fortaleceu suas ferramentas de denúncia e endureceu suas regras sobre nudez não consensual em uma tentativa de tornar as mulheres mais seguras online. O YouTube prometeu intensificar seu aplicativo anti-bullying em 2019, e o TikTok deu aos usuários mais poder para denunciar, bloquear ou excluir comentários em seus vídeos no ano passado.

Mas, embora essas medidas possam ter ajudado, não está claro se elas reduziram significativamente o abuso online. O bullying continua a ser muito pior para as mulheres, pessoas de cor e outros grupos marginalizados, de acordo com os pesquisadores. Mais de um terço das mulheres pesquisadas por O economista no ano passado, ele relatou pessoalmente ter sofrido abuso online. As mulheres negras têm 84% mais probabilidade do que as brancas de serem assediadas, de acordo com uma análise da Anistia Internacional de tweets recebidos por 778 jornalistas e políticos.

Um manual para conter o bullying

O anúncio de hoje é uma admissão coletiva pelos principais gigantes sociais do mundo de que seus esforços não foram suficientes para proteger as mulheres online (ou outros usuários que poderiam ser assediados, por falar nisso). Mas no anúncio desta semana, programado para coincidir com o Fórum da Igualdade de Geração da ONU em Paris, eles mais uma vez se comprometeram a fazer melhor.

Desta vez, as empresas têm o benefício de 11 recursos prototipados apresentados pelo Laboratório de Design de Políticas de Tecnologia da World Wide Web Foundation. Facebook, Twitter, TikTok e YouTube não estão comprometidos com a implementação de nenhuma dessas propostas, especificamente, mas oferecem planos claros para os tipos de ferramentas que as empresas podem implementar para cumprir seus compromissos.

As mulheres que sofreram bullying colaboraram com ativistas, acadêmicos, funcionários do governo e representantes de empresas de tecnologia para projetar ferramentas que poderiam tê-las ajudado quando estavam sofrendo abuso online. Eles incluem um único botão que permitiria aos usuários que se tornaram virais inesperadamente limitar as interações com suas postagens com um único clique, uma ferramenta que permitiria aos usuários delegar a tarefa de denunciar o assédio a contatos confiáveis ​​e um recurso de reconhecimento. Imagens que plataformas de pista. para obter imagens de um usuário postadas por outras pessoas e autorizar o usuário a revisar e relatar postagens abusivas.

A World Wide Web Foundation está empenhada em publicar um relatório anual que rastreia o progresso dos gigantes sociais em relação aos seus compromissos de melhorar os relatórios e dar aos usuários mais poder para selecionar com quem interagir online. O grupo diz que vai testar todas as novas ferramentas que as plataformas de mídia social criarem, mantê-las dentro do cronograma para lançar essas ferramentas e pressionar as empresas a divulgarem dados transparentes sobre o impacto que as ferramentas estão tendo sobre o bullying. “Com seus recursos e alcance, essas quatro empresas têm o poder de conter esse abuso e melhorar as experiências online de centenas de milhões de mulheres e meninas”, disse Azmina Dhrodia, gerente sênior de políticas da Web Foundation, em um comunicado. “Agora, eles tiveram a oportunidade de trabalhar em conjunto com especialistas líderes de diferentes setores para co-criar soluções que podem levar a mudanças reais em toda a indústria.”

[ad_2]

Source link

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo