Cidadania

Facebook atrai trolls da desinformação russos e franceses na África – Quartz


Enquanto as potências mundiais lutam para influenciar a política e as eleições na África, elas recorrem às redes sociais e visam aos usuários africanos informações enganosas.

O Facebook afirma ter removido mais de 500 contas do Facebook e Instagram, páginas e grupos originários da Rússia e da França, visando 13 países africanos e o Oriente Médio.

Os países africanos selecionados foram da África Ocidental e do Norte, principalmente República Centro-Africana (CAR), Tunísia, Líbia e Mali e, em menor escala, Níger, Burkina Faso, Argélia, Costa do Marfim e Chade.

O Facebook classificou a interferência estrangeira como comportamento inautêntico coordenado em nome de uma entidade estrangeira ou governamental.

via facebook

Na República Centro-Africana, que realizará eleições ainda este mês, grupos de desinformação ligados à França e à Rússia comprometeram-se “, até fazendo amigos, comentando e criticando o adversário por ser falso”.

Com postagens principalmente em francês e árabe, eles cobriram “notícias e eventos atuais, incluindo as políticas da França na África francófona, alegações de possível interferência russa nas próximas eleições na República Centro-Africana, comentários de apoio sobre o exército francês e críticas à participação. da Rússia na República Centro-Africana “. de acordo com o Facebook.

O Facebook observa que grupos de desinformação ligados à Rússia usaram contas falsas para se passar por locais em seus países-alvo. Eles então criariam conteúdo enganoso e o distribuiriam por meio de plataformas de mídia social.

Apesar do fato de que as pessoas por trás de alguns dos relatos de desinformação vinculados à França tentaram esconder suas identidades e coordenação, as investigações do Facebook encontraram links para pessoas associadas aos militares franceses.

Facebook

Tradução: #Africa – A Agência Francesa de Desenvolvimento anuncia o lançamento da iniciativa “Covid-19 – Saúde em comum”, de 1.200 milhões de euros até ao verão de 2020, em resposta à crise sanitária global provocada pela pandemia de Covid. 19

Esta não é a primeira vez que países estrangeiros usam desinformação nas redes sociais para atingir os usuários africanos, já que em 2019 o Facebook removeu contas associadas à Rússia que espalhavam informações enganosas para influenciar eleições e política. O Facebook acredita que os sindicatos russos recentes são iguais aos de 2019, que estão apenas tentando reconstruir suas operações.

O gigante da mídia social observa que os grupos russos tinham laços com pessoas associadas à Internet Investigation Agency (IRA), uma organização conhecida pela desinformação online dirigida pelo empresário russo Yevgeniy Prigozhin, que foi acusado de intromissão em as eleições de 2016 nos EUA e processados ​​pela justiça dos EUA. Departamento.

Nos últimos anos, tem havido uma luta renovada por parte das potências mundiais para garantir a influência econômica e política, criando oportunidades de negócios na África. Os chineses têm dominado o comércio com o continente nas últimas duas décadas e grandes economias como Rússia, França, Turquia, Índia e Japão estão ansiosas para aprofundar os laços econômicos.

Mas as revelações do Facebook vêm enquanto muitos governos na África estão silenciosamente tornando difícil para os usuários de mídia social se expressarem livremente ou questionarem seus líderes online, elaborando e implementando regulamentos pesados ​​que exigem que os usuários se inscrevam. reguladores e fiscalizam blogueiros e criadores de conteúdo. pagar impostos exorbitantes em alguns casos.

Além do Lesoto e do Zimbábue, países como Uganda, Tanzânia e Burkina Faso estão entre aqueles que aderiram a uma tendência crescente de supervisão regulatória pesada de usuários de mídia social. Isso se tornou particularmente crucial em torno das eleições nesses países.

Ironicamente, alguns governos podem ver notícias como os últimos anúncios do Facebook para justificar bloqueios de mídia social ou paralisações de internet antes das eleições.



Fonte da Matéria

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar