Cidadania

Empréstimos por dinheiro móvel no Quênia ajudam, mas também aumentam a dívida – Quartz Africa


Nos últimos 10 anos, os empréstimos móveis cresceram no Quênia. Algumas estimativas colocam o número de plataformas de empréstimos móveis em 49. O setor não é regulamentado em grande parte, mas inclui os principais atores financeiros. Bancos como o Kenya Commercial Bank, o Commercial Bank of Africa, o Equity Bank e o Coop Bank oferecem empréstimos móveis instantâneos.

Esses serviços de empréstimo foram possíveis graças ao setor de tecnologia financeira (fintech).

Desde o início dos anos 2000, o Quênia tem sido promovido como um centro de inovação tecnológica do qual surgiram novas ofertas financeiras. O M-Pesa da empresa de telefonia móvel Safaricom é um exemplo bem conhecido. Não é de surpreender, portanto, que a tecnologia e os empréstimos não regulamentados tenham se desenvolvido tão fortemente no Quênia.

A velocidade e a facilidade de acesso ao crédito por meio de aplicativos móveis fizeram com que muitos mutuários emprestassem muito.

Os serviços de empréstimos digitais parecem estar diminuindo a diferença para quenianos que não possuem contas bancárias formais ou cuja renda não é estável o suficiente para obter empréstimos de instituições financeiras formais. Esses serviços melhoraram o acesso a empréstimos, mas há dúvidas sobre se os pobres estão sendo maltratados no processo. Uma pesquisa publicada no início deste ano mostrou que a inclusão financeira formal (acesso a produtos e serviços financeiros) aumentou de 27% da população do Quênia em 2006 para 83%. O M-Pesa foi lançado em 2007. Os serviços de dinheiro móvel beneficiaram muitas pessoas que, de outra forma, permaneceriam sem uma conta bancária. Estes incluem os pobres, jovens e mulheres. O próximo passo lógico foi disponibilizar os empréstimos. Os primeiros empréstimos móveis foram emitidos em 2012 pela Safaricom através da M-Pesa.

Em 2017, a organização de inclusão financeira Financial Sector Aprofundando o Quênia informou que a maioria dos quenianos acessa crédito digital para fins comerciais, como investir e pagar salários, e para atender às necessidades diárias das famílias.

Algumas de suas descobertas são ilustradas na figura abaixo.

Descompactando a história dos empréstimos digitais

As implicações desses achados são duplas. O crédito digital pode ajudar as pequenas empresas a escalar e gerenciar seu fluxo de caixa diário. Também pode ajudar as famílias a lidar com situações como emergências médicas.

Até 35% dos empréstimos são para consumo, incluindo necessidades domésticas e tempo de antena, mas não para negócios ou emergências.

Mas, como mostra a figura, 35% dos empréstimos são destinados ao consumo, incluindo necessidades domésticas comuns, tempo de antena e bens pessoais ou domésticos. Essas não são as necessidades comerciais ou de emergência previstas por muitos no mundo dos investimentos como uso do crédito digital. Apenas 37% dos mutuários relataram usar crédito digital para negócios e 7% usaram para emergências. Muitos no mundo do desenvolvimento pensaram que esse número seria muito maior. Segundo, a velocidade e a facilidade de acesso ao crédito por meio de aplicativos móveis fizeram com que muitos mutuários emprestassem muito. No Quênia, pelo menos um em cada cinco tomadores de empréstimos tem dificuldade em pagar seu empréstimo. Isso é o dobro da taxa de inadimplência dos empréstimos comerciais nos bancos convencionais.

Apesar do tamanho pequeno, os empréstimos móveis costumam ser muito caros. As taxas de juros são altas, algumas até 43%, e os mutuários devem pagar pagamentos em atraso.

O modelo de negócios de empréstimos baseados em negócios móveis depende de convidar constantemente as pessoas a tomar empréstimos. Os potenciais mutuários recebem mensagens de texto e chamadas telefônicas não solicitadas que os incentivam a tomar empréstimos a taxas extraordinárias. Algumas plataformas chegam a contatar parentes e amigos de mutuários quando solicitam reembolso.

Nem sempre é claro para os clientes o que eles terão que pagar em taxas e juros ou em quais outros termos eles concordaram. O modelo foi acusado de pedir que os mutuários, sem saber, entreguem partes importantes de seus dados pessoais a terceiros e renunciem seus direitos à dignidade.

Preocupações e soluções

Há preocupações sobre como o modelo de negócios pode tornar as pessoas ainda mais vulneráveis.

O mais proeminente é a cultura da dívida que se tornou um subproduto de empréstimos baseados em dispositivos móveis: os mutuários caem na armadilha de viver com empréstimos e acumular dívidas incobráveis.

Então, o que pode ser feito para melhorar o sistema para que todos se beneficiem?

Primeiro, embora os empréstimos digitais tenham pouco valor, eles podem representar uma parte significativa da receita dos mutuários. Isso significa que eles vão lutar para pagá-los. Em geral, o uso de crédito de curto prazo e alto custo principalmente para consumo, juntamente com multas por atraso e pagamento em atraso, sugere que os credores baseados em dispositivos móveis adotem uma abordagem mais cautelosa ao desenvolvimento de empréstimos. mercados de crédito digital

Segundo, alguns credores digitais não são regulamentados pelo Banco Central do Quênia. Em geral, os provedores de crédito digital não são definidos como instituições financeiras sob a Lei Bancária atual, a Lei de Micro Finanças ou a Lei do Banco Central do Quênia.

As plataformas de empréstimo móvel são oferecidas por quatro grupos principais: empresas prudenciais (como bancos, cooperativas que cobram depósitos e provedores de seguros), entidades não prudenciais, agências e cooperativas registradas que não capturam depósitos, além de grupos informais, como círculos de poupança, empregadores, lojistas e credores.

De acordo com as leis atuais, o Banco Central do Quênia regula apenas os dois primeiros membros desta lista. Portanto, ambos devem estar sujeitos ao limite de taxa de juros que foi introduzido em 2016. Mas algumas das instituições financeiras regulamentadas que também oferecem produtos de crédito digital não atingiram o limite de taxa de juros, argumentando que cobram uma "taxa de facilitação" e nenhum interesse em seus produtos de crédito digital.

Terceiro, e intimamente relacionado ao ponto anterior, está a questão da divulgação. Os mutuários geralmente tomam empréstimos sem entender completamente os termos e condições. As divulgações devem incluir termos-chave e todas as condições para produtos de crédito, como custos de empréstimos, taxas de transação para empréstimos com falha, produtos agrupados (serviços oferecidos e cobrados em conjunto com o empréstimo) e qualquer outra responsabilidade do mutuário .

Quarto, com 49 plataformas de empréstimos digitais, é imperativo que os credores sejam monitorados e avaliados para determinar sua viabilidade e conformidade. Muitas plataformas de empréstimos móveis são de propriedade privada (e algumas são de propriedade estrangeira) e não estão sujeitas às leis de divulgação pública.

Por fim, são necessárias mudanças no atual sistema de crédito digital em todas as categorias de empréstimos: entidades prudenciais, não prudenciais, registradas e informais. Uma falha óbvia do sistema permite que os mutuários busquem fundos de várias plataformas ao mesmo tempo, criando um cenário de "empréstimo de Peter para pagar a Paul". Ao mesmo tempo, o Gabinete de Referência de Crédito do país é criticado por ocasionalmente basear seus relatórios em dados incompletos.

Os sistemas de relatórios de crédito devem ser mais fortes. Eles devem obter informações de todas as fontes de crédito, incluindo credores digitais, para melhorar a precisão das avaliações de crédito. Os esforços para melhorar o sistema devem considerar se os modelos de avaliação de crédito digital são fortes o suficiente e se são necessárias regras para garantir que os novos devedores não sejam injustamente listados. Também pode haver regras sobre empréstimos imprudentes ou requisitos de elegibilidade para credores digitais.A conversa

Victor Odundo Owuor, Pesquisador Associado Sênior, Fundação One Earth Future, Universidade do Colorado em Boulder

Este artigo foi republicado da The Conversation sob uma licença Creative Commons. Leia o artigo original.



Fonte da Matéria

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar