Cidadania

Empresas europeias dobram suas posições na China em meio a tensões e Covid – Quartz

[ad_1]

A Covid-19 forçou grande parte do Ocidente a repensar fundamentalmente os riscos de uma dependência excessiva do investimento chinês e das cadeias de abastecimento.

A UE (e o Reino Unido recentemente se libertou da UE) lutou para ter acesso a equipamentos médicos e equipamentos de proteção individual nos primeiros dias da pandemia, depois que a China nacionalizou a produção e as exportações. Isso deixou claro os riscos de depender de um único país para bens essenciais. A Covid-19 também mostrou a crescente disposição da China em usar a coerção econômica como ferramenta de política externa: nenhum país da Europa queria ser a próxima Austrália, cujos navios de carvão ficaram encalhados por nove meses em águas chinesas enquanto Pequim e Canberra se enfrentavam. Investigação da Organização Mundial da Saúde sobre as origens do coronavírus.

Enquanto isso, as empresas europeias na China se sentiam presas entre uma rocha e uma posição dura. Eles enfrentaram limitações reais na China, incluindo roubo de propriedade intelectual e “listas negativas” que os excluíam de certos setores. Mas o clima melhorou para eles quando o governo chinês liberalizou a economia, e a China foi a única grande economia a crescer em 2020. Em casa, os políticos estavam pedindo que se desligassem da China e mudassem suas cadeias de abastecimento para outro lugar.

O veredicto é: a maioria não tem planos de fazer isso.

As empresas da UE estão mais comprometidas com o mercado chinês

A Câmara de Comércio Europeia na China representa mais de 1.700 empresas da UE que operam na China em vários setores. A cada ano, eles pesquisam 500 a 600 de seus membros para produzir uma pesquisa de confiança nos negócios que reflete os desafios e ambições auto-relatados dessas empresas.

A pesquisa deste ano sugere que as empresas da UE estão mais engajadas no mercado chinês do que desde que a Câmara começou a fazer esta pergunta aos seus membros:

Essas empresas estão se mantendo na China, apesar do ambiente geopolítico difícil e dos desafios identificados na pesquisa, incluindo transferência de tecnologia forçada e concorrência desleal de empresas estatais, porque enxergam oportunidades de crescimento lá. Na verdade, dois terços dos entrevistados disseram estar otimistas quanto ao futuro.

Diante de tensões geopolíticas, essas empresas parecem estar “tomando medidas para garantir suas operações na China e mitigar a exposição”, afirma o relatório, incluindo a transferência de cadeias de abastecimento, ou seja, recuperando aquelas que se mudaram da China e assumindo maiores participações em conjunto empreendimentos com parceiros locais.

Sentimento positivo de negócios

Uma recente pesquisa de opinião conduzida pela Câmara Britânica de Comércio na China (pdf, p. 4) entre seus membros sugere tendências semelhantes. As empresas britânicas “continuam comprometidas com o mercado e há grandes expectativas para as perspectivas econômicas da China no próximo ano”, afirma a pesquisa.

“Isso é reforçado pelo fato de que 82% das empresas citam o potencial de mercado como motivo para aumentar o investimento aqui em 2021 e as empresas esperam expandir seus escritórios na China em uma média de 13 pessoas no próximo ano.”, Continua. “Enquanto isso, apenas 3% das empresas estão realocando ativamente suas operações fora do mercado da China.”

[ad_2]

Fonte da Matéria

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo