Cidadania

Desmascarando o mito de que o álcool alimenta a criatividade – Quartzo

[ad_1]

Por anos, David Sedaris bebeu enquanto escrevia. “Nunca tive que me forçar a sentar na frente de uma máquina de escrever porque bebi ali mesmo, e essa foi minha recompensa por sentar”, autor de best-sellers de livros como Eu falo bem um dia Y Calypso disse ele em uma entrevista ao Fresh Air em 2013. As duas atividades estavam tão interligadas que ele se convenceu de que precisava de álcool para colocar as palavras na página. “Ocorreu-me que precisava beber enquanto escrevia”, disse ele em uma entrevista posterior à NPR. “Não sei por que fiquei tão convencido disso, é como dizer ‘Não posso cantar a menos que tenha uma camisa azul.’

Em 1999, Sedaris parou de beber, e seu prolífico trabalho nos anos que se seguiram é uma prova de que beber nunca foi a chave para seu gênio irônico e espirituoso. Mas o falso vínculo entre o álcool e a criatividade permanece embutido na consciência cultural.

“Uma das lutas com a sobriedade é essa sensação de ter que abrir mão da criatividade”, diz Mei McIntosh, que atende pelo nome de DJ, Missing Mei. Como fundadora da Creative Sober, uma comunidade e podcast baseada no Instagram, ela tenta combater essa ideia compartilhando histórias de músicos, pintores e autores em recuperação. “É uma vulnerabilidade extrema poder estar neste lugar e compartilhá-lo juntos e saber que há outra pessoa passando por situação semelhante”, afirma. “Há algo de curativo nisso: trata-se de ser visto.”



[ad_2]

Fonte da Matéria

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo