Cidadania

Delta processou professores após despejar combustível em escolas de Los Angeles – Quartz


Em 14 de janeiro, um avião da Delta que partia de Los Angeles para Xangai solicitou um pouso de emergência logo após a decolagem, citando problemas no motor. O piloto do vôo 89 da Delta disse aos controladores de tráfego aéreo que não era necessário despejar combustível, mas o Boeing 777-200 passou a fazê-lo em baixa altitude em uma área densamente povoada, pulverizando alunos e professores em escolas primárias e playgrounds.

Ontem, quatro professores da área entraram com uma ação contra a Delta no Tribunal Superior de Los Angeles. Isso seguiu os reguladores da qualidade do ar no sul da Califórnia atingindo a empresa (pdf) com um aviso formal de violação, e a Federal Aviation Administration anunciando que "investigar minuciosamente" o incidente.

Os professores argumentam que a Delta foi negligente ao permitir que o avião partisse primeiro e disseram que os pilotos não seguiram o protocolo. Seu advogado disse que "eles também sofreram severas dificuldades emocionais quando descobriram que haviam ingerido toxinas involuntariamente" e acrescentou que crianças pequenas gritavam e choravam.

Delta ainda não comentou a ação, embora tenha declarado em 15 de janeiro que havia enviado equipes de limpeza para as escolas afetadas após o incidente e que "não são esperados efeitos residuais na saúde". O Departamento de Bombeiros do Condado de Los Angeles disse que dezenas de crianças e adultos sofreram ferimentos leves, mas nenhum precisou de hospitalização.

Não é incomum que os aviões tenham que dar a volta para pousos de emergência após a decolagem e descarregar combustível para obter um peso de aterrissagem seguro. Mas, em geral, os controladores de tráfego aéreo orientam os pilotos a descarregar combustível em áreas designadas menos povoadas e em altitudes mais altas, permitindo que o combustível seja atomizado adequadamente. David Soucie, analista de segurança da aviação da CNN, disse que o piloto disse que o motor estava sob controle, para que ele pudesse ter levado o avião ao oceano para descarregar combustível ou queimar.

Uma das professoras observou que seus alunos da quinta série achavam que o combustível do avião era chuva "apenas para que o líquido prejudicial atingisse seus olhos, bocas, narizes, pulmões e pele".



Fonte da Matéria

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar