Cidadania

Covid-19 piora desigualdade entre mulheres e jovens – quartzo


O teletrabalho está aumentando a desigualdade de renda em todo o mundo, de acordo com um novo estudo do Fundo Monetário Internacional.

A capacidade de trabalhar remotamente se tornou um fator decisivo para muitos trabalhadores durante a pandemia de coronavírus. A menos que seus empregos sejam considerados essenciais, as pessoas que não podem trabalhar remotamente enfrentam uma chance muito maior de cortar horas ou salários, licença temporária ou demissões permanentes.

Os economistas do FMI analisaram a capacidade dos trabalhadores de teletrabalhar em 35 países e estimaram que cerca de 100 milhões deles teriam dificuldade em fazê-lo, seja porque trabalham em um campo que requer interação cara a cara ou porque não têm acesso à Internet. . Eles representam 15% da força de trabalho nesses locais.

Os trabalhadores com menor probabilidade de trabalhar em casa eram os mais jovens, com idades entre 15 e 29 anos. Os trabalhadores jovens, especialmente aqueles sem formação universitária e mulheres, já sofriam com condições desfavoráveis ​​de trabalho antes da pandemia.

As mulheres também estão desproporcionalmente representadas em setores que não se prestam a empregos remotos, como serviços de alimentação, hospitalidade e comércio atacadista e varejista. A análise do FMI constatou que aproximadamente 20 milhões de trabalhadores nessas áreas corriam alto risco de perder o emprego.

A capacidade de teletrabalho variou dramaticamente de país para país, mesmo dentro da mesma ocupação. “Mais da metade dos lares na maioria dos países emergentes e em desenvolvimento nem sequer tem um computador doméstico”, escreveram os autores Mariya Brussevich, Era Dabla-Norris e Salma Khalid.

Os economistas também encontraram grandes disparidades entre os trabalhadores com os níveis mais altos de salário e aqueles que ganhavam menos nesses países. “Esses resultados demonstram como, na ausência de políticas de apoio, durante o período de fechamento e depois, as conseqüências econômicas da pandemia podem ampliar a desigualdade de renda existente nas sociedades”, escreveram os autores.

Para ajudar os trabalhadores que não conseguem se comunicar para lidar com a perda de renda e emprego, eles sugerem que os governos ampliem a seguridade social e outros programas, como subsídios salariais, educação e treinamento vocacional. Os autores também solicitam investimentos em infraestrutura digital para expandir o acesso a computadores e internet.



Fonte da Matéria

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar