Cidadania

Como os países podem promover a felicidade e o bem-estar dos cidadãos – Quartzo


Imagine duas sociedades diferentes. No primeiro, as pessoas tendem a ser estressadas, tensas, irritáveis, distraídas e auto-absorvidas. No segundo, as pessoas tendem a se sentir confortáveis, sem problemas, rindo rápido, expansivas e autoconfiantes.

A diferença entre esses dois cenários imaginados é enorme. Não só ele tem mais chances de ser mais feliz no segundo cenário, como também é mais provável que seja mais seguro, saudável e tenha melhores relacionamentos. A diferença entre uma sociedade feliz e uma infeliz não é trivial. Sabemos que a felicidade importa além do desejo de nos sentirmos bem.

Então, como podemos criar uma sociedade feliz? A nação budista do Butão foi a primeira sociedade a determinar a política com base na felicidade de seus cidadãos, e o rei do Butão declarou em 1972 que a Felicidade Nacional Bruta (GNH) era uma medida de progresso mais importante que o Produto Interno Bruto ( PIB).

Desde então, muitos outros países seguiram o exemplo, buscando ir "além do PIB" como uma medida do progresso nacional. Por exemplo, o Reino Unido desenvolveu um programa nacional de bem-estar em 2010 e, desde então, mediu o bem-estar do país em dez domínios, não muito diferentes da abordagem do Butão. Mais recentemente, a Nova Zelândia apresentou seu primeiro "orçamento para o bem-estar", com foco na melhoria do bem-estar das pessoas mais vulneráveis ​​do país.

Essas iniciativas tendem a concordar em termos gerais sobre as condições necessárias para uma sociedade feliz. Segundo o Relatório Mundial da Felicidade, existem seis ingredientes principais para a felicidade nacional: renda, expectativa de vida saudável, apoio social, liberdade, confiança e generosidade. Os países escandinavos, que geralmente lideram o ranking mundial de felicidade (atualmente a Finlândia é a primeira), tendem a ter bons resultados em todas essas medidas. Por outro lado, países devastados pela guerra, como o Sudão do Sul, a República Centro-Africana e o Afeganistão, tendem a ter um desempenho ruim. Então, a felicidade depende desses seis ingredientes principais?

O que, não o como

Não acredito. Essa abordagem é, no final das contas, muito simples, até potencialmente prejudicial. O problema é que ele se concentra no que é a felicidade, não em como alcançá-la. Claramente, coisas como uma boa expectativa de vida, apoio social e confiança são boas para nós. Mas como chegamos a essa conclusão pode ser mais importante que a própria conclusão.

Por exemplo, como sabemos que estamos medindo o que é mais importante? A classificação global da felicidade depende em grande parte de medidas de satisfação com a vida. Mas está longe de ser óbvio que tais medidas possam explicar diferenças importantes no bem-estar emocional.

Como alternativa, talvez possamos perguntar às pessoas o que elas acham importante. O desenvolvimento do programa nacional de assistência social do Reino Unido adotou essa abordagem, realizando pesquisas qualitativas para desenvolver seus dez domínios de felicidade. Mas essa abordagem também é problemática. Como sabemos quais dos dez domínios são mais importantes? Os ingredientes mais importantes para uma comunidade podem não ser os mesmos para outra. Perguntar às pessoas é uma boa ideia. Mas não podemos fazê-lo uma vez e depois assumir que o trabalho está feito.

Não me interpretem mal: acho que esse tipo de iniciativa é uma melhoria nas formas mais restritas de medir o progresso nacional, como um foco exclusivo na renda e no PIB. Mas isso não significa que devemos ignorar suas falhas.

Aqui há paralelos com a busca da felicidade em um nível individual. Geralmente, seguimos nossas vidas com uma lista de coisas que pensamos que nos farão felizes. Se conseguirmos essa promoção, temos um relacionamento amoroso, etc. Conseguir essas coisas certamente pode melhorar nossas vidas e pode até nos tornar mais felizes.

Mas estamos nos enganando se acreditarmos que eles nos farão felizes em um sentido duradouro. A vida é muito complicada para isso. Somos criaturas vulneráveis ​​e inseguras e inevitavelmente experimentamos decepções, perdas e sofrimentos. Ao nos concentrarmos exclusivamente nas coisas que pensamos que nos farão felizes, nos cegamos às outras coisas importantes da vida.

Felicidade 101

Os psicólogos começam a focar sua atenção não apenas nos ingredientes da felicidade individual, mas também nas habilidades que as pessoas precisam para serem felizes em circunstâncias inevitavelmente inseguras e frágeis.

Por exemplo, a chamada "segunda onda" da psicologia positiva está tão interessada nos benefícios do negativo quanto nas emoções positivas. Enquanto isso, a revolução da atenção plena exorta as pessoas a irem além de suas noções de bem e mal e, em vez disso, aprendem a aceitar as coisas como elas são. Essas abordagens estão menos preocupadas com as condições que tornam as pessoas felizes e mais interessadas em como as pessoas podem buscar a felicidade em condições de insegurança e incerteza.

Quanto mais nos concentramos em nossa lista de coisas desejadas, mais deixamos de ver o que realmente importa. Quando temos certeza das coisas que nos fazem felizes e tentamos urgentemente alcançá-las, não apreciamos o valor das coisas que já temos e as muitas oportunidades desconhecidas que ainda temos que descobrir. Quando as coisas inevitavelmente dão errado em nossas vidas, culpamos os outros ou a nós mesmos, em vez de aprendermos com o que aconteceu.

Os psicólogos estão começando a entender os limites disso. Pessoas felizes tendem a ter humildade e certeza; curiosidade e urgência; compaixão e culpa.

Podemos aplicar essas mesmas lições em todo o país. Criar uma sociedade mais feliz requer não apenas promover o que importa, mas também promover as capacidades para descobrir o que importa.

Sabemos disso no nível institucional. Na educação, sabemos que é importante promover a curiosidade e o amor pela aprendizagem, bem como os bons resultados dos testes. Na academia, sabemos que, embora possamos descobrir verdades científicas importantes, quase todas as nossas teorias científicas atuais podem ser superadas por outras e devemos permanecer em aberto. Sabemos que a atratividade e a relevância das instituições religiosas dependem do equilíbrio entre ensinamentos dogmáticos e mistério e curiosidade: ordem e fé, por um lado, abertura e flexibilidade, por outro.

Criar uma sociedade feliz não depende apenas de criar as condições certas. Também depende da criação das instituições e processos certos para descobrir essas condições. A ironia é que os membros da feliz sociedade descritos no início deste artigo, que tendem a se sentir confortáveis, sem problemas, rindo rapidamente, expansivos e autoconfiantes, provavelmente estão menos focados no que os faz felizes e felizes. mais focado em explorar o que realmente importa: com humildade, curiosidade e compaixão.

Para criar uma sociedade feliz, precisamos de medidas e instituições que façam o mesmo.

Este artigo foi republicado da The Conversation sob uma licença Creative Commons. Leia o artigo original.



Fonte da Matéria

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar