Cidadania

Comédia ou apenas verdade? — Quartzo

Entre os milhares de shows no Edinburgh Fringe, um dos maiores festivais de comédia do mundo, uma performance em particular me chamou a atenção: “00:01 to Elaunch: the Immersive Muskperience”.

Durou dois dias. E era grátis. Anunciado como um show de variedades absurdo, parecia um Musk-see.

Voltando com um estrondo após um hiato do Covid, The Fringe é uma série de artistas empreendedores de várias habilidades cômicas de um mês. Na lista deste ano está uma versão rimada de Duro de Matar, uma performance de “táxi” para cinco pessoas em um táxi e uma versão de balé de Hamlet com Sir Ian McKellen.

Em meio a essa cacofonia, os artistas da Muskperience Joe e Olga sentiram que o tema escolhido lhes deu uma vantagem. E eles superaram um grande obstáculo de Fringe: eles tinham uma audiência.

Cerca de 40 pessoas compareceram ao local, um bar com tema musical, onde os “Technokings” (uma referência a um arquivamento da Tesla na SEC de 2021, no qual Musk se concedeu esse título), nos levaram a um turbilhão de orçamento bobo. pela vida de Musk.

Revivendo os principais momentos da vida de Musk, desde sua saída do PayPal até lidar com os shorts da Tesla

O show começou em um futuro marciano. Pediram-nos para usar tiaras finas em forma de viseira em nossas testas. Esses “dispositivos de conexão neuronal” nos permitiram voltar no tempo, ao estilo Wayne World, para vivenciar os momentos mais importantes da vida de Musk.

No início, estávamos em um iate com Peter Thiel (ele foi imediatamente vaiado) enquanto os co-proprietários do Paypal discutiam se a plataforma deveria ser construída em Unix ou Microsoft. Essa parte foi muito longa. Mas então, na vida real, ele também. O argumento levou à saída de Musk do cargo de CEO do PayPal.

Mais tarde, 13 voluntários subiram ao palco para representar crianças tailandesas presas em uma caverna em 2018. Enquanto Musk, de costas, trabalhava a matemática complicada para construir um dispositivo de resgate, cada uma das crianças foi silenciosamente levada para fora do palco por um hula anel. Musk fez beicinho: “Mas eu queria resgatar as crianças!”

Houve também uma rotina simulada de alguém dormindo ao volante de um Tesla, uma dança ao som da música “Short Shorts” com uma referência ao esgotamento das ações da Tesla e uma leitura dos futuros tweets de Elon enviados pelo público. De Joe: “Eu me pergunto quantos bots estão neste público.”

Um tema rico para artistas marginais de primeira viagem

Foi divertido? Muitas piadas caíram, muitas não. Um casal na minha mesa disse: “Talvez devêssemos ter fumado antes desse show?” Um grupo perto da frente aproveitou cada minuto, mas um homem no bar nunca parava de franzir a testa, embora também não removesse sua bandana de neurolink.

Joe terminou o show apontando que quase tudo coberto era verdade, dizendo: “Não há nada mais satírico do que a verdade”.

Mas a sátira, que prospera na ironia e no exagero, é uma tarefa difícil quando o assunto já é tão absurdo: um amante “420”, maximalista do Twitter, auto-descrito “technoking” que também é o homem mais rico do mundo. e quer morrer em Marte. Já soa como sátira. E ainda não há hype.

Depois do show conversei com Olga e Joe. Os Technokings foram artistas Fringe pela primeira vez. Eles não estão na indústria da comédia; ambos trabalham em grandes empresas financeiras (eles optaram por não revelar qual) em Londres.

“John Dillinger roubou bancos porque é onde está o dinheiro”, disse Joe. “Fazemos Elon Musk porque é aí que está a comédia.”

Source link

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo