Cidadania

Com o Irã, os Estados Unidos escolheram o conflito sobre a paz – Quartzo


A reação dos Estados Unidos à hostilidade iraniana nem sempre foi proporcional. Quando o país nacionalizou sua indústria de petróleo em 1953, assumindo o controle das companhias de petróleo ocidentais, os Estados Unidos organizaram um golpe de estado, derrubando o democraticamente eleito Mohammad Mosaddegh.

E na quinta-feira, depois de protestos violentos organizados pelo Irã em frente à embaixada dos EUA no Iraque e aparentes relatórios de inteligência de um "ataque iminente" contra americanos, os militares dos EUA mataram um dos generais mais reverenciados do país: o líder da força Quds de elite, Qassem Soleimani Agora, as duas nações estão à beira da guerra.

Não precisava ser assim. Nos últimos 20 anos, os Estados Unidos tiveram várias oportunidades de aproveitar os eventos mundiais para reinventar seu relacionamento com o Irã.

Após os ataques de 11 de setembro de 2001, os Estados Unidos ponderaram se deveriam invadir o Afeganistão, onde o governo controlado pelo Taliban protegeu o líder da Al Qaeda, Osama bin Laden. Ele também discutiu a invasão do Iraque, um movimento oportunista baseado em razões imaginárias. Tanto o Afeganistão quanto o Iraque eram inimigos do Irã. As forças de Soleimani há muito apoiam a resistência afegã contra o Taliban. E o Irã odiava Saddam Hussein. Então, no período anterior à guerra dos EUA no Afeganistão, Soleimani compartilhou informações vitais com os americanos. Poderia ter sido um aliado igualmente valioso no Iraque. Diplomatas dos EUA na região viram a oportunidade de "transformar um inimigo em amigo".

Mas a oportunidade foi limitada quando, em 2002, para surpresa dos diplomatas americanos, George W. Bush incluiu o Irã como parte de seu "Eixo do Mal". Toda a diplomacia com Soleimani parou naquele dia. O general continuaria a influenciar os eventos no Iraque pelas próximas duas décadas, muitas vezes sob risco dos Estados Unidos, e atacaria os interesses dos EUA em toda a região com força letal.

Outra oportunidade de paz surgiu em 2015, quando o governo Obama negociou um acordo com o Irã para limitar seu programa de armas nucleares em troca do levantamento das sanções. Foi uma conquista diplomática importante, mas Donald Trump anulou o acordo quando novamente impôs sanções, argumentando que ele não foi longe o suficiente para limitar a influência "maligna" do Irã no Oriente Médio. Seguiram-se microagressões de ida e volta, culminando na morte de Soleimani.

A região aguarda a resposta iraniana.

Este ensaio foi publicado originalmente na edição de fim de semana do Quartz Daily Brief. Registe-se aqui



Fonte da Matéria

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar