Cidadania

China quer que a investigação da Vivo da Índia seja ‘não discriminatória’ – Quartz India

A Índia invadiu pelo menos 40 escritórios da Vivo em todo o país por alegações de lavagem de dinheiro.

O endereço do aplicativo (ED) registrou os escritórios da fabricante chinesa de telefones em estados como Uttar Pradesh, Bihar, Madhya Pradesh e Maharashtra. A empresa disse que está cooperando com as autoridades.

No entanto, a China está preocupada que a investigação já possa ser tendenciosa contra a empresa.

“Esperamos que as autoridades indianas cumpram as leis enquanto realizam atividades de investigação e fiscalização e forneçam um ambiente de negócios verdadeiramente justo, equitativo e não discriminatório para empresas chinesas que investem e operam na Índia”, disse o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China. Zhao Lijian.

A investigação ocorre em um momento em que as relações entre a Índia e a China são altamente tensas. As tensões fronteiriças entre os dois vizinhos aumentaram em 2020. Desde então, a Índia tomou várias medidas para afastar os consumidores dos produtos e serviços chineses. Ele até baniu mais de 300 aplicativos chineses e apertou as regras para investidores chineses na Índia.

Repressão da Índia a empresas chinesas de smartphones

A Vivo, de propriedade da BKK, não é a única fabricante de smartphones que enfrenta o calor nessas circunstâncias.

Em abril, o ED alegou violações cambiais e apreendeu US$ 725 milhões em ativos da Xiaomi India, outra fabricante de smartphones com raízes na China. A empresa negou essas acusações. Ele alegou que seu executivo enfrentou ameaças de “violência física” durante a investigação e contestou o assunto em um tribunal indiano.

Os cobradores de impostos também já haviam investigado supostas impropriedades financeiras da Oppo e da OnePlus.

Tais investigações “impedem a melhoria do ambiente de negócios na Índia e esfriam a confiança e a disposição de entidades de mercado de outros países, incluindo empresas chinesas, de investir e operar na Índia”, disse a embaixada chinesa na Índia em comunicado.

Indianos ainda amam smartphones chineses

Enquanto isso, os indianos continuam a desfrutar de telefones chineses.

Em abril, a Xiaomi tinha a maior fatia (23%) do mercado indiano de smartphones. Com exceção da sul-coreana Samsung, todas as outras marcas entre as cinco maiores vendidas na Índia eram chinesas. Quatro dos cinco principais vendedores do país são da Realme, com sede em Shenzhen.

Source link

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo