Cidadania

Cena do artista nigeriano elevada pela residência dos lagos Yinka Shonibare – Quartz Africa


Yinka Shonibare é fascinado pelas complexidades e fluxos globais que compõem as identidades africanas. Isso é evidente em seu uso amplamente reconhecido de tecidos de impressão em cera “africanos”, um motivo recorrente nas obras de arte de Shonibare. No entanto, esses designs são tecidos de batik indonésio produzidos pelos holandeses e são amplamente distribuídos na África Ocidental.

“Gostei das camadas de identidade desses tecidos”, diz Shonibare. “Os tecidos se tornaram uma metáfora para o contemporâneo africano”. Conhecido por suas explorações visuais do pós-colonialismo, globalização e identidade, o trabalho de Shonibare examina a mobilidade transnacional e a fluidez das identidades africanas e explora a multiplicidade do cosmopolitismo.

É essencial compreender o significado cultural mais amplo das obras de Shonibare para entender como ele pretende redefinir o cenário cultural e criativo da Nigéria. Suas visões políticas, temas e explorações estão um pouco integrados à missão e visão de sua mais recente iniciativa filantrópica, a Guest Artists Space (G.A.S) Foundation. Programada para ser lançada em 2021 na Nigéria, a Shonibare está construindo um espaço de residência artística em Lagos, Lekki e uma fazenda em Ijebu, a aproximadamente duas horas e meia de Lagos para oferecer oportunidades de intercâmbio criativo e cultural para artistas africanos e internacionais.

NS Design Consult Executive Architects

Lagos convidou artistas para o espaço.

A Fundação GAS hospedará três artistas ao mesmo tempo por três meses, oferecendo uma plataforma para os participantes se envolverem criticamente com diversas disciplinas artísticas, cultivarem conexões entre criativos, curadores, colecionadores e ambientalistas, além de abordar as barreiras únicas do mundo da arte. oferecendo redes e oportunidades de desenvolvimento profissional para talentos locais emergentes.

A crescente popularidade global de músicos, atores e artistas nigerianos posicionou o país como o centro continental de criatividade e talento. mas isso não é novo. A Nigéria há muito promove espaços de arte desde o início do século XX. Durante a década de 1950, escolas de arte como os Rebeldes Zaria, Escola Osogbo e Escola Nsukka desafiaram e subverteram os estilos e convenções modernistas europeus, adotando pistas visuais enraizadas nas tradições igbo e iorubá.

REUTERS / Temilade Adelaja

Artista Yinka Shonibare em Lagos, Nigéria, em 2 de novembro de 2019.

Nos últimos anos, o cenário da arte contemporânea nigeriana ganhou reconhecimento mundial, o que resultou em maior divulgação e comercialização de obras de arte nigerianas. No entanto, existem poucos espaços e instalações educacionais para apoiar criativos; portanto, cabe aos artistas desenvolver esses espaços sem assistência do governo e pouca ajuda financeira. Através de uma extensa pesquisa, Shonibare percebeu que o estabelecimento da G.A.S. A Fundação seria uma solução mais viável para cultivar infraestrutura criativa na Nigéria.

A Fundação G.A.S se une a uma coorte de iniciativas filantrópicas e empresariais dedicadas a impulsionar o setor de belas artes do continente, como a residência Black Rock Senegal do artista Kehinde Wiley e a feira Art X Lagos na Nigéria. Há também um número crescente de agências de arte africanas desenvolvidas para apoiar artistas africanos. O Undiscovered Canvas, dirigido por Nomaza Nongqunga-Coupez, mostra o trabalho de jovens criativos africanos emergentes em galerias na Europa e na África do Sul e oferece oportunidades para o desenvolvimento e a exposição de habilidades. O compartilhamento e a orientação de conhecimento tornaram-se práticas vitais para fortalecer os ecossistemas artísticos da África, contrariando o domínio e a onipresença das obras culturais e instituições criativas ocidentais. Como muitos contemporâneos de Shonibare, há um esforço consciente para diversificar o mercado global de arte, apoiando artistas continentais, criativos e a comunidade local.

Por exemplo, a estrutura da fazenda de Shonibare, projetada pelo estúdio de arquitetura de MOE + Art Architecture, com sede em Lagos, é um testemunho de seu interesse na relação dialógica entre arte, sustentabilidade e sociedade. A fazenda na zona rural de Ibeju não se limita a um abrigo residencial para artistas, mas a fazenda de 30 acres, juntamente com 1.000 castanhas de caju e cinco estufas, também serve como um espaço para as aldeias vizinhas cultivarem vegetais e hortaliças.

Arquitetura de arte MOE +

Ijebu Studio

O artista de 57 anos nasceu de pais nigerianos em Londres e se mudou para Lagos quando tinha 3 anos de idade. Ele voltou a Londres aos 17 anos para estudar, mas um ano depois ficou incapacitado depois de contrair uma rara condição neurológica que inflamava sua medula espinhal. Embora suas restrições físicas possam ter aumentado com a idade, suas realizações e influência nos círculos artísticos mundiais dispararam, recebendo inúmeros aplausos e elogios artísticos, inclusive no ano passado recebendo uma CBE, uma das maiores honras do Reino Unido. Rainha por seu trabalho.

Shonibare visa facilitar a mudança social e cultural, não apenas aumentando as habilidades e a visibilidade de artistas continentais e internacionais, mas privilegiando as necessidades da comunidade local por meio da criação de empregos e segurança alimentar. “Intervenções sociais fazem parte da minha prática. Eles não estão separados da minha arte. “O ícone nigeriano-britânico desafia os efeitos monopolizadores de projetos criativos em escala internacional que muitas vezes excluíam e apagavam as comunidades locais de aproveitar os benefícios de tais iniciativas.

Ambas as estruturas estão adotando uma abordagem ecológica com sua arquitetura e funcionalidade. “Tentamos realmente minimizar a pegada de carbono de ambas as casas”, diz Shonibare. Em colaboração com engenheiros ambientais, ambas as estruturas funcionam perfeitamente em conjunto com o meio ambiente, adotando o funcionalismo de auto-resfriamento e materiais de origem local, bem como o uso de energia renovável, incluindo energia solar e acessórios de baixa energia.

As visualizações do projeto do edifício residencial Lekki demonstram os significados culturais por trás da fundação. O edifício é inspirado na arquitetura iorubá e converge no design modernista. “As estruturas arquitetônicas iorubas têm pátios, como um local de encontro para as pessoas se reunirem”, explica Shonibare, tornando-o um espaço comunitário para práticas criativas e parcerias entre os hóspedes. Projetada pela arquiteta ganense-britânica Elsie Owusu, a estrutura exemplifica ainda mais o espírito de colaboração e intercâmbio internacional da fundação.

Arquitetura de arte MOE +

Fazenda Ijebu

Shonibare confia que G.A.S. A Fundação esclarecerá o mundo sobre as atuais oportunidades criativas do continente. Mais especificamente, dedica-se a estabelecer comunicação e conexões bidirecionais entre os mercados de arte da África e a comunidade internacional.

“A criatividade é difícil se você for insular sobre isso. Você precisa estar aberto a outras formas de pensar e principalmente a ser desafiado”.

Inscreva-se no Resumo Semanal da Quartz Africa aqui para receber notícias e análises sobre negócios, tecnologia e inovação africanas em sua caixa de entrada



Fonte da Matéria

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar