Cidadania

Campanha do Ano de Retorno do Gana para o Turismo da Diáspora – Quartz África


Gana designou 2019 como o Ano do Retorno para comemorar os 400 anos desde que os primeiros africanos escravizados chegaram a Jamestown, Virgínia, nos Estados Unidos. O governo realizou uma campanha de marketing de massa visando os afro-americanos e a diáspora, e vários eventos foram organizados. O foco tem sido a comemoração da libertação da escravidão. Mas também serviu como um exercício de marketing para popularizar o Gana como um destino turístico com o apelo comercial transatlântico.

De acordo com a análise mais completa dos registros de remessas durante o comércio de escravos entre 1525 e 1866, 12,5 milhões de africanos foram enviados para o Novo Mundo. Quase 11 milhões sobreviveram à temida passagem do meio, desembarcando na América do Norte, no Caribe e na América do Sul.

Afro-americanos, em particular, acompanham seus ancestrais há décadas. Nos últimos anos, um número crescente usou testes de DNA para rastrear seus ancestrais e fez peregrinações espirituais aos países de origem. Alguns até conseguiram a cidadania desses países.

A campanha do Ano do Retorno espera capitalizar os laços históricos com os afro-americanos para impulsionar a indústria turística de Gana.

A campanha do Ano do Retorno espera capitalizar esses links para impulsionar a indústria do turismo em Gana. O setor contribuiu com 5,5% do PIB em 2018, ficando em quarto lugar depois do ouro, cacau e petróleo em termos de geração de moeda para o país. Mas há muito espaço para crescer. A indústria experimentou um crescimento significativo desde os anos 80. Este foi o resultado de um programa de ajuste estrutural, acordado com o Banco Mundial e o Fundo Monetário Internacional, que fez do turismo uma indústria prioritária. Como resultado, um marco regulatório e participação do setor privado foram desenvolvidos. Em seu último impulso turístico como parte do Ano do Retorno, Gana lançou um programa que incentiva os retornados da diáspora. Ele renunciou a alguns requisitos de visto e aprovou emendas a uma lei de 2002 que permite que pessoas de origem africana solicitem o direito de permanecer indefinidamente em Gana.

REUTERS / Siphiwe Sibeko

Visitantes no Cape Coast Castle em Gana,

Poderíamos argumentar que a campanha de marketing pode ser benéfica para o crescimento do turismo em Gana. Mas os gerentes de destino e os reguladores devem ser cautelosos sobre algumas possíveis consequências. Por exemplo, a pesquisa mostrou que convidar empresas estrangeiras para um setor pode causar danos imensuráveis ​​às indústrias locais. Um estudo realizado em 2018 descobriu que empresas estrangeiras podem deslocar empresas locais.

Os pontos positivos

Certamente, há aspectos positivos para o "Ano do Retorno" e as atividades de marketing que estão sendo usadas para chamar a atenção do mundo para Gana como o lar da diáspora africana.

Primeiro, é provável que coloque o país em uma posição melhor na escala mundial do turismo em termos de popularidade. É provável que o "Ano do Retorno" como marca tenha um impacto positivo na imagem do país e na sua comercialização. Gana ocupa um lugar especial na obscura história do tráfico de escravos. Foi um dos principais pontos de partida na África no auge do comércio.

O evento de um ano é marcado por várias atividades de marketing, tanto local quanto internacionalmente. Várias plataformas estão sendo usadas, incluindo redes sociais, mídia tradicional, bem como feiras e shows.

Os esforços de marketing são destinados a celebridades locais e internacionais como parte da campanha, incluindo Idris Elba, Boris Kodjoe e Naomi Campbell.

Esforços incluem a cooptação de autoridades tradicionais e celebridades locais e internacionais como parte da campanha. Estes incluem Idris Elba, Boris Kodjoe, Naomi Campbell e mais de 30 celebridades ganenses. A esperança é que a campanha aumente o número de turistas e que o "Ano do Retorno" também tenha consequências a longo prazo. Isso pode ser na forma de investimentos, já que o governo está incentivando os afro-americanos a investir em vários setores da economia, particularmente na indústria de serviços.

Mas cuidado é necessário

Mas também pode haver alguns efeitos negativos. Os ganeses dependem muito dos gastos dos turistas para sua subsistência. O perigo é que os diásporos que investem na indústria do turismo local possam deslocar empresas locais de pequeno e médio porte.

Isso seria especialmente verdadeiro se fossem negócios em grande escala. Por exemplo, na Malásia e no Sri Lanka, empresas multinacionais deslocaram empresas locais, especialmente na indústria do turismo.

Outra questão a considerar é o impacto mais amplo sobre a economia. O turismo pode facilmente desencadear a inflação na economia local, onde os prestadores de serviços tendem a oferecer preços inflacionados aos turistas porque são considerados ricos. Um exemplo típico é Barcelona, ​​na Espanha; Lá, os preços parecem estar mais altos que o normal nos resorts.

O ano de retorno é uma estratégia útil como uma ferramenta de marketing que provavelmente aumentará a chegada de visitantes a Gana. Mas também pode haver possíveis ramificações negativas se as empresas estrangeiras se movimentarem agressivamente. Isso significa que é importante que as empresas nacionais recebam apoio enquanto controlam a entrada e as operações de empresas estrangeiras em Gana.

Frederick Dayour, professor, Universidade para estudos de desenvolvimento e Albert N. Kimbu, professor sênior de hospitalidade e turismo, Universidade de Surrey

Este artigo foi republicado em The Conversation sob uma licença Creative Commons. Leia o artigo original.



Fonte da Matéria

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar