Cidadania

Cadeia de frio é um problema para vacinação de Covid-19 justo – Quartz


Para mitigar as iniquidades de saúde e promover a justiça social, as vacinas contra o coronavírus devem atingir as populações carentes e as comunidades difíceis de alcançar.

Existem poucos lugares nos EUA que não podem ser alcançados por estrada, mas outros fatores (muitos hospitais rurais não podem pagar por freezers de temperatura ultrabaixa ou podem não ter eletricidade confiável, por exemplo) apresentam desafios. Porém, com a vontade e recursos do governo, isso poderá ser superado.

Isso não é verdade para grande parte do resto do mundo.

Um de nós, Tim Ford, é um pesquisador de saúde global que fez muitos trabalhos internacionais sobre água e saúde onde a cadeia de abastecimento de frio não pode alcançar, mais recentemente na zona rural do Haiti. O outro, Charles Schweik, estuda como a difusão de inovações, tanto digitais quanto físicas, pode resolver problemas sociais urgentes e desigualdades sociais.

As vacinas Pfizer e Moderna são um grande começo que deve ser comemorado, mas elas contam com uma complicada cadeia de suprimentos de freezers e métodos de remessa com temperatura controlada chamados de “cadeia de frio”. Essa dependência da rede de frio levanta preocupações sobre equidade e justiça social, já que muitas partes do mundo não suportam isso. Os pesquisadores estão trabalhando duro em vacinas que podem evitar o pesadelo logístico e econômico da entrega na cadeia de frio.

Onde a cadeia de frio não chega

Nas áreas mais pobres, nas partes mais remotas do mundo e em locais onde a temperatura média diurna é elevada e a eletricidade não está disponível ou é irregular, não existem mecanismos para manter as vacinas em baixas temperaturas. Na verdade, pode não haver estradas, muito menos aeroportos, em muitos desses lugares. E mesmo se houver estradas, elas podem ser intransitáveis ​​em certas épocas do ano ou inacessíveis por razões políticas ou distúrbios civis.

As vacinas Moderna e Pfizer devem ser mantidas congeladas e devem contar com a rede de frio para chegar a qualquer lugar. Apenas países grandes e ricos têm recursos para implementar uma rede de frio bem desenvolvida, e isso significa que grandes partes do mundo atualmente não podem receber a vacina Covid-19.

Isso é ruim para a saúde pública e não é equitativo e justo.

Vacinas de temperatura estável

Estão chegando vacinas que não requerem armazenamento em temperaturas ultrabaixas. Algumas empresas, incluindo AstraZeneca e Johnson & Johnson, estão trabalhando em vacinas que só precisam de refrigeração, em vez de armazená-las em temperaturas de congelamento. No final de dezembro, a vacina AstraZeneca foi licenciada para uso no Reino Unido. Ambas as vacinas devem estar disponíveis para o mercado global nos próximos meses e podem ampliar muito o alcance das vacinas.

Ambas as empresas também estão trabalhando com o COVAX Facility, que se descreve como “um mecanismo global de compartilhamento de risco para a aquisição conjunta e distribuição equitativa de eventuais vacinas Covid-19”. O objetivo é disponibilizar vacinas a todos os países participantes do programa COVAX, independentemente da faixa de renda. Em meados de dezembro, 92 países de renda baixa e média haviam se registrado.

A refrigeração é melhor do que o congelamento, mas para locais remotos, a temperatura ambiente é melhor e os pesquisadores estão trabalhando em vacinas Covid-19 estáveis ​​ao calor que não precisam de refrigeração. Técnicas que eliminam a necessidade de uma cadeia de frio de vacina têm sido usadas com sucesso por muitas décadas. As vacinas liofilizadas são um exemplo. A primeira vacina estável ao calor foi desenvolvida para a varíola em 1955 e é considerada, em parte, a eliminação final da doença.

Hoje, os pesquisadores continuam a buscar maneiras inovadoras de estabilizar vacinas virais: desde a secagem ao ar com filmes baratos de açúcar até a liofilização com diferentes agentes estabilizadores. Alguns pesquisadores também estão trabalhando em formulações líquidas estáveis, em particular os vírus da gripe vivos atenuados, que evitam o custoso processo de liofilização, que nem sempre é fácil para países de baixa e média renda. Todas essas abordagens poderiam ser aplicadas a vacinas de vírus vivos que usam um vírus atenuado, como faz a vacina contra a gripe, bem como as duas vacinas de coronavírus sendo desenvolvidas pela AstraZeneca e Johnson & Johnson.

Esperança de vacinas Covid-19?

Até agora, trata-se principalmente de pesquisa básica, mas os avanços nessa área ajudariam enormemente a atender às necessidades globais de saúde.

Até o momento, os esforços mais promissores para vacinas Covid-19 com temperatura estável vieram de grupos na China e na Índia. Cientistas chineses desenvolveram um método para embrulhar uma vacina de mRNA em nanopartículas de lipídios que a mantêm resfriada em temperatura ambiente. Pesquisadores indianos estão usando um fragmento de proteína projetado que é tolerante a altas temperaturas. Mais recentemente, uma equipe do Reino Unido começou a colaborar em uma vacina de dose sólida sem agulha estabilizada com polímero.

Dadas as limitações da cadeia de frio, existem obrigações éticas, morais e de saúde pública que exigem um investimento em vacinas que podem ser fornecidas usando abordagens não relacionadas à cadeia de frio. Para as pessoas em muitos lugares, essa é a única maneira de obter uma vacina.


Timothy Ford, Professor e Presidente de Ciências Biomédicas e Nutricionais, Universidade de Massachusetts Lowell e Charles M. Schweik, professor de conservação ambiental, University of Massachusetts Amherst

Este artigo foi republicado de The Conversation sob uma licença Creative Commons. Leia o artigo original.



Fonte da Matéria

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar