Cidadania

Brasil suspende acordo com a indiana Bharat Biotech para Covaxin – Quartz India

[ad_1]

A vacina covid-19 cultivada na Índia está mais uma vez no epicentro de uma polêmica.

O ministro da Saúde do Brasil, Marcelo Queiroga, anunciou ontem (29 de junho) que o país suspenderia um contrato de US $ 324 milhões para comprar 20 milhões de doses de Covaxin da Bharat Biotech. O anúncio surge em meio a uma apuração de denúncias de irregularidades na obtenção da vacina que envolvem o presidente Jair Bolsonaro, embora o Ministério da Saúde tenha informado em nota que uma primeira análise não mostra irregularidades no contrato.

“Suspendemos o negócio como simples medida preventiva, pois há denúncias que não puderam ser bem explicadas pelo reclamante, então abrimos uma investigação preliminar na semana passada”, disse Wagner de Campos Rosário, da Controladoria-Geral da União. durante entrevista coletiva com Queiroga, segundo a CNN Brasil.

Embora tenha prometido ser rápido na apuração das denúncias, Rosário acrescentou que espera que o processo não demore “mais de 10 dias”.

Acusações contra bolsonaro

Bolsonaro enfrenta uma acusação de ignorar uma possível corrupção em um acordo para comprar vacinas Covid-19 para o país, o que ele negou.

A polêmica começou quando Luis Ricardo Miranda, um denunciante do Ministério da Saúde, levantou suspeitas sobre o acordo de vacina com a indiana Bharat Biotech.

Miranda teria dito ao presidente em março que estava enfrentando pressão de um assessor de um dos aliados mais próximos de Bolsonaro, o ex-ministro da Saúde, para assinar um contrato de compra de vacinas por US $ 15 por dose de Precisa Medicamentos, o representante brasileiro em Bharat Biotech. Na semana passada, ele disse a um painel do Senado que examinava a maneira como Bolsonaro lidava com a pandemia que um projeto de lei para um adiantamento de US $ 45 milhões a uma entidade não mencionada no contrato de fevereiro causou-lhe mais preocupação.

O preço chamou a atenção, pois o governo aparentemente tinha ofertas da Pfizer em 2020 para comprar milhões de doses de sua vacina por um preço semelhante, que tem uma taxa de eficácia superior. A Covaxin já enfrentou dúvidas na Índia depois que foi aprovado para uso local enquanto os testes ainda estavam em andamento, e ainda não divulgou dados completos do teste em estágio final.

Após as denúncias, a Controladoria-Geral da União, responsável por zelar pela transparência no uso do bem público, abriu inquérito sobre o negócio em 24 de junho. Detalhando alguns dos aspectos do contrato que eles examinariam, a declaração (português, pdf) observou que o pagamento havia sido solicitado, embora a Bharat Biotech ainda não tivesse feito as entregas, o que parecia ser uma violação do contrato porque a primeira entrega era devida acontecem em março.

Precisa Medicamentos, sócia da Bharat Biotech no Brasil, que também está ajudando a realizar o estudo de fase III da Covaxin lá, disse estar confiante de que a investigação confirmará que todos os requisitos legais foram atendidos.

O que Bolsonaro disse sobre o acordo de Covaxin?

O presidente negou qualquer irregularidade. O líder de extrema direita afirmou que o preço do Covaxin estava em linha com o que outros países estão pagando pelas vacinas. Ele também prometeu agir se qualquer “corrupção” fosse descoberta em seu governo.

“A posição do governo sempre foi comprar vacinas somente depois de aprovadas para uso pela Anvisa, órgão federal de saúde”, acrescentou.

As denúncias apresentam novos problemas para Bolsonaro, que já enfrenta uma investigação sobre o manejo da pandemia Covid-19, sendo o Brasil um dos países mais afetados, com mais de meio milhão de mortes.

O que a Bharat Biotech disse sobre o acordo com o Brasil

A Bharat Biotech divulgou um comunicado hoje (30 de junho) dizendo que o processo de aquisição estava sendo deturpado na mídia.

“O processo de aquisição de vacinas Covid-19 e várias vacinas para imunização de rotina segue um processo comum que é amplamente aceito e estabelecido na indústria”, disse ele. Como parte do processo, as empresas emitem uma nota fiscal preliminar detalhando os termos da venda para finalizar um pedido de compra do governo, explicou.

“Com base na conta, o Ministério da Saúde paga o valor antecipadamente. Recebido o pagamento, a empresa passa a fornecer os valores acordados e dentro dos prazos acordados ”, diz o comunicado da empresa. Ele acrescentou que durante o processo de oito meses com o Brasil em andamento desde novembro de 2020, “uma abordagem passo a passo para contratos e aprovações regulatórias foi seguida.”

Um retrocesso na diplomacia de vacinas da Índia

Assim como a China, a Índia também viu sua capacidade de produzir vacinas para outras partes do mundo como uma importante demonstração de poder brando. Mas esses esforços sofreram depois que o país parou abruptamente de cumprir seus compromissos de enviar vacinas feitas na Índia para o exterior, depois de enfrentar uma segunda onda severa e uma escassez de vacinas em casa.

O Serum Institute of India, um importante fornecedor de vacinas para o esforço Covax da Organização Mundial de Saúde para melhor distribuir vacinas globalmente, não conseguiu produzir grandes quantidades da vacina Oxford-AstraZeneca, conhecida na Índia como Covishield., Tão rápido quanto a copa do mundo. . necessidades do programa de vacinação.

Embora a investigação federal no Brasil possa finalmente mostrar que todos os procedimentos foram seguidos, o clamor no país certamente obscurece o brilho em torno das primeiras exportações globais da Covaxin desenvolvidas na Índia.

[ad_2]

Source link

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo