Cidadania

Binance é proibido no Reino Unido e Ontário – Quartzo

[ad_1]

Nada simboliza problemas de criptomoeda com reguladores, bem como as atribulações de Binance, a maior bolsa de criptomoeda do mundo em volume. Só no fim de semana passado, ele encontrou obstáculos no Japão, no Reino Unido e na província canadense de Ontário.

Na sexta-feira, a Agência de Serviços Financeiros do Japão emitiu à Binance seu segundo aviso em três anos de que a empresa não está registrada para operar no Japão. No sábado, a Financial Conduct Authority (FCA) do Reino Unido proibiu a Binance Markets Limited, entidade britânica de propriedade da Binance, sediada nas Ilhas Cayman, de realizar qualquer “atividade regulamentada” no país. Os clientes ainda podem comprar e vender criptomoedas no site da empresa-mãe. Mas eles não podem negociar derivados criptográficos Binance – instrumentos financeiros baseados no valor da criptografia – uma vez que a negociação de derivados é uma atividade regulamentada pela FCA.

No mesmo dia, a Binance decidiu parar de operar em Ontário, onde as autoridades emitiram avisos para pelo menos três outras trocas de criptografia no mês passado, acusando-as de não cumprir os regulamentos.

Uma ofensiva global contra Binance e criptomoedas

A Binance já negociava emissões em outros países. Na Alemanha, em abril passado, os reguladores financeiros avisaram a Binance que incorreria em multas por oferecer tokens digitais que rastreiam empresas de capital aberto como Microsoft e Apple. A Binance estava vendendo esses tokens sem publicar um prospecto para os investidores, conforme exigido por lei, uma violação que poderia resultar em uma multa de 5 milhões de euros ($ 6 milhões).

A Binance também está sendo investigada pelo Departamento de Justiça dos Estados Unidos e pelas autoridades fiscais dos Estados Unidos para determinar se os lavadores de dinheiro ou sonegadores de impostos podem usar o câmbio para seus fins privados. Em 2019, a Binance recebeu 27,5% de todos os bitcoins ilícitos, bitcoins que foram passados ​​de entidades criminosas para bolsas, de acordo com um relatório da empresa de pesquisas Chainalysis. Nenhuma outra troca recebeu mais.

As preocupações da Binance são parte de uma repressão regulatória mais ampla às criptomoedas. Economias importantes como China, Índia, Turquia e Nigéria planejam restringir, ou já reduziram, o comércio de criptomoedas. As autoridades desconfiam de como as bolsas podem lavar receitas de atividades criminosas, ajudar infratores fiscais ou abrigar autores de fraudes de criptografia. Entre 2019 e 2020, o número de fraudes de criptografia aumentou 40%, com a empresa de prevenção de fraudes Bolster prevendo um aumento de 75% em 2021.

As empresas de criptomoeda também tendem a tentar escapar das regulamentações governamentais existentes, um padrão exagerado devido à incompatibilidade entre a novidade das criptomoedas e a natureza relativamente desatualizada das leis financeiras.

Além disso, cerca de 60% dos bancos centrais em todo o mundo estão experimentando moedas digitais de “prova de conceito”, de acordo com um estudo do Bank for International Settlements. Os países que adotam suas próprias moedas digitais tendem a ver outras formas de criptografia como instrumentos concorrentes que corroem o controle soberano sobre a política monetária. As escaramuças de Binance com os reguladores podem ser apenas um precursor para batalhas maiores entre o governo e as criptomoedas que virão.

[ad_2]

Source link

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo