Cidadania

As tarifas podem ajudar a melhorar a eficiência do uso da água na Índia — Quartz India

A água na Índia sempre foi vista da perspectiva de um bem público e não de uma mercadoria econômica.

Falta um senso de propriedade entre os usuários, pois eles extraem água com pouco ou nenhum custo e, por sua vez, despejam águas residuais em rios não tratados ou parcialmente tratados. É a principal razão pela qual os consumidores valorizam minimamente a água. Tal processo de pensamento é irônico, dada a situação de estresse hídrico na Índia, onde a disponibilidade atual de água é de cerca de 1.500 m³ per capita por ano. A situação deverá piorar nos próximos anos devido à probabilidade de a Índia se tornar uma nação “com escassez de água” com disponibilidade de água inferior a 1000 m³ per capita por ano no cenário Business as Usual (BAU). ). A situação atual pode ser melhorada com a adoção de ferramentas e mecanismos como conservação da água, práticas eficientes de uso da água, melhores práticas de irrigação, tratamento e reciclagem de efluentes, benchmarking da água utilizada para diferentes setores e uso de instrumentos econômicos. Embora muitos desses mecanismos já estejam sendo adotados em alguns lugares, eles precisam ser amplamente adotados para melhorar seu impacto.

mongabay

A situação do abastecimento de água para o setor doméstico

Na capital nacional, a demanda por água na frente doméstica está aumentando rapidamente. Com base no padrão de 60 galões per capita por dia (GPCD), a necessidade total de água para o NCT de Delhi em março de 2021 foi de 1.380 MGD para a população projetada de 23 milhões, de acordo com o Delhi Economic Survey, 2020-21. Atualmente, há uma necessidade de aproximadamente 20% a mais de abastecimento de água para a cidade atender a necessidade de água doméstica.

No cenário atual, as autoridades urbanas enfrentam sérios desafios no atendimento da demanda por água e no aumento da oferta de água para o futuro. No entanto, a falta de equilíbrio entre a oferta e a procura agrava o desafio no terreno. O problema é agravado por uma série de outros problemas, como o esgotamento e degradação dos recursos hídricos causando escassez persistente de água, mudanças climáticas que estão causando distribuição desigual das chuvas, bem como o aumento da demanda por água devido à urbanização. Observa-se também que consumidores economicamente estáveis ​​apresentam maiores demandas por água. Assim, estas complicações no terreno, aliadas aos escassos recursos orçamentais e aos respetivos problemas institucionais e governamentais, levam a um enorme fosso entre a necessidade e a disponibilidade de recursos.

Além disso, os altos subsídios dos serviços de água sob controle governamental têm feito com que a água seja um produto de baixo preço e, consequentemente, a comunidade perceba constantemente que a água é gratuita. Além disso, o ‘esquema de água grátis’ do governo de Délhi permite que os consumidores domésticos que tenham um medidor de água em funcionamento usem até 20 quilolitros por mês. Por outro lado, ainda há um grande número de conexões ilimitadas, enquanto muitas outras ainda apresentam falhas ou não funcionam. De acordo com o Delhi Jal Board (2018), 2,6 milhões de ligações de água foram sancionadas, das quais 13% não possuem medidores funcionais, enquanto 3,5% das ligações permanecem sem medição. Como o fornecimento de água encanada continua a existir, a extração de água subterrânea por vários moradores de Délhi permanece sem monitoramento e sem cobrança.

Instrumentos econômicos para melhorar a eficiência no uso da água

Uma medida importante para reduzir o desperdício de água em Delhi é baseada na racionalização das tarifas de água. Baseia-se no princípio de “use mais, pague mais”.

O desperdício de água é muito difícil de monitorar em nível doméstico. Cobrar um preço razoável pelo consumo de água é considerado uma medida necessária pelo Delhi Jal Board, pelo governo de Delhi e pelo governo da Índia (Water Policy for Delhi, 2017). Uma política de tarifa de água funcionará de forma eficaz para consumidores financeiramente estáveis ​​e não financeiramente estáveis. Enquanto os consumidores de baixa renda tenderão a usar menos água para estabilizar suas tarifas de consumo de água, os consumidores economicamente estáveis ​​pagarão o preço da água adicional consumida no mês. A medida cria um equilíbrio entre o uso da água e os encargos de manutenção da infraestrutura hídrica.

mongabay

Recomenda-se considerar a renda média municipal para calcular as taxas de água para os diferentes grupos de renda. A tarifa uniforme da água implicará um elemento de regressividade que afetará os consumidores com problemas econômicos. A reformulação das tarifas de água deve ser considerada para melhorar o acesso à água para famílias de baixa renda, de modo que suas necessidades básicas de água sejam cobertas. Pode ser semelhante a ‘taxas de imposto de renda’, onde diferentes encargos são impostos a diferentes grupos de renda. A medida ajudará a conscientizar os grupos de renda mais alta para usar a quantidade adequada de água e também conscientizar de que o uso excessivo acarretará custos adicionais. A medida vai gerar um bom grau de progressividade na política de tarifas de água para os consumidores domésticos, além de conscientizá-los sobre a quantidade de consumo. Além disso, também trará de volta o conceito de equidade social que já foi um dos principais objetivos da tarifação da água urbana, criando uma sinergia de equidade e acessibilidade para uma grande porcentagem de consumidores.

É fundamental comentar sobre a adequação das tarifas de água em uma cidade como Delhi, devido à diversidade entre os consumidores do setor doméstico urbano. Preços baratos são contabilizados significativamente quando a população local tem pouco controle sobre o uso; cria um indicador necessário e uma barreira contra o uso excessivo de água. Além da realização responsável do uso sustentável da água entre os consumidores, o conceito promove a conservação da água e técnicas de aumento de água, como a captação de água da chuva e o uso de águas residuais tratadas sempre que possível. Concorda com os tão discutidos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), em particular o ODS 6 (água potável e saneamento), ODS 12 (consumo e produção responsáveis) e ODS 13 (ação climática) e, portanto, é um fator para manter o controle sobre a gestão da água no setor doméstico. A tarifa deve ser revisada periodicamente para acompanhar o custo de operação e manutenção dos corpos hídricos urbanos de cada estado e, mais importante, deve ser justa e razoável para os consumidores de diferentes grupos populacionais. água limpa. para todos.

Este artigo foi publicado originalmente na Mongabay Índia. Agradecemos seus comentários em [email protected]

Source link

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo